Celso  Filipe
Celso Filipe 29 de dezembro de 2016 às 00:01

As lições de Marcelo

Marcelo Rebelo de Sousa foi escolhido pela redacção do Negócios como a personalidade do ano. Ganhou as presidenciais à primeira volta de forma categórica e com uma campanha de baixo custo e rapidamente se transformou no político com presença mais assídua na comunicação social.
Mais, Marcelo Rebelo de Sousa transformou o exercício do cargo de Presidente da República, demonstrando que não é preciso uma revisão constitucional para que o inquilino de Belém seja interventivo, faça valer os seus pontos de vista e marque a actualidade política. É claro que a existência de um Governo do PS, apoiado de forma inédita pelo Bloco e PCP, facilitou a afirmação de Marcelo e lhe deu uma influência acrescida. Mas é também evidente que o actual Presidente foi à procura desse espaço e conquistou-o com uma facilidade inesperada.

Marcelo não se revelou apoquentado pelo facto de o actual Governo não pertencer à sua família política. Pelo contrário, aproveitou este facto e as fragilidades de António Costa para se constituir como um aliado que o primeiro-ministro não pode dispensar. Marcelo, em vez de se assumir como factor adicional de pressão para forçar uma outra solução governativa, deu ao país a estabilidade necessária para atravessar com relativa calmaria um ano que se avizinhava particularmente difícil. E este é um capital político que lhe irá render muitos juros ao longo da caminhada presidencial.

Depois, não menos importante, Marcelo Rebelo de Sousa dessacralizou a presidência. O contraste com o seu antecessor não podia ser mais flagrante. Enquanto Cavaco tinha um comportamento reservado, uma atitude de aparente frieza na relação com os portugueses e um discurso político construído com enigmas, Marcelo mostra-se um homem de afectos, sempre disponível e com intervenções claras. Pode-se até criticá-lo por falar de mais, mas este manifesto exagero é compensado pelo facto de ser perceptível, junto da opinião pública, que Marcelo gosta verdadeiramente do que está a fazer. E isso faz toda a diferença

As sondagens não enganam. Uma última, da Universidade Católica, atribui-lhe um recorde de popularidade de 97% e uma nota de 16,7. No barómetro político da Aximage de Outubro, 91% dos inquiridos classificam o Presidente com um "Bom" e de zero a 20 dão-lhe nota 19.

Este ano, Marcelo deu umas boas lições sobre a arte de bem fazer política.  

A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso Há 3 semanas

Lições?Pantomimas

comentários mais recentes
Jorge Cunha Há 3 semanas

César
Subscrevo tudo o que diz...excepto que a campanha eleitoral foi de "baixo custo".
Que me diz de um program na TV - e pago! - durante 20 anos? Quanto é que custaria?
Quanto custaria a cada candidato uma campanha que ao menos igualasse isso?
Sejamos justos.
Boas festas e bom ano.

jcsalvado_goog Há 3 semanas

Durante quanto tempo ???

Francisco Antonio Há 3 semanas

Esperemos que mantenha a sensatez ! De Cavaco foi bom ver o ex-PR junto a D. Abranges e F.Louca

surpreso Há 3 semanas

Lições?Pantomimas