Tiago Freire
Tiago Freire 17 de janeiro de 2017 às 00:01

Comissão Geral de Depósitos

Há uns anos, relativamente a um exercício particularmente difícil para o sector financeiro, o então presidente da CGD avançou uma explicação relevante, o do papel especial do banco público no mercado português.
Para além das imparidades e da queda abrupta da actividade económica, Faria de Oliveira - hoje à frente da Associação Portuguesa de Bancos - explicou que os maus resultados se deviam também ao facto de a Caixa, enquanto banco público, ter responsabilidades especiais na regulação do mercado. Na prática, referia-se ao atraso com que o banco aumentou ‘spreads’ e comissões e cortou remuneração dos depósitos, face à concorrência, muito mais ágil e agressiva.

Este raciocínio tinha por base uma premissa, que era verdade e continuou a ser ainda hoje: como maior banco do sistema, a Caixa é uma espécie de bússola do mesmo, e os seus movimentos nunca dizem apenas respeito a si própria. Quando a CGD corta a remuneração dos depósitos os outros bancos ganham mais conforto para também o fazer; e o mesmo é ainda mais verdade quando a Caixa sobe comissões.

Podemos, e devemos, discutir se um banco que opera num mercado concorrencial deve ter este papel de "regulação" do sector, servindo um interesse público mas eventualmente distorcendo a concorrência. Mas, concordando ou discordando, é indiscutível que a Caixa sempre cumpriu este papel.

Vem isto a propósito de uma nova ofensiva do banco público nas comissões cobradas aos seus clientes (cartões, transferências, certidões, actualização da histórica caderneta aos balcões). Na verdade, o movimento não é surpreendente, faz parte do plano (que ainda está por ser divulgado publicamente) acordado com Bruxelas e que pretende melhorar a rentabilidade do banco. Só em comissões, isso sabe-se, são mais 150 milhões de euros ao longo de quatro anos.

Tal como não é novo que a Caixa vai cortar o número de balcões e de funcionários de forma agressiva: são menos 2200 trabalhadores e perto de 200 balcões.

O que é novo é quando isto tudo chegar ao terreno, quando o banco público começar a implementar as decisões de gestão como qualquer banco privado. Por exemplo, quando sair de vilas e cidades onde já não existem balcões de qualquer outro banco.

O golpe de génio de António Domingues foi comprometer-se com Bruxelas de que a recuperação da Caixa seria feita numa lógica privada, com critérios financeiros e de sustentabilidade. Mas isto é incompatível com o tal papel de regulador informal do mercado, de interesse público, desempenhado até aqui (e que em certa medida contribuiu para perdas na Caixa).

Aguardamos com curiosidade a carta de missão que o Governo irá passar ao banco público. E com mais curiosidade ainda o que os partidos mais à esquerda terão a dizer sobre esta nova Caixa Geral de Depósitos.
A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Ciifrão 17.01.2017

A Caixa foi para Espanha perder dinheiro, e muito, para isso temos os bancos privados sujeitos às regras de mercado sem o espartilho e favores da causa pública.

Mr.Tuga 17.01.2017

Acho muito bem!
Porque raio não pode a CGD aumentar preçário?!?!?!?

Desta forma pagam menos os CONTRIBUINTES e mais o clientes!
Felizmente, não faltam concorrentes para os mais "sensíveis"!