Raul Vaz
Raul Vaz 05 de setembro de 2017 às 23:00

A raspadinha de Costa

Seria bom que Manuel Caldeira Cabral, um homem bom, sério, cuidadoso e competente, tivesse razão. Diz o ministro da Economia que o Governo "acabou com a austeridade". O ministro vive neste mundo, mas não é deste Governo.
A austeridade está aí, mitigada, exuberante num espartilho de cativações orçamentais que o povo não percebe, não quer saber e rejeita o atrevimento de quem a denuncia. Está aí e vai continuar em finas fatias com a espessura financeira necessária para que todos os compromissos sejam resolvidos.

A vontade de Caldeira Cabral – numa entrevista de sopro e orgulho ao El País – leva-nos ao erro de Pedro Passos Coelho. É um equívoco irreversível que, contestando aquilo que o povo recusa, emerge como uma teimosia tonta. Chegará o dia em que ambos, paradoxalmente, se sentirão confortáveis com o que hoje dizem. Será sempre fora de tempo.

Este tempo está na fórmula em que a necessidade cria o engenho. Será assim no próximo Orçamento e no seguinte até que as eleições façam contas e determinem decisões. Será aí que o jogo, já com o árbitro ainda mais poderoso na sua relação com o povo, terá sequência. Até lá, António Costa fará o suficiente, sem picos de exuberância, para construir uma fórmula alternativa.

Nesse objectivo há uma ilharga elementar. Não é com esta equipa que Costa pensa chegar ao jogo final. Também não será, por contingências disruptivas, que o ponto encontrará o nó – naquela que é uma preocupação essencial no exercício da "política à Costa". Habita em Costa uma aparente contradição entre uma resiliência oportuna e a paciência inoportuna – aquilo que facilmente irrita a direita e desconcerta a esquerda. O modelo, de raiz, exige, indiscutivelmente, a cabeça de um moderado.

Depois das autárquicas, algures no rescaldo do Orçamento, o primeiro-ministro tem a intenção de reforçar a componente política do Governo. Em qualidade, sentido prático, relação de confiança. Não será apenas por isso que o ministro da Economia está na primeira linha de saída.

Não é a única razão que razões conhecidas levam à avaliação de Constança Urbano de Sousa ou Azeredo Lopes. Mas é por uma relação de incondicional de confiança, aliada a uma qualidade provada e uma inteligência manifesta, que Pedro Siza Vieira, advogado e amigo pessoal do primeiro-ministro, está na linha da frente.

António Costa sabe que vai ganhar as eleições apesar da austeridade que a realidade e o (seu?) ministro das Finanças impõem, sabe que tem de encontrar cúmplices para a segunda parte do jogo (com o país a crescer e socialmente distendido, mas com uma dívida pública incontrolável). Costa adoraria poder prescindir da geringonça ou parte dela e ser a geringonça a reafirmar uma fidelidade submissa.

Eis um tabuleiro em que o Presidente do povo (que pede, e bem, explicações sobre os dinheiros de Pedrógão e questiona Tancos) tem de estar. Um jogo em que o chefe do Governo vai apostar todas as fichas. Até por saber que – por deficiência da oposição e rejeição da direita à geringonça – o centrão lhe pode oferecer a raspadinha da sorte. São contas do mesmo rosário.  

A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado IS Há 2 semanas

Precisamente! O discreto académico do governo prof Manuel Caldeira Cabral poderia reflectir antes de fazer afirmações deste teor sobre política de austeridade .

comentários mais recentes
Adoro Há 2 semanas

Adoro ver este fascista aziado

IS Há 2 semanas

Precisamente! O discreto académico do governo prof Manuel Caldeira Cabral poderia reflectir antes de fazer afirmações deste teor sobre política de austeridade .

Francisco António Há 2 semanas

ILustre Raul : saudades da Maria Luís ?

"Vamos alem da Troica" Há 2 semanas

Dizia o aldrabão do Passos, foi corrido e bem corrido, o objetivo dele era destruir a classe media e sermos todos pobres....porque sim.

ver mais comentários