Celso  Filipe
Celso Filipe 15 de novembro de 2017 às 23:00

Angola e o teste do algodão

O princípio tem uma racionalidade à prova de bala. João Lourenço está a afastar a família dos Santos do círculo do poder e dos negócios do Estado para dar um sinal claro de que pretende romper com o passado e implementar uma governação transparente. Ninguém pode contestar esta estratégia, nem mesmo Isabel dos Santos, que ontem foi demitida da liderança da Sonangol.
De igual forma, é legítimo que João Lourenço queira ter em empresas fundamentais para o país (casos da Endiama, Sodiam e Sonangol), ou instituições como o Banco Nacional de Angola, pessoas em quem tem confiança política, porque isso o pode ajudar a ter êxito governativo.

Em suma, ninguém pode pôr em causa João Lourenço por exercer um poder que ganhou nas urnas ao ser eleito Presidente de Angola. Estrategicamente, o que João Lourenço (tido com praticante de xadrez) fez foi colocar no tabuleiro do poder, tão rapidamente quanto possível, as suas peças. Até porque a sua eventual inacção seria vista como uma tibieza e um sinal de subserviência em relação ao seu antecessor, José Eduardo dos Santos.

Depois desta "limpeza" (chame-se assim, por conveniência), João Lourenço tem agora a tarefa de mostrar que foi movido pelo desejo de moralização da coisa pública. E de colocar o primado ético na condução dos destinos do Estado.

É esse o teste do algodão que espera o Presidente de Angola e para o qual o tempo também urge. O de dar sinais de que as mudanças nas empresas públicas resultaram numa efectiva melhor gestão das mesmas com benefício para o Estado. E, a par disso, que as relações de organismos públicos e do próprio Governo, por exemplo com investidores privados, se pautam por critérios de eficiência e integridade.

Os mais cínicos dirão que estas mudanças são apenas de rosto (uns saem do poder, outros entram) e que no essencial tudo se manterá. Os mais românticos acreditarão que estas primeiras decisões de João Lourenço significam efectivamente que Angola vai mudar de vida.

O futuro dirá qual das partes terá razão. Por ora, importa dar o benefício da dúvida a João Lourenço, que em Agosto se apresentou como um reformador ao estilo de Deng Xiaoping, líder da China entre 1978 e 1992, que ficou conhecido como o criador do chamado socialismo de mercado.

Para já, em Angola, garantiu o respeito. Tem poder e exerce-o sem medo. A sua afirmação como líder também passa por aqui. No essencial, será escrutinado pelo tempo. 

A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso Há 4 semanas

Algodão, mas em rama.A Isabel é a mulher mais rica de África e ninguèm lhe vai tirar os "trapinhos".Esta manobra foi orquestrada no seu essencial,para parolos verem e aplaudirem

comentários mais recentes
COLONA ISABEL CHAMA DE "IRMÃOS" OS ANGOLANOS Há 4 semanas

Estas mudanças que JOÃO LOURENÇO está a levar a cabo, em Angola, só merecerão credibilidade, se quem roubou, escandalosa e vergonhosamente, as riquezas do povo angolano, tiver de restituir esses bens.
A PROPÓSITO DESTES ROUBOS, VENHAM, DEPOIS, DIZER QUE OS PORTUGUESES É QUE FORAM OS COLONOS.

Fidalgo Há 4 semanas

Para o povo, parece bem e promissor. Vamos ver se para as empresas estrangeiras a concorrencia é melhor

Santa ingenuidade Há 4 semanas

Obviamente que as partes fizeram um acordo. Santa ingenuidade.

surpreso Há 4 semanas

Algodão, mas em rama.A Isabel é a mulher mais rica de África e ninguèm lhe vai tirar os "trapinhos".Esta manobra foi orquestrada no seu essencial,para parolos verem e aplaudirem

pub