Raul Vaz
Raul Vaz 29 de novembro de 2016 às 00:01

E responsável político, não há?

A saída de António Domingues da presidência da Caixa é o reconhecimento, pelo próprio, de que, com declaração ou sem declaração, não havia condições.
Domingues viu aquilo que emergia e incitava o quotidiano: a gestão já não tinha condições para liderar o banco público numa saudável relação com a tutela. Falta a outra parte – o poder político – reconhecer que alguém está obrigado a assumir responsabilidades pela forma absolutamente inacreditável como todo este processo decorreu.

Vamos por partes. A origem do mal está num acordo político que as Finanças fizeram com o gestor que foram desviar ao BPI. Domingues pôs condições inacreditáveis para quem quer ir para um banco público? Pôs. Mas o Governo aceitou. Não vale a pena António Costa vir dizer que num Conselho de Ministros (sem a presença do ministro das Finanças) ele próprio garantiu que os novos gestores do banco público teriam de entregar as declarações de património. Costa sabia do acordo e por muito que António Domingues não seja um político, era óbvio que não ia engolir de um dia para o outro o dito por não dito das Finanças.

Um acordo político que viola uma lei é um acordo que exige responsáveis. Mas António Costa é especialista em empurrar a assunção de responsabilidades, convicto de que com caixa-de-ar e algum tempo tudo passa. Foi assim com outro caso que envolveu as Finanças, quando o secretário de Estado Rocha Andrade foi ver a bola com a Galp, com quem tinha de gerir um pesado conflito fiscal. Rocha Andrade tremeu, mas não caiu. Ficou apenas limitado no seu perímetro de acção, inibido de decidir sobre assuntos Galp. Pobre miséria a que limita liberdade à responsabilidade pública. Rocha Andrade vale mais e merecia melhor.

O primeiro-ministro é um praticante da realpolitik – em cada momento escolhe-se, sem preconceito, a melhor forma de decidir e resolver um problema. Também por isso, adora segurar governantes em queda e gosta pouco de ver membros da sua equipa a assumirem o erro. João Soares é um exemplo ao contrário, vítima do reconhecimento público de um excesso. Foi para a rua, em liberdade. Costa aceitou, sem pestanejar.

É compreensível que, sendo as Finanças uma pasta central na governação e sendo Mário Centeno o ministro que tirou Portugal dos défices excessivos, Costa não queira crises numa área sensível. Mas o caso da Caixa faz alastrar a nódoa que o primeiro-ministro passa a ter no currículo – com ele, não há responsáveis políticos.

A saída de António Domingues é apenas uma das faces de uma má moeda. Falta a outra. Não há responsável político? 

A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
OH RAUL DA PAFAS 06.12.2016

VAI LÁ LÁ, PÁ !

JÁ AGORA NÃO SE PODE VOTAR NOS COMENTÁRIOS MAS APARECE SEMPRE UM COMENTÁRIO MAIS VOTADO- É MILAGRE !

OH RAUL DA PAFAS 30.11.2016

VAI LÁ LÁ, PÁ !

JÁ AGORA NÃO SE PODE VOTAR NOS COMENTÁRIOS MAS APARECE SEMPRE UM COMENTÁRIO MAIS VOTADO- É MILAGRE !

Anónimo 29.11.2016

Não faz falta. Este seria uma despesa na CGD. Também trabalhar a despedir pessoas, fechar balcões e viver à grande, com prémios e mordomias, dos depositantes, como ele está habituado a fazer, não faz falta.

Francisco Dias 29.11.2016

A oposição fica-lhes tão bem...

ver mais comentários