Celso  Filipe
Celso Filipe 05 de dezembro de 2016 às 00:01

Em Angola, é hora dos kotas

Luaty Beirão, ícone recente da contestação ao Governo de Angola, é um kota (palavra dos dialecto quimbundo que significa o mais velho, ao qual se deve respeito e é atribuída sabedoria) na abordagem à realidade do seu país.

Luaty Beirão, em entrevista ao Negócios, reconhece que alguma coisa vai mudar com a saída do poder de José Eduardo dos Santos, mas avisa que seria trágico se o presidente do país e do MPLA não saísse pelo seu próprio pé. Esta ponderação é crucial para o futuro de Angola e a única forma de evitar o surgimento de um clima de instabilidade no país.

Para o bem ou para o mal, conforme os pontos de vista, José Eduardo dos Santos constituiu-se, ao longo de quase quatro décadas, como a trave mestra do edifício do poder angolano. E se esta trave mestra for substituída pelo nada o colapso será inevitável.

Neste contexto, a saída de José Eduardo dos Santos é apenas o início de um processo ao longo do qual devem ser refreadas as tentações de o apressar. A necessidade de mudança tem de ser entendida e assimilada no interior do poder para poder ser consequente e efectiva.

É este o desafio que se coloca a João Lourenço enquanto sucessor de José Eduardo dos Santos. O de ir rompendo com o status que que controla os centros de decisão, demasiadas vezes de forma arbitrária, substituindo-o por uma governação que aposte na criação de riqueza no país e na sua justa distribuição. Não por pressões externas, mas por exigência da própria sociedade angolana.

A retirada anunciada de José Eduardo dos Santos da vida política activa é o princípio de qualquer coisa. É certo que essa coisa será diferente, mas não em que sentido.

O legado que deixa é contraditório. Foi capaz de fazer a paz e sarar as feridas resultantes de uma guerra civil dolorosa e iniciou uma gigantesca tarefa de reconstrução do país, mas não travou a ganância que se disseminou pelos corredores do poder.

Nesta nova fase, Angola vai precisar de muitos kotas, novos e velhos, que tenham a sabedoria de gerir a mudança e partilhem a ambição de construir uma sociedade mais justa.

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar