Mark Malloch Brown
Mark Malloch Brown 08 de julho de 2018 às 14:00

A ilusão global do Brexit

Hoje, a aspiração dos defensores do Brexit de um Reino Unido capaz de conduzir a "Angloesfera" em direcção a um admirável mundo novo foi reduzida a uma ilusão cómica.

O que aconteceu com o Reino Unido? Desde o referendo do Brexit em Junho de 2016, a política externa britânica praticamente entrou em colapso.

 

Com os Estados Unidos em retrocesso, a Rússia beligerante e a China em ascensão, nunca houve um momento melhor para o Reino Unido se envolver globalmente. Mas não está a fazê-lo. A preocupação do governo com o nó górdio do Brexit cegou-o para o que está a acontecer além das suas fronteiras.

 

Não era suposto ser assim. No período que antecedeu a votação do referendo, a promessa dos defensores do "Leave" de um "Reino Unido global", livre dos grilhões da União Europeia, convenceu muitos de que um Reino Unido pós-Brexit seria mais forte. Mas hoje, a aspiração dos defensores do Brexit de um Reino Unido capaz de conduzir a "Angloesfera" em direcção a um admirável mundo novo foi reduzida a uma ilusão cómica.

 

Consideremos a Índia, que poderia ser um grande parceiro comercial para o Reino Unido depois do Brexit.

 

O problema é que os indianos vêem o Reino Unido e a Europa como um só mercado. Para eles, o objectivo do Reino Unido de adoptar as suas próprias regras e padrões é uma inconveniência frívola. Antes de expandir o comércio e o investimento com o Reino Unido pós-Brexit, a Índia procurará provavelmente reforçar os laços com a UE.

 

O enfraquecimento da posição do Reino Unido também é evidente em casa. Apesar do apoio global no desafio à intromissão russa no Reino Unido - incluindo a expulsão coordenada de espiões russos após um ataque descarado com um agente nervoso em solo inglês - a verdade é que o Reino Unido é agora o elo mais fraco da Europa. É só uma questão de tempo até o presidente russo, Vladimir Putin, sondar o Reino Unido novamente, e quando o fizer, o país terá menos ferramentas para responder.

 

Ao mesmo tempo, com o Reino Unido a juntar-se ao governo de Trump, colocando o comércio e o investimento à frente dos direitos humanos e da boa governança, jornalistas, políticos da oposição e activistas dos direitos humanos em todo o mundo estão menos seguros. Ao retirar-se das normas liberais e ao colocar-se ao lado dos Estados Unidos, o governo da primeira-ministra Theresa May tornou-se um pau mandado de Trump. O "relacionamento especial" sobreviveu, mas é agora uma fonte de incerteza global, e não um reduto de estabilidade.

 

O colapso da política externa britânica - e a inclinação do país para o iliberalismo - chegou numa altura de aprofundamento da insegurança global. Os EUA e a China estão no meio de um reequilíbrio geopolítico que levará uma geração para se desenvolver. Num mundo cada vez mais fora de ordem, a Europa deve servir de lastro.

 

Mas uma Europa sem a tradicional liderança, juízo e diplomacia do Reino Unido será uma Europa mais fraca. E o Reino Unido, por sua culpa, terá sido reduzido a uma curiosidade patética.

 

Mark Malloch-Brown é presidente do Best for Britain, membro da Câmara dos Lordes, e antigo vice-secretário-geral da ONU e ministro britânico.

Copyright: Project Syndicate, 2018.
www.project-syndicate.org
Tradução: Rita Faria

pub