André  Veríssimo
André Veríssimo 18 de Novembro de 2016 às 00:01

Juros baixos? Não basta pedir

A economia acelera, o défice baixa, não há sanções de Bruxelas, o BCE e a Comissão Europeia elogiam o caminho que vem sendo feito pelo Governo e o país. E mesmo assim, no diabo dos mercados, os juros da dívida só sobem. Fazem até vista grossa aos apelos do primeiro-ministro.
Na quarta-feira, em Casablanca, António Costa vaticinou como "muito provável que, ao longo de 2017, perante números que se consolidam sobre o crescimento da economia e a mensagem de confiança da União Europeia relativamente à evolução orçamental portuguesa, os próprios mercados ajustem o custo da nossa dívida face a valores mais compatíveis com a realidade económica do país".

Os investidores estão, para já, a ignorar as palavras do primeiro-ministro, que teve o cuidado de colocar esse alívio do custo da dívida num horizonte a médio prazo. Os juros nas obrigações a dez anos superaram ontem os 3,7%. O risco de Portugal voltou a agravar-se, com a diferença para a Alemanha a voltar aos 3,4 pontos percentuais.

Porquê a teimosia dos mercados? A primeira questão, que António Costa não explicou, é que há uma parte disto que é muito maior do que a sua vontade de primeiro-ministro. A vitória de Donald Trump mudou as regras do jogo no mercado obrigacionista, inclusive na Europa. Só um BCE mais ambicioso poderá travar a escalada das taxas. Mas como sê-lo, se cresce a percepção de que esta política monetária não é sustentável por muito mais tempo? Claro que este movimento de subida apressada das chamadas "yields" pode dar lugar a uma normalização. Mas, avisam analistas, o tempo dos juros hiperbaixos chegou ao fim. E vem aí o referendo em Itália.

Depois é preciso olhar para dentro, onde sobram factores que podem justificar o pé atrás dos investidores. A dívida pública ainda a rondar os 130% do PIB, uma das mais altas da Zona Euro, a fazer temer uma reestruturação. O endividamento privado a baixar, mas ainda a constranger o crescimento. A dívida externa a corrigir, mas ainda superior a 200% do PIB. Uma economia que acelerou no terceiro trimestre, mas que não dá garantias de que este será um desempenho sustentável. Tudo factores que servem para justificar a má nota que as grandes agências de "rating" nos dão. E que nos deixam perigosamente reféns de uma pequena.

É também esta a "realidade do país", que não nos deve deprimir, mas convém não ignorar. Num mundo onde a incerteza é cada vez mais uma constante, uma economia com os desequilíbrios da portuguesa fica vulnerável. O caminho de consolidação orçamental que o Governo tem vindo a conseguir vai no bom sentido. Já a reversão de reformas está fresca na cabeça dos investidores.

António Costa pode achar que seria justo os juros de Portugal baixarem no próximo ano. Mas o Governo não fez ainda o suficiente para o merecer. Ou a Europa. Os mercados que o digam. 
A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado zeureca Há 2 semanas

É tudo uma porra , quando não é do cú é das calças , este país está feito ao bife. Como é sabido quem se endivida , seja país, pessoa singular ou outra qualquer entidade , fica , hoje amanhã e sempre nas mãos dos credores , que depois de lhe comerem a carne , ainda lhe vão roer os ossos. Assim o nosso destino como País está traçado " Cala mas não comes"
Obrigado aos nossos sucessivos governos democráticos que tão bem nos souberam conduzir a todo este estado de graça , sem graça nenhuma.

comentários mais recentes
grego Há 2 semanas

A quem interessa os juros baixos? Que privilégios perdem os políticos se os juros aumentarem muito? Os mercados, que são os bancos, é bom chamar os bois pelos nomes, fazem-se de cumpridores de governação e ao mesmo tempo são salvos pelos governantes. Esta é a gigantesca bola de m*rda das dívidas.

Uma coisa é certa Há 2 semanas

Fascistas no poder nunca mais nem que tenha que matar.

Outro estúpido Há 2 semanas

"A maior influência para as obrigações portuguesas são os títulos dos tesouro dos EUA e as obrigações alemãs. As taxas das obrigações portuguesas têm subido nos últimos dias devido à ameaça de Trumpinflação"

Pedro Lima Há 2 semanas

O caminho que está a ser seguido abre o flanco para o aumento dos juros. E Portugal nunca crescerá na vida por via do consumo interno (que ideia imbecil). Como sempre o que nos vai salvando são as exportações, mas sem investimento we're doomed!

ver mais comentários