Pedro Santos Guerreiro
E se a Alemanha estiver a preparar a saída do euro?...
28 Junho 2012, 23:30 por Pedro Santos Guerreiro | psg@negocios.pt
Enviar por email
Reportar erro
0
Mais uma cimeira, mais uma viagem, mais uma voltinha. Certo? Errado. Há agora uma diferença. Enorme. Espanha e Itália adoptaram um discurso de aflição. É altura de encararmos as perguntas difíceis: e se isto der mesmo para o torto? E se o euro acabar? E se no fundo a Alemanha estiver a preparar não a nossa mas a sua saída do euro?
Mais uma cimeira, mais uma viagem, mais uma voltinha. Certo? Errado. Há agora uma diferença. Enorme. Espanha e Itália adoptaram um discurso de aflição. É altura de encararmos as perguntas difíceis: e se isto der mesmo para o torto? E se o euro acabar? E se no fundo a Alemanha estiver a preparar não a nossa mas a sua saída do euro?

A União Europeia está à beira do descalabro. Falar nisso já não é alarmismo, não falar é que passou a ser negacionismo. O alarme soa já por toda a Europa. Soou ontem, aliás. Desde a Itália e desde Espanha, países que afinal não são grandes demais para falhar, são apenas grandes demais para salvar.

Na Itália, a armadilha chama-se dívida pública. É gigante. E o facto de ser em grande parte dívida interna e não externa começa a deixar de ser atenuante suficiente. Porque pagar taxas de juro mais elevadas é, para uma dívida tão grande, o suficiente para aniquilar o excedente das contas italianas. Para mais, o primeiro-ministro de que os mercados gostam, o tecnocrata Mario Monti, tem uma margem política muito reduzida para implementar medidas de austeridade. Porque lhe falta a legitimidade do voto. E porque a coligação parlamentar é frágil.

Em Espanha, o primeiro-ministro Mariano Rajoy é uma desgraça. Afunda-se em contradições e mostra-se incapaz de liderança política de uma crise que se está a descontrolar. A intervenção junto de alguns bancos espanhóis com problemas mostrou-se ineficaz para sossegar os mercados. E assim os mercados estão a cobrar taxas de juro incomportáveis à própria dívida soberana espanhola. Mais: há bancos que já não estão a conseguir financiar-se nos mercados, disse ontem Rajoy. Supõe-se que se referia não aos bancos com problemas, pois esses estão "cobertos" pela ajuda de cem mil milhões. Estaria então a falar dos maiores bancos espanhóis, Santander, BBVA e La Caixa?

Este cenário de aflição aumenta brutalmente a pressão sobre a Alemanha. O que falta, a França submergir? O que está a acontecer é a precipitação da necessidade de apoiar Itália ou (e?) Espanha, precisamente o que sempre dissemos que aniquilaria o euro. Porque não havia, e não há, dinheiro que chegue para um resgate a esses países. E é por isso que as cimeiras vão avaliando "resgates suaves", tais como a compra pelo Fundo de Estabilização de dívida pública destes países no mercado secundário. Não é para poupar estes países de um resgate como o português. É por não haver dinheiro para ele.

Agora imagine-se na pele de um alemão. Tem a inflação controlada, está a financiar-se a taxas de juro quase nulas e olha para o lado e vê países a pedirem-lhe dinheiro para salvar os seus problemas. Acode-lhes? Ou sacode-os?

A resposta é completamente especulativa mas a pergunta não. Há rumores de um célebre estudo supostamente feito pela Alemanha que avalia o impacto no seu PIB do fim do euro. A Finlândia, ao contrário de outros países (como Portugal), só emprestou dinheiro para a Grécia contra garantias reais: "ouro" (títulos de elevado "rating" e "cash"). Os mercados emprestam dinheiro a taxas nulas à Alemanha, o que significa que preferem não ganhar dinheiro e terem um refúgio - ou mesmo a terem uma opção sobre o marco... Há empresas alemãs, como a Volkswagen, que já estão a fazer contratos com cláusulas que se referem não ao euro mas "à moeda que vigorar". E notícias não confirmadas de grandes bancos europeus que têm planos de contingência para o fim do euro. Seja pelos efeitos de contágio de uma saída desordenada. Seja por uma saída voluntária de países como a Finlândia. Ou mesmo a Alemanha.

Sim, a Alemanha. Atrevamo-nos à pura especulação. A saída para a crise parece passar apenas por uma solução de federalismo, como ainda ontem defendeu Viviane Reding, vice-presidente da Comissão Europeia. Mas esse federalismo, que implicaria a criação de uns Estados Unidos da Europa, parece longínqua porque simplesmente… os europeus não parecem querê-la. E o federalismo não pode ter na raiz se não a democracia.

Se houver federalismo com democracia (e não há outro federalismo), então a Alemanha terá menos poder representativo pelo povo do que tem hoje pelo poder do dinheiro. Essa ideia não agrada aos alemães, como se viu na ideia recente de o poder no Banco Central Europeu ser distribuído em função da posição no capital, o que daria mais poder à Alemanha.

Se a Alemanha não quiser perder esse poder que o federalismo lhe imporia (basta ver como hoje tem mais força que as instituições europeias como a Comissão e o Conselho), e farta que se mostra de passar cheques, então a alternativa para um continente imerso numa crise longa pode ser a ruptura. Sobretudo a partir do momento em que a Alemanha deixe de lucrar com a crise como tem lucrado até aqui: financia-se a taxas de quase zero e "empresta" a 3% ou 4%; tem risco baixo de Alemanha e moeda fraca de país do sul.

A Europa enfrenta um cenário de estagnação à japonesa, de um longo período de nenhum ou de fraco crescimento. Se a Alemanha sair do euro, atrás por exemplo de uma Finlândia que abra essa porta, enfrentará uma quebra imediata no PIB e uma apreciação da sua "nova" moeda, o que reduziria a sua competividade. Para os outros países, como Portugal, seria o fenómeno inverso: ficariam com uma moeda mais fraca, longo poderiam desvalorizar, o que seria bom. Mas perderiam a capacidade de controlar a inflação.

O que está em jogo é mais do que finanças, é uma construção política que visa uma relação de paz entre povos europeus. Mas as finanças estão a rebentar as costuras dessa construção. E está demasiado em jogo para que não nos preocupemos. Esperemos que os alemães gostem mais dos outros povos europeus do que os povos europeus gostam deles.

Enviar por email
Reportar erro
0