Tiago Freire
Tiago Freire 25 de julho de 2017 às 00:01

Indignação ao retardador

Diz o PCP que "o aumento das receitas da CGD, por via das comissões bancárias é mais um passo que visa impor à Caixa critérios de gestão em linha com a banca privada".
A subida dos custos, e a limitação severa das isenções, tinha sido noticiada pelo Jornal de Negócios a 7 de Junho, seguindo-se, a 8 de Junho, uma conferência de imprensa da própria Caixa a falar exactamente da mesma coisa. Mas a indignação estalou ontem, após uma notícia do Público, levando também o Bloco a rasgar as vestes e o CDS a alinhar no bota-abaixo, que é de borla. O partido de Assunção Cristas pede esclarecimentos, enquanto Catarina Martins foca também a questão da gestão de tipo privada que está a ser aplicada no banco público.

É verdade que há muita coisa que, ao abrigo do segredo de negócio, nós contribuintes não sabemos do plano para a CGD. Mas, daquilo que conhecemos e de todo o espírito da empreitada, o mínimo que se pode dizer é que os partidos andaram muito distraídos.

Reclama o PCP, reclama o Bloco, como reclamaria o PS se estivesse na oposição, que a Caixa segue "critérios de gestão em linha com a banca privada". Verdade, verdadinha. Percebendo-se a utilidade do tom de indignação, o que não se entende é o tom de surpresa. Os cortes de pessoal em ritmo acelerado, o fecho de balcões, a subida das comissões, a própria escolha inicial de António Domingues e as garantias que lhe foram dadas - de remuneração e de sigilo quanto ao património - nada disto fez a esquerda suspeitar de nada. Mais, não fez a esquerda exigir uma maior transparência sobre o que foi acordado entre o Governo e Bruxelas, e não simplesmente imposto por Bruxelas, como fica bem à narrativa do culpado exterior.

Por diversas vezes alertámos aqui para o embaraço que este emagrecimento e esta nova filosofia seriam a nível político, por dificultar a explicação de que banco público seria este se passasse a comportar-se como um banco privado. Para António Domingues e para Paulo Macedo, a explicação é simples e é minimalista: o banco público define-se não tanto por ter obrigações de serviço público mas sobretudo por ser detido a 100% pelo Estado. Para que serve uma coisa sem a outra é coisa que ainda está por clarificar, mas há muito que se percebeu que seria assim. E não poderia ser de outra maneira, diga-se.

Enfim, até poderia. A alternativa era fazer uma intervenção mais severa na Caixa, reduzir à mesma a sua dimensão, impor perdas e, muito provavelmente, ter de envolver privados no capital. A manutenção da Caixa em mãos públicas, que é uma coisa boa e deve ser preservada, tem este custo. Como disse Paulo Macedo há cerca de um mês: "Se a CGD não der lucro tem que ir pedir mais dinheiro aos contribuintes. E tenho uma ideia de qual será a resposta".

A discussão sobre a "gestão privada" do banco público teria sido boa há uns meses valentes, mas ninguém a quis fazer. Agora, para sermos sérios, basta perguntar qual é a alternativa.
A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso 25.07.2017

Até o Jerónimo já vai a reboque do "capitalismo" .Gente sem pudor

comentários mais recentes
CS 25.07.2017

A responsabilidade pelo rombo de biliões que estamos a pagar morreu numa qualquer comissão de inquérito que mais parecia uma comissão de "lavagem".
Além de pagar esse monumental prejuízo, contribuimos agora, também à força, para recuperar o negócio.
Fantástico!

Mr.Tuga 25.07.2017

Politiqueiros e partidecos de trampa HIPOCRITAS!

Os contribuintes injectam MILHOES para manter tudo na mesma?!!? De preferência a CGD deveria pagar 10% nos depósitos e cobrar taxa ZERO nos empréstimos!
Para não pagarem os clientes, envia-se a factura aos contribuintes!
Partidecos de TRAMPA!

surpreso 25.07.2017

Até o Jerónimo já vai a reboque do "capitalismo" .Gente sem pudor