André  Veríssimo
André Veríssimo 23 de outubro de 2017 às 23:00

É bom mas não chega

Sendo indiscutível o mérito das medidas anunciadas pelo Governo para impedir a repetição da tragédia dos incêndios deste ano, é difícil não achar que se continua ainda a olhar para a árvore e a descurar a floresta.

É de aplaudir o esforço para cuidar dos vivos, com a criação de um procedimento extrajudicial que ajude a apressar o pagamento de indemnizações e a disponibilização de apoios financeiros às populações e empresas afectadas. Mesmo sabendo que, à força da burocracia, o tempo que o dinheiro leva a chegar a quem dele precisa continua a parecer eterno, como se viu no caso de Pedrógão.

A limpeza de bermas e faixas de gestão das rodovias e ferrovias é de elementar bom senso e põe-nos agora a questionar - infelizmente, só agora - como se permitiu tal negligência. Uma nacionalização não resolve nada em si mesma, mas compreende-se que o SIRESP é algo de que o Estado deve cuidar como seu.

Também ninguém questiona a necessidade de apostar na prevenção, reforçando sapadores, dotando o ICN de mais meios, criando zonas de protecção dos aglomerados populacionais e de infra-estruturas estratégicas.

O Governo vai beber, e bem, ao relatório da Comissão Técnica Independente para reformar o modelo de prevenção e combate, apostando na coordenação e formação.

Se tudo isto for avante, sem ser torpedeado por lóbis e oportunismos, Portugal ficará mais bem preparado para travar esta guerra. Mas há uma peça-chave que continua a faltar. 

O clima está a mudar. A pluviosidade média tende a diminuir e a seca a agravar-se. Por muitas equipas de sapadores que se criem, por muito que se reforce a estrutura da protecção civil, por muitas redundâncias que dê aos sistemas de comunicação, um dia com o número de ocorrências como o de 15 de Outubro continuará a ser indomável.

A médio e longo prazo, só o ordenamento e a valorização da floresta e um olhar sério e atento para a revitalização do interior, resgatando-o ao abandono e desertificação, poderão garantir de forma estrutural que o impensável não volta a acontecer.

O Verão de 2017 deixou uma imensa mancha do país devastada e ainda mais pobre. A coesão é uma prioridade em cada programa eleitoral e uma promessa sempre adiada. Enquanto o interior for uma casa abandonada, continuará entregue à sua sorte.
A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub