Celso  Filipe
Celso Filipe 16 de fevereiro de 2017 às 00:01

Construam-me, porra!

Corria o ano de 1994 quando um grupo de militantes da Juventude Socialista de Beja resolveu escrever na parede de um pontão feito para suportar as obras do Alqueva a frase, simultaneamente provocatória e irónica: "Construam-me, porra!"
A parede, que durante anos ostentou estes dizeres havia sido levantada em 1977 e a barragem do Alqueva, depois de décadas de protelamento, só começou a ser construída em 1998. Hoje, ninguém questiona a importância decisiva que o Alqueva teve e tem para a dinamização da economia alentejana, nas suas mais variadas vertentes, que vão da agricultura ao turismo.

O "construam-me, porra!" também pode ser aplicado, com propriedade, às necessidades aeroportuárias da Grande Lisboa. Durante décadas, andou-se às voltas com o tema e o debate sobre a localização de um novo aeroporto foi-se eternizando, umas vezes Ota, outras Alcochete, ou então soluções de compromisso como a reconversão das bases aéreas, de Alverca ou do Montijo. Cada uma delas com vantagens e inconvenientes, mas sempre com o mesmo triste destino, o de não saírem do papel.

É óbvio que não existem soluções perfeitas. Há quem aplauda a decisão agora tomada de reconversão da base aérea do Montijo para receber aviões civis, outros que preferiam que se começasse já a construir um aeroporto de raiz que a longo prazo substituísse, na totalidade, o Humberto Delgado. Existem argumentos plausíveis para sustentar qualquer uma das opiniões, mas no fim do dia há uma que tem de prevalecer. Como em tudo na vida.

O memorando de entendimento, ontem assinado entre a ANA e o Governo, tem o mérito inquestionável de pôr termo a este interminável debate sobre a localização de uma nova solução aeroportuária . É um acordo fechado sob pressão, porque o crescimento do tráfego de passageiros e a necessidade de aumentar a competitividade do aeroporto de Lisboa face à concorrência assim o obriga. Mas é, sem margem para dúvidas, um acordo para aplaudir porque nos pratos da balança o peso das vantagens é muito maior do que o das desvantagens.

A nova solução aeroportuária para Lisboa só estará operacional entre 2020 e 2021. Até lá a ANA fará contorcionismo para acomodar a procura e o aumento do tráfego no Humberto Delgado. Daqui a uma década ou duas, tal como aconteceu em relação ao Alqueva, serão produzidas loas sobre os benefícios do Montijo para Lisboa e para o país. Vai uma aposta? 


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 16.02.2017

Suspeito é que um destes anos se decide construir um aeroporto de raiz porque o Montijo não passa de solução provisória e muito favorável à dona da ANA (a VINCI).
Assim o aeroporto definitivo vai ter dois custos : o seu e o da alteração do Montijo.

pub