Raul Vaz
Raul Vaz 26 de outubro de 2017 às 23:00

Chocados? Habituem-se!  

Marcelo sabe mais de intriga e estratégia política que todos nós. Não há inocentes neste bate-boca. O que Marcelo faz, desarmando o outro lado, é colocar as questões de uma forma até simplista, mas clarificadora, porque centra o essencial: de um lado, a trica e a política de gabinete; do outro, as pessoas, as vítimas, aquilo que interessa.

A transparência do processo é cristalina. Depois de muitos dias a desempenhar desconfortavelmente o solitário papel de mau da fita, o Governo finalmente virou-se a Marcelo. Um artigo do Público dá voz ao sentir do Executivo, que ficou "chocado" com o duríssimo discurso de Marcelo que precedeu a demissão da ministra da Administração Interna.

 

Isto porque, segundo o mesmo artigo, o Presidente esteve sempre informado de tudo: do calendário de saída da ministra fragilizada e até das medidas que o Conselho de Ministros extraordinário sobre as florestas iria aprovar. Desfaz-se assim a narrativa simples de que a ministra só saiu depois do ataque mortal de Marcelo, e até de que o Governo deu corda aos sapatos depois do muito público puxão de orelhas do mesmo.

 

A reacção de Marcelo foi à Marcelo. "Entendo que há duas maneiras de ver a realidade. Uma é o diz-que-disse especulativo de quem ficou mais chocado com quem. Se A com B, se B com A. Outra é dizer que chocado ficou o país com a tragédia vivida. Eu entendo que a forma correcta é a segunda." Limpinho, limpinho.

 

Marcelo sabe mais de intriga e estratégia política que todos nós. Não há inocentes neste bate-boca. O que Marcelo faz, desarmando o outro lado, é colocar as questões de uma forma até simplista, mas clarificadora, porque centra o essencial: de um lado, a trica e a política de gabinete; do outro, as pessoas, as vítimas, aquilo que interessa.

 

A palavra choque tem uma enorme força e vários significados. O choque é sempre doloroso, ou não seria choque. Depois pode é ser gratuito ou justificado, e pode ser vácuo ou profícuo. Na melhor das hipóteses, é o choque que nos faz reagir, é ele que nos faz mexer, é ele que nos faz responder e seguir em frente. Esse é o choque que constrói, e no qual acredito.

Voltando a Marcelo, e ao essencial, as pessoas. É para elas que os titulares de cargos públicos trabalham. É para elas que trabalham os gestores, as empresas, até os jornais. Para uma comunidade que engloba quem serve e os que são servidos, numa sintonia de valores que, idealmente, dilui as fronteiras entre uns e outros.

 

Não há estratégia que viva sem as pessoas, e muito menos uma estratégia que substitua as pessoas. Que o choque seja fecundo e nos faça, a todos, ser melhores.

A sua opinião21
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 3 semanas

Mais: estou convencido de que Marcelo intuiu que se não atacasse o Governo publicamente, Costa, ainda que lhe tenha comunicado previamente intenções, nunca teria ido ao ponto que foi nas medidas e ficaria pelo seu habitual meias-tintas. Assim, de certo modo, a intervenção acutilante de Marcelo até ajudou o Governo, pois criou-lhe um quadro de condições que permitiu ir mais a fundo no ataque a alguns problemas.

comentários mais recentes
MARCELO NÃO OLHA A MEIOS PARA ATINGIR OS FINS Há 2 semanas

MARCELO poderá enganar os mais incautos, utilizando processos rasteiros, popularuchos e com lamechices nada próprios do perfil de um PRESIDENTE DA REPÚBLICA.
É lamentável o q vemos em MARCELO, utilizando o seu múnus, de um modo encapotado, para desígnios políticos próprios inconfessáveis, a prazo.

MARCELO É COMO O ALGODÃO : NÃO ENGANA Há 2 semanas

MARCELO só engana os distraidos
O ADN e a matriz de uma pessoa nunca mudam, assim como em MARCELO, cujo extracto é da direita, bem direita
Recordam-se das suas férias, em companhia do criminoso SALGADO, passados no seu iate ?
Recordam-se que o seu pai foi um diligente ministro de Salazar ?

APÓS PASSOS, MARCELO MOSTROU-SE TAL QUAL COMO É Há 2 semanas

Os beijinhos de Marcelo são um modo insidioso e hipócrita para criar popularidade e disfarçar as suas ambições políticas pessoais.
Se repararem, a chamada "lua-de-mel" com a Geringonça apenas durou, enquanto o PSD tinha à frente PASSOS, o qual com MARCELO são como azeite e vinagre.

MARCELO NÂO É, DE TODO, O QUE SE PENSA DELE Há 2 semanas

Marcelo afirmou, aleivosa e impositivamente, que, cito, "ESTE GOVERNO TEM 2 ANOS PARA RESOLVER O PROBLEMA DOS INCÊNDIOS", branqueando que o seu Partido, o PSD, governa, alternadamente, há 40 anos, SEM TER CONTRIBUIDO EM NADA PARA O ORDENAMENTO DA FLORESTA

Costa "respondeu-lhe" de um modo elevado.

ver mais comentários
pub