Celso  Filipe
Celso Filipe 04 de Novembro de 2016 às 00:01

A língua que nos pariu

Portugal fez-se nação por força da língua. Foi o galaico-português que traçou uma fronteira vertical num território, a Península Ibérica, onde a continuidade geográfica é evidente. A língua assumiu-se como instrumento de soberania, identidade e diferenciação face a Espanha.
Foi também por essa razão que Timor-Leste adoptou o português como língua oficial, quando se tornou um Estado soberano, em 2002. Timor-Leste recusou as outras duas hipóteses, o inglês e o tétum, para se afastar do perigo de uma nova forma de colonização, por via da língua.

Numa outra perspectiva, a China poderá até tornar-se a maior potência económica mundial, mas falhará sempre o fecho do círculo do poder porque o mandarim nunca se constituirá como um língua universal. Ou seja, a língua está longe de ser um assunto secundário no equilíbrio de forças à escala planetária.

A língua pode até aparecer um assunto etéreo, mas só na aparência. Foi pela língua que o cinema e a música dos falantes de inglês, sobretudo os Estados Unidos e a Inglaterra , se tornaram dominantes. Por isso, pode agora parecer extemporâneo classificar como perigosa a invasão de anglicismos que assola Portugal. Não é extemporâneo e é efectivamente um perigo, além de transmitir sinais de subserviência perante uma potência linguística, o inglês.

A situação é ainda preocupante porque estes anglicismos estão a ser incorporados pelas elites, as quais têm uma maior capacidade de os disseminar, e também pelos jovens, mais expostos à língua que manda nas novas tecnologias, o inglês. Depois existem os tristes casos de utilização dos anglicismos por mera parolice ou por preguiça de encontrar sinónimos em português, ou então pela combinação destes dois factores.

A língua que nos pariu em 1139 foi também aquela que deu a identidade a países como o Brasil, Angola e Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Guiné-Bissau, possibilitando que o português seja hoje a quinta língua mais falada do mundo.

O uso de expressões inglesas, que podem parecer uma moda ou uma forma de universalizar a comunicação em determinados sectores, como o empresarial, é na prática uma cedência de soberania e um acto desnecessário de submissão. A língua que nos pariu, rica, dúctil e identitária, não merece tamanho destratamento. Até porque sem ela não existiria país. 

P.S.: o título deste editorial é inspirado no livro "O português que nos pariu" da autoria da escritora e jornalista brasileira, Ângela Dutra de Menezes.

A sua opinião18
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Florentino Marabuto Há 21 horas

Só faltou falar no insano acordo ortográfico...

PARABÉNS, CELSO FILIPE ! Há 2 dias

1) - Caro Celso Filipe, não afinamos no mesmo diapasão, ideologicamente – você é de direita, eu sou de esquerda -, mas não posso deixar de o felicitar vivamente, pela sua postura vertical e desassombrada, na defesa daquilo que, verdadeiramente, nos dá a identidade e o orgulho de ser Portugueses,

PARABÉNS, CELSO FILIPE ! Há 2 dias

2) - ou seja, a Língua de Camões.
Sobre esta Língua, branda na pronúncia, doce no seu ciciar, como a brisa através da folhagem, onde a poesia encontra o seu terreno de eleição e culta nas suas raízes greco-latinas, escreveu o insuspeito Eça : “Um homem só deve falar, com impecável segurança e

PARABÉNS, CELSO FILIPE ! Há 2 dias

3) - pureza, a Língua da sua terra.
Todas as outras as deve falar mal, orgulhosamente mal, com aquele acento chato e falso, q denuncia logo o estrangeiro.
Na Língua verdadeiramente reside a nacionalidade.
O cosmopolitismo do verbo irremediavelmente lhe dá o cosmopolitismo do carácter. Por isso,

ver mais comentários