André  Veríssimo
André Veríssimo 27 de setembro de 2017 às 23:00

A imutabilidade das autárquicas

A cada quatro anos, ele é praças embelezadas, acessibilidades rodoviárias renovadas, pavilhões desportivos e de outros usos com cara lavada, parques infantis arranjados, a que se juntam agora as incubadoras de start-ups. Obra, obra, obra, feita à medida do calendário da campanha, sabe Deus com que custos extraordinários. É tal o afã que este ano o investimento das autarquias já aumentou 40%, coisa inédita em, pelo menos, uma década.

É mais um daqueles velhos hábitos que voltaram assim que o programa de austeridade fez as malas. Olha-se à volta e não há como desgostar desta renovação quadrienal. Quem não aprecia a calçada enfim reparada, os novos bancos do jardim, o empedrado no centro histórico ou o brilho da pintura fresca? Depois pensa-se na racionalidade deste ciclo, que é coisa que não existe. Fora a da política, impura e dura, claro está.

Até os temas se repetem. Há umas semanas saiu no Público um pertinente exercício de comparação dos assuntos que marcavam esta campanha autárquica e a de há 20 anos, em Lisboa. Na essência são os mesmos, habitação para os jovens, desenvolvimento dos transportes, redução do número de carros.

Têm um tempero diferente, a habitação choca agora com o turismo e aos problemas do trânsito chama-se mobilidade, mas os ingredientes são os mesmíssimos. Prova de que neste exercício plástico a que assistimos de quatro em quatro anos, as questões essenciais ficam para segundo plano.

Nem todas são responsabilidade exclusiva das câmaras. E é justo que se diga que nem todas as autarquias funcionam assim, e isso vê-se na cautela financeira de umas a contrastar com a irresponsabilidade de outras. Mas é assim que funciona a grande maioria, sem gestão estratégica que não seja a gestão do ciclo eleitoral. Porque ainda é assim que se vencem eleições, com o voto do eleitor a deixar-se levar na sedução da obra feita. O Governo central não foge à regra, com a promessa orçamental de mais rendimentos a tomar o lugar ao betão e ao alcatrão. Se agravamentos fiscais houver, só os conheceremos depois do próximo domingo.

Invariável é também o debate sobre se os resultados das autárquicas devem ou não ter uma leitura nacional. Quem os teme diz que não, mas acabam sempre por ter. Nestas eleições, a carapuça serve inteirinha ao PSD e a Passos Coelho. Depois de em 2013 o partido ter ficado apenas com 106 câmaras, o número mais baixo de sempre, e perdido várias capitais de distrito, olhando para o andar da carruagem tudo aponta para que este possa ser o fim da linha para o actual líder do PSD.

As autárquicas oferecem-nos, a cada quatro anos, um retrato do país real político. E o que se viu já foi bem pior. Mas da gestão eleitoralista, passando pela figura do candidato itinerante que salta de concelho em concelho, muito há ainda a progredir na moralização do poder local. 

A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga 28.09.2017

Normalíssimo ... Se os xuxas e geringonços vendem a ilusão do novo milagre economico e PARAISO tuga....

Anónimo 28.09.2017

Mudar mentalidades. criar maturidade social.
Isso leva gerações.
E é preciso querer durante gerações.

Saber mais e Alertas
pub