Celso  Filipe
Celso Filipe 08 de novembro de 2017 às 23:00

A virtude do pessimismo

O robô Sophia foi uma das estrelas do Web Summit. Num diálogo com outro robô, apropriadamente baptizado de Einstein, Sophia sentenciou: "Conheço muitas pessoas que têm medo de que a inteligência artificial destrua a humanidade e lhes tire o trabalho. Nós, robôs, não temos vontade de destruir nada, mas vamos tirar-vos os empregos."
Mais à frente, numa conversa com jornalistas, o robô Sophia tentou suavizar a sua predição: "Ninguém rouba os vossos empregos, o responsável da empresa é que vai escolher dá-lo a outra pessoa." Ou seja, Sophia meteu o ónus da decisão no humano, o que revela também que os robôs aprendem depressa o discurso do passa-responsabilidades.

O World Economic Forum, num estudo de 2016, estima que a quarta revolução industrial se traduza na eliminação de cinco milhões de empregos, os quais serão substituídos pela chamada inteligência artificial. Este caminho é uma fatalidade que Sophia só tornou ainda mais enfática.

A questão de fundo reside na forma como lidar com esta inevitabilidade. Os caminhos da transformação industrial são sempre dolorosos e os ajustamentos a que obriga deixam marcas por muitos e longos anos. Até agora tem-se construído uma narrativa idílica deste admirável mundo novo, mas a verdade é que , em muitos casos anteriores, a tecnologia tem passado por cima de princípios sociais, éticos e políticos. Na mesma proporção em que tem havido debate sobre os benefícios desta quarta revolução, tem faltado reflexão sobre os seus impactos negativos na vida das pessoas e na procura de soluções para os menorizar.

Por exemplo, em Fevereiro deste ano, Bill Gates sugeriu que os governos deveriam taxar as empresas que usem robôs como forma de retardar, pelo menos temporariamente, a propagação da automação e financiar outros tipos de emprego. Uma ideia rejeitada pelos legisladores da União Europeia, segundo os quais uma política desse tipo seria negativa para a competitividade e, pasme-se, para o emprego.

Ora, esta quarta revolução tem todos os ingredientes para eliminar milhares de empresas e milhões de empregos, conduzindo a um aumento das desigualdades e consequente agravamento das tensões sociais.

Esta nova realidade da inteligência artificial e da automação é meio caminho andado para criar um mundo distópico, caso não se tomem medidas preventivas à escala global. Medidas sérias e estruturais que evitem cenários dantescos que até já foram ficcionados. Uma boa estratégia para lidar com esta realidade emergente está contida numa reflexão de Confúcio: "O pessimismo torna os homens cautelosos, enquanto o optimismo torna os homens imprudentes." É também isto que nos distingue dos robôs. 
A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
PARA O IMBECIL COM COLUNA DE AMIBA Há 1 semana

Para o imbecil que usa o Inglês no seu comentário, convirá lembrar esse cretino que estamos em Portugal, onde nos expressamos na Língua Portuguesa, uma Língua que já existia com personalidade própria, pelo génio de Camões, que a fixou, ainda o Inglês pouco mais era do que um dialecto.

ROBÔTS, MAIS UMA VITÓRIA DO ULTRALIBERALISMO Há 1 semana

A menoridade mental dos tarados, q vêem nos robôts maravilhas para o Homem é a mesma dos q viram na Informática um grande aliado para os q têm de ganhar, dia após dia, o pão para si e para os seus

Os robôts são - ISSO SIM - um maná do céu para quem quer mão de obra ao preço da uva mijona

A CRIAÇÃO NUNCA PODE SUPERAR O CRIADOR ! Há 1 semana

Ouvi, na Antena 1, um imbecil bem pensante afirmar que, nos tempos que aí vêm, os robôts superarão o homem ... em inteligência

Por vezes, apetece-nos ser primários nas palavras : OH SEU ANIMAL, VOCÊ SABE, POR ACASO, DISTINGUIR INTELIGÊNCIA DE MEMÓRIA ?
UM ROBÔT É ESTÚPIDO, SEU BURRO !

POR FAVOR, NÃO BRINQUEM COM A N/ INTELIGÊNCIA Há 1 semana

Recordo-me, bem claramente, do que se dizia, quando a informática começou a invadir as empresas : QUE SERIA BENVINDA, PORQUE IRIA "LIBERTAR" O HOMEM PARA MAIS TEMPO DE ACTIVIDADES LÚDICAS.

Hoje, todos sabemos, bem claro, qual o nome da "libertação" que a Informática trouxe ao Homem : DESEMPREGO !

ver mais comentários
pub