André  Veríssimo
André Veríssimo 11 de setembro de 2017 às 23:00

A sobranceria à solta

A popularidade do Governo e a falta dela na oposição conduzem com facilidade à sobranceria. E há já sinais preocupantes desse comportamento.

Quando o ministro da Defesa diz, na entrevista ao DN e à TSF, que, "no limite, pode não ter havido furto nenhum" em Tancos, exala sobranceria. Mesmo existindo a hipótese académica, não é curial o detentor da tutela vir dizê­-lo mais de dois meses depois do roubo, como se fosse normal continuarmos no actual estado de ignorância sobre o que se passou. Isto num caso que o próprio classificou como "grave".


No mais, a entrevista é um lavar de mãos. O apuramento de responsabilidades, Azeredo Lopes chuta-o todo para a hierarquia militar. Que não gostou, mas partilha, até ver, a culpa no cartório da inimputabilidade. Há processos a decorrer. Vejamos no que dão.


Em Pedrógão Grande, há essa mesma areia para os olhos dos inquéritos a decorrer, deixando intuir uma tentativa de que a culpa venha a morrer solteira lá pelas calendas. Não se trata de uma obsessão com a culpa, o argumento que o ministro arremessa a quem lhe pede consequências. É porque a assunção de responsabilidades é um passo essencial para garantir o respeito pelo Estado. E sem ela, dificilmente se operam verdadeiras mudanças.

Neste Governo, o reconhecimento de responsabilidades políticas pára nos secretários de Estado. Se a popularidade do Governo fosse outra, mais baixa, chegaria por certo aos ministros. Mas António Costa tem os seus "focus group" e eles sussurram-lhe que não é caso para tanto.

A sobranceria tem outras manifestações. Está na forma como o Governo rasga acordos e depois vem pedi-los à oposição. Está no condicionamento dos nomes escolhidos para a administração do Conselho de Finanças Públicas. Ou na escolha dos novos membros para a administração da Anacom, com ligações a um dos regulados e ao PS. Aqui houve, ao menos, o bom senso de recuar na decisão.

Estamos, ainda assim, muito longe da húbris que vimos em tempos não muito longínquos. Tempos a que Catarina Martins fez questão de aludir na entrevista ao Expresso publicada este fim-de-semana: "As pessoas conhecem as maiorias absolutas do PS." Disse-o para vincar que nesse cenário o Bloco de Esquerda nunca se associaria ao Governo. Até porque isso seria tóxico para os próprios e, já agora, para o país. É que, mesmo sem maioria absoluta, a arrogância já anda por aí à solta
A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
eduardo.tapadas Há 1 semana

Fui tentado a comentar, mas a sobranceia não me deixou. Fiquei a pensar como é que o governo de um partido minoritário e que carece de apoio constante para passar as suas opções no Parlamento, pode ser sobranceiro. Concluí que isso só pode ser causado pela incompetência da oposição que lhe é feita. De quem será afinal a responsabilidade? Parece que o articulista não viveu os anos de maioria absoluta em que a oposição não contava para nada e era como se não existisse. Isso não foi sobranceria, foi arrogância absolutista.

Mr.Tuga Há 1 semana

Os camaradas de esquerdalhos são muito honestos e inquestionáveis! Estão acima de Deus....

Com os direitalhas, as gajas do BErloque e os inuteis do PxP/Xdu estariam a ladrar e espumar como cães RAIVOSOS!
Agora parecem gatinhos domesticados e de vez em quando mandam uma farpa "faz-de-conta"!

victor ribeiro Há 1 semana

Sobranceria é e foi sempre caracteristica da maneira de ser de Antonio Costa

Anónimo Há 1 semana

http://semtraste.blogspot.pt/2017/09/os-anonimos.html

pub
pub
pub