André  Veríssimo
André Veríssimo 19 de maio de 2017 às 00:01

Trump e Temer

As dúvidas sobre a competência de Trump para exercer a presidência dos EUA, um dos cargos mais exigentes do planeta, sempre existiram. Desde que tomou posse, o Presidente dos EUA tem feito delas uma certeza.
No actual momento económico e geopolítico esta presidência tinha condições para ser tranquila e escorreita. Não com Trump. O que temos é uma sucessão impensável de escândalos, crises e dramas. Por causa de Trump.

Não é só a inexperiência política – outros houve para quem esse não foi um óbice ao sucesso. Aliado a um perfil psicológico em que sobressaem a impulsividade e o narcisismo, há uma confrangedora falta de cultura, de mundo. Depois há o desprezo pelos valores da democracia, visíveis na intolerância à crítica. Não podendo calar os media, tenta anulá-los pela descredibilização e fez o mesmo com os juízes que se lhe opuseram. Há traços nepóticos na forma como instalou uma corte familiar na Casa Branca. Juntam-se agora fortes suspeitas de que terá tentado condicionar a investigação sobre as relações de elementos da sua campanha com o Kremlin, despedindo o director do FBI.

Trump não o diz de forma directa, mas pelo discurso induz-se facilmente que preferiria ter instituições acríticas e obedientes. Felizmente, estes quatro meses têm mostrado que os Estados Unidos são um país de instituições democráticas robustas. Há juízes capazes de travar abusos, como na proibição discriminatória de entrada de muçulmanos de alguns países nos EUA. Há um Congresso e um Senado disponíveis para investigar a legalidade da actuação do Presidente.

Como demonstraram os autores de "Porque Falham as Nações", é a existência de instituições democráticas fortes e independentes que explica o sucesso económico e social dos países. É o que na essência explica porque na Nogales do estado americano do Arizona se vive melhor e por muito mais tempo do que na Nogales do estado mexicano de Sonora, mesmo só havendo uma vedação a separá-las. É também isso que explica porque o Brasil está como está.

A mesma palavra junta por estes dias Trump e Temer nas manchetes: "impeachment". É nas crises que se vê e afirma a vitalidade das instituições democráticas. O Brasil tem-no conseguido na forma como vai "lavando a jato" a corrupção. Falta-lhe conseguir que não sejam outros corruptos a ocupar o vazio.

Nos EUA, nunca um Presidente americano foi destituído por um Congresso em que o seu partido era maioritário. Mas há razões para acreditar que, existindo matéria, é isso que acontecerá com Trump. Nem que seja por saudável calculismo político. 

A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 19.05.2017

Mas desde quando é que um governo é feito por uma única pessoa. Também não gosto do estilo trauliteiro de Trump. É indigno para o cargo que representa. Mas votaram nele e ele ganhou as eleições. Mas o governo dos EUA tem na sua equipa elementos fantásticos e em muitas áreas importantes ideias programáticas muito ao sabor das necessidades contemporâneas que carecem de resposta adequada, a começar pelo Secretário do Tesouro, Steve Mnuchin.

comentários mais recentes
j 20.05.2017

No caso do Trump as acusações infundadas até agora têm os contornos de um "soft coup".
https://consortiumnews.com/2017/05/19/the-open-secret-of-foreign-lobbying/
https://consortiumnews.com/2017/05/18/when-the-trump-coup-makers-cometh/

Anónimo 20.05.2017

Trump Temmer têm legitimidades democráticas diferentes,Trump ganhou por voto direto enquanto Temmer foi votado pelo congresso.Trump tal como Bush são republicanos e não são do agrado dos proto marxistas , intelectuais,urbanos ,midia etc.Trump não governa p agradar á oposiçao ,EU etc mas pra EUA.

Anónimo 20.05.2017

Em comparação com Marcelo e o seu governo das esquerdas unidas, Obama foi um fanático ultra neoliberal: "Job shifts under Obama: Fewer government workers, more caregivers, servers and temps" www.pewresearch.org/fact-tank/2015/01/14/job-shifts-under-obama-fewer-government-workers-more-caregivers-servers-and-temps/

Anónimo 19.05.2017

Com que então Trump e a alite americana que o apoia é incompetente? Então o que dizer de uma elite que todos conhecemos que levou um País à falência ?

ver mais comentários
pub
pub
pub