Celso  Filipe
Celso Filipe 18 de setembro de 2017 às 23:00

Elas comem tudo e deixam migalhas

As plataformas de distribuição online ganharam o atributo que Fernando Pessoa deu à Coca-Cola numa frase publicitária que ficou para a história: "Primeiro estranha-se, depois entranha-se." Estas plataformas entranharam-se de tal maneira na economia que se tornaram as maiores ganhadoras da globalização, enfrentando poucos riscos e tendo custos reduzidos, por comparação com a indústria.
É isso que se passa na comunicação social, em que grande parte do investimento publicitário é absorvido por plataformas como a Google e o Facebook, e é assim no turismo, com os hoteleiros europeus a levantarem a voz contra o portal Booking e outros, acusando-os de desrespeitar a concorrência. "Num momento em que a indústria do turismo corre bem, quem tem ganho mais é a Google, a segunda é a Booking ou a Priceline, a terceira é a Expedia. Não são os hoteleiros, são os intermediários", afirmou José Theotónio, CEO do grupo Pestana, ao Negócios, em Maio de 2017.

A reacção a esta constatação chegou agora. Segundo o jornal espanhol Cinco Días, várias associações hoteleiras europeias vão avançar com um processo a nível europeu contra o gigante de reservas online Booking por práticas anticoncorrenciais. Este portal, que tem uma quota de 63% das reservas online de hotéis, é acusado de forçar os hoteleiros a não baixar preços e a cobrar comissões excessivamente elevadas.

No final da semana passada, soube-se também que dez Estados-membros da União Europeia, entre os quais Portugal, França, Alemanha, Itália e Espanha, querem aumentar o nível de taxação de gigantes como a Google, o Facebook e a Amazon. "Não podemos ter um sector inteiro da economia que praticamente escapa à tributação", justificou Pierre Moscovici, comissário da Economia da União Europeia.

O passado não se muda, o presente é o que é, mas é possível intervir para modificar o futuro. As plataformas de distribuição, em domínios como a comunicação social e o turismo transformaram-se em cartéis não oficiais cujo excesso de poder é perigoso e destruidor de valor na economia. Do ponto de vista conceptual é até perigoso para a democracia, na medida em que pode ter um efeito coercivo sobre a comunicação social. As plataformas online entranharam-se. São uma inevitabilidade. Contudo, esta realidade deve ser temperada com uma regulação forte que devolva equilíbrio na relação entre quem produz e quem distribui. Esta é uma luta que tem de ser travada com carácter de urgência. 

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga 19.09.2017

Concordo.

Pais de ladroes 19.09.2017

Sao as demokracias da treta, que as ciganadas politicas vos aprontam.O covil de ladroes que vivem das politicas e o pilar desta falta democracia. As leis para os pequenos cumprirem e os ladroes dos politicos passam ao lado. Justica de Saloios nesta anarquia do salve-se os sem vergonha dos fora lei

Desanimado 19.09.2017

Então não queriam globalização? Pois aí a têm em todo o seu esplendor! Agora queixam-se?

pub