André  Veríssimo
André Veríssimo 29 de novembro de 2017 às 23:00

Belmiro e a elite

A possibilidade de uma elite que não nasce, vive e sobrevive à sombra do Estado é um dos maiores legados que Belmiro nos deixa.

Belmiro de Azevedo foi seguramente o empresário português mais importante do pós-25 de Abril. Pela obra que construiu, quase do zero, e que hoje atravessa sectores tão diferentes como o retalho, as telecomunicações, o turismo ou a comunicação social, e se espalha por 70 países. Pelo impacto que teve na gestão em Portugal.

A morte presta-se a consensos e ao endeusamento. Belmiro de Azevedo criou o "Homem Sonae", mas como qualquer homem o seu percurso não foi impoluto. A forma como capturou a Sonae da família Pinto de Magalhães foi polémica e arrastou-se nos tribunais, ainda que hoje seja inquestionável que foi Belmiro quem fez do grupo o que ele é. Em Portugal, ninguém como ele soube usar a bolsa para financiar os seus negócios, não sem provocar dissabores a muitos accionistas inexperientes. A cultura de exigência do grupo desafiou por vezes a fronteira do abuso. Teve desaires nos negócios, o Brasil foi o maior deles.

Nada disso impede que a sua seja uma biografia inspiradora. Bem pelo contrário. A sua origem humilde, o trabalho e o mérito nos estudos, o espírito empreendedor, a imensa dedicação, a frugalidade, o pensamento livre e incómodo para os poderes públicos. Dava tudo um cancioneiro.

É quase impossível sair à rua em Portugal e não dar de caras com uma das muitas marcas que da sede da Sonae no Porto chegaram a todo o país. Mas há outra herança, intangível, mas de igual valor: o impacto na gestão.

O Homem Sonae é um homem de valores. Essa ficará como uma das suas marcas: a importância dos valores dentro de uma organização, aquilo a que chamava um "cimento" da Sonae e foi uma chave do sucesso do grupo.

Entre esses valores estava, desde cedo, a preocupação constante com a valorização individual, com a formação. Aquilo que hoje é um lugar-comum, consagrado na legislação laboral, era há várias décadas um princípio no grupo Sonae.


Numa sociedade habituada à cunha, a Sonae impôs a lei do mérito. O facto de até os filhos terem tido de provar as suas capacidades para herdar o leme ficará na lenda.


A 25 de Maio de 1985 escreveu, num texto sobre a "Cultura Sonae", que "uma elite de dirigentes modernos tem de o ser por mérito, por reconhecimento dos subordinados, dos superiores, dos pares, da comunidade em que se insere. As elites verdadeiras não têm privilégios. Privilégio está conotado com favoritismo, nepotismo, favores de heranças, etc.".


A possibilidade de uma elite que não nasce, vive e sobrevive à sombra do Estado é um dos maiores legados que Belmiro nos deixa

A sua opinião20
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Muito bem ! Há 1 semana

Análise equilibrada e imparcial sobre os Prós e os Contras de um Homem que no imaginário do Povo Português da Lei da Morte se libertou, parafraseando Camões.

PS: Muito longe de Portugal mas hoje presente em espírito em terra Lusa na despedida ao filho de carpinteiro e antigo menino pobre de Marco de Canavese - como antigo membro do Partido Comunista Português, dos tempos de fogo de antes do 25 de Abril, não deixei de sentir aqui profunda tristeza ao tomar conhecimento que o Partido que foi meu (e de que Álvaro Barreirinhas Cunhal ainda é hoje para mim uma Referência ética inolvidável) , votou contra um voto de pesar pela morte de quem tantos postos de trabalho criou em Portugal !

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Estes milongas dos postos de trabalho.. se pudessem aplicar a escravatura mais postos criavam. Quando a coisa estava tremida fechavam na hora... quando podia apertava como os outros apertam. A posição do PC tem a ver com coisas antigas do pós 25 de Abril e dos industriais do Norte...

RE : "ARROGANTE E GANANCIOSO" Há 1 semana

Amigo:
Seguramente que terás as Tuas razões no que afirmas, e a Tua opinião, como qualquer outra, é digna de todo a consideração.
Mas não te esqueças que agora já estás a testemunhar para a História e conviria que não deixasses de ter uma especial preocupação em ser preciso e objectivo, sem prejuízo de não deixares de teres preocupação de respeito por quem a te irás juntar, como todos nós, mais cedo ou mais tarde.
Votos que seja o mais tarde possível e Saúde

ARROGANTE E GANANCIOSO ! Há 1 semana

A sua arrogância, insolência, pesporrência, agressividade e ganância couberam todinhas dentro do seu caixão !
Em termos de elevação de carácter não foi exemplo p/ ninguém.
Foi - isso ninguém nega - um excelente gestor para a sua conta bancária, desprezando os que ajudaram a criar a sua fortuna

Julgamento de Belmiro de Azevedo Há 1 semana

Será julgado pela História.
Mas não pela imensa fortuna que deixou legalmente aos filhos (e que, se valerem os precedentes históricos, se dissipará em 3 gerações),
Mas sim pela infinidade de postos de trabalho que criou, e pela riqueza que gerou e que, mais do que ter para ele ficado, ficou em grande parte para o País que era o seu, através dos impostos de que nunca houve notícia que se tivesse ilegalmente furtado a pagar.
No Tribunal da História possivelmente haverá muitos a acusá-lo, mas quem é mais importante -o País - seguramente comparecerá a defendê-lo.
E para ele e para os que o recordam, possivelmente, será tal o mais importante.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub