Celso  Filipe
Celso Filipe 08 de janeiro de 2018 às 23:00

Angola e o único que vale pelo todo

Em Novembro do ano passado, António Costa garantia, após um encontro com o Presidente de Angola, em Abidjan, capital da Costa do Marfim, que o “único irritante” nas relações bilaterais era o caso Manuel Vicente, “um tema da exclusiva responsabilidade das autoridades judiciárias portuguesas”.

Ontem, ficou a saber-se que esse "único irritante" é absolutamente determinante nas relações entre os dois países. Já não é um elefante na sala, mas sim um obstáculo que se tem de enfrentar e ultrapassar. O Presidente de Angola, João Lourenço, numa inédita entrevista colectiva, classificou como uma "ofensa" o facto de Portugal ter recusado transferir para Angola o processo em que o antigo vice-presidente do país é arguido, enfatizando assim a importância institucional deste caso.

Outro elemento relevante para ter uma perspectiva global da situação é o argumento de que, segundo João Lourenço, as autoridades judiciais portuguesas invocaram para indeferir o pedido de transferência do processo, o de não terem confiança na justiça angolana. Trata-se de uma avaliação pesada e que, embora de forma indirecta, acaba por colocar reticências sobre João Lourenço, enquanto representante máximo do Estado angolano. E, neste particular, caberá à justiça portuguesa dar informações adicionais sobre as razões subjacentes a esta decisão, tendo em conta que existe um acordo judiciário entre os países da CPLP que permite este género de transferências. Acrescente-se que Manuel Vicente nunca aceitará ser julgado em Portugal, o que só serve para aumentar a complexidade deste dossiê.

Do ponto de vista político, para João Lourenço o julgamento do ex-vice de José Eduardo dos Santos em Angola seria até um desafio, na medida em que constituiria um teste ao alcance das mudanças promovidas pelo novo Presidente no aparelho do Estado, justiça incluída, com todo o mundo a avaliá-lo.

Não há volta a dar. O caso Manuel Vicente já teve (e continuará a ter) implicações diplomáticas fortíssimas que vão determinar um esmorecimento das relações económicas, com prejuízo claro para ambos os países. É imperioso desatar este nó gordio antes que seja tarde demais. A par da legalidade exige-se bom senso._Sem este predicado, tudo o que irá acontecer é uma degradação progressiva das relações bilaterais e um eventual ataque (até pela via judicial) aos interesses portugueses em Angola. A questão para um milhão de dólares é a de saber quem, no fim, ganhará com esta política de terra queimada.
A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 09.01.2018

Infelizmente, não ficaria admirada se os Portugueses em Angola viessem a sofrer com esta questão; mas Portugal não pode ceder à chantagem angolana. Pensar que a "bomba atómica" dos tratados europeus foi acionada contra a Polónia justamente pela possibilidade de ingerência do poder político na Justiça...

comentários mais recentes
A DIGNIDADE DE UM PAÍS SOBREPÕE-SE À ECONOMIA 09.01.2018

Portugal não deve ceder a esta chantagem e birra angolanas, porque, se o fizer, está a criar um precedente futuro para novas situações semelhantes de exigências sem qq sentido por parte de Angola.
PORTUGAL EXISTE, COMO ESTADO, HÁ CERCA DE 850 ANOS E NÃO TEM LIÇÕES A RECEBER DE ANGOLA.

JUSTIÇA PORTUGUESA PODE TAMBÉM SENTIR-SE OFENDIDA 09.01.2018

"É imperioso desatar este nó górdio" escreve Celso Filipe.
Concordo.
Porém, não pode nem deve ter como preço Portugal perder a sua face.
Porquê ?
Angola, ao exigir a transferência para Angola do processo de M.V., está também - é uma leitura lícita fazê-lo - a desautorizar a Justiça portuguesa.

O facto de Angola ser jovem Estado ñ lhe é permiti 09.01.2018

Quando pisam o n/ terreno, as coisas têm de ser ditas.
No contexto da posição de força criada por Angola - foi Angola quem a criou e não Portugal -, é legítimo assimilar o jovem Estado angolano à idade da adolescência, ou seja, a idade em q falta alguma maturidade aos mancebos para serem razoáveis

A JUSTIÇA PORTUGUESA PODE IGUALMENTE SENTIR-SE OFE 09.01.2018

"É imperioso desatar este nó górdio" escreve Celso Filipe.
Concordo.
Porém, não pode, não deve ter como preço Portugal perder a sua face.
Porquê ?
Angola, ao exigir a transferência para Angola do processo de M.V., está também - é uma leitura lícita, fazê-lo - a desautorizar a Justiça portuguesa.

ver mais comentários
pub