Celso  Filipe
Celso Filipe 13 de julho de 2017 às 00:01

Costa deixa PT sem rede

A resposta do primeiro-ministro esteve longe de ser fruto de um arrebate. Foi ponderadamente feroz e é um ataque ao grupo Altice, dono da PT Portugal.

No mesmo dia em que o presidente da PT Portugal, Paulo Neves, foi ao Parlamento garantir que a empresa "honra todos os compromissos legais" com os seus trabalhadores, António Costa fez um surpreendente ataque à operadora, durante o debate do estado da nação, insinuando que foi a que esteve pior durante o incêndio de Pedrógão Grande. E terminou assim: "Olhe, eu por mim, já fiz a minha escolha da companhia que utilizo."

 

De manhã, na comissão parlamentar de Trabalho e Segurança Social, Paulo Neves garantiu que a empresa age de forma transparente na sua relação com os trabalhadores. "Não aceito qualquer acusação de ilegalidade", afirmou, em resposta a questões feitas por vários deputados sobre a transferência de trabalhadores da PT Portugal para outras entidades do grupo Altice e de parceiras como a Visabeira.

 

À tarde,  reagindo a uma intervenção do PCP sobre o processo de despedimentos na PT Portugal, António Costa foi eloquente. "Receio bastante pelo que possa acontecer à PT, pela forma irresponsável como foi feita a privatização, que possa ser um novo caso Cimpor. E que isso possa pôr em causa, quer os postos de trabalho quer o futuro da companhia. Era bom que a autoridade reguladora  visse o que aconteceu, desde logo no caso de Pedrógão. Em que algumas operadoras conseguiram manter sempre comunicações, outras não. Olhe, eu por mim já fiz a escolha da companhia que utilizo."

 

A resposta do primeiro-ministro esteve longe de ser fruto de um arrebate. Foi ponderadamente feroz e é um ataque ao grupo Altice, dono da PT Portugal. Acontece num momento em que a empresa tem em curso um processo de despedimentos e realocação de trabalhadores, mas também num contexto em que já são públicas as negociações entre a Altice e a Prisa para a compra da TVI. De uma penada, António Costa desaconselha os consumidores a serem clientes da PT Portugal (vulgo, Meo), lança dúvidas sobre a forma como é gerida e revela que não tem em boa conta um grupo que deseja reforçar a sua presença em Portugal através da compra da TVI.

 

Com tudo isto, António Costa protagonizou uma violenta investida política contra uma empresa privada que vive em regime concorrencial e este seu comportamento é passível de crítica na medida em que pode contribuir para distorcer as regras de mercado. O primeiro-ministro extravasou claramente as suas competências, mas porventura atingiu o efeito político que desejava, legitimando os argumentos sindicais e transformando a PT Portugal e a Altice em sacos de boxe. E o assunto não vai ficar por aqui. 

A sua opinião31
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 13.07.2017

Caro Jornal de Negócios, é um facto que a Altice em Poortugal, tal como outras organizações portuguesas, está de mãos e pernas atadas devido ao governo socialista, à constituição do PREC de 1976 e à legislação laboral. E isso tem feito e continuará a fazer toda a diferença pela negativa. "As empresas de telecomunicações, tal como outras companhias dos sectores tecnológicos, estão a reestruturar-se, eliminando postos de trabalho a favor da automação, e reposicionando-se em novos projectos" Fonte: “Telecommunications providers, like other tech companies, are undergoing restructuring, losing jobs to automation, and pivoting to new projects,” (Relatório da Challenger, Gray & Christmas de Março de 2017) https://www.challengergray.com/press/press-releases/2017-march-job-cut-report-cuts-rise-17-percent-telecom-retail

comentários mais recentes
alblopes 14.07.2017

Num país a sério o sr. costa/baboucha seria demitido na hora por um PR que se prezasse! Mas como estamos num país de faz de conta, temos de assistir a estas calinadas dum trambolho que, para se salvar politicamente, tudo fará para o equilíbrio da sua estupidez! Até quando, senhores?

DJ viajante 14.07.2017

O governo deveria garantir o direito dos cidadãos e aplicacao de justica. Costa deixa trabalhar as empresas que pagam impostos, criam riqueza e se desenvolvem. O governo socialista nunca foi capa de criar riqueza e em breve a prova com o BES, TAP e........

Anónimo 13.07.2017

Este senhor PM que governe o País como deve ser e deixe os empresários gerirem as empresas !!¨Ele é cada disparate !!!

Anónimo 13.07.2017

Gostava de ver os sindicalistas a gerir uma empresa! Havia de ser bonito! Esta gente andava mal habituada e agora vem uma empresa realmente gerir. Vejam quantos funcionários têm a Vodafone e a NOS! Comparem. Muito menos gente comparativamente ao volume de negócios. Mas aí os sindicatos nem entram!!

ver mais comentários
pub