André  Veríssimo
André Veríssimo 03 de agosto de 2017 às 23:00

Marcha atrás na Autoeuropa

A Autoeuropa é um "case study" de como a negociação entre administração e trabalhadores pode ser frutuosa para ambas as partes. Os sucessivos acordos têm permitido manter a paz social, com segurança no emprego e níveis elevados de competitividade. O ingrediente do sucesso está agora ameaçado pelo que parece ser uma guerra sindical e partidária pelo poder.

A fábrica de Palmela é a mais emblemática do país, e para a CGTP e o PCP, habituados a dominar as estruturas de trabalhadores, mais ainda na indústria, não ter o controlo da Autoeuropa deve doer no orgulho. Mais ainda quando esse domínio tem vindo a ser exercido pelo Bloco de Esquerda, um "outsider" neste território, através da Comissão de Trabalhadores (CT).

Mas eis que surgiu enfim uma oportunidade para a conquista. O adversário está vulnerável: António Chora, o histórico líder da CT, ligado ao partido de Catarina Martins, reformou-se. A estrutura da Intersindical, o SITE Sul, não foi ainda assim capaz de conquistar a maioria na nova CT. Mas esta mostrou, com o chumbo dos trabalhadores ao último acordo, não ter o ascendente, nem a força da anterior. Por isso, caiu.


O outro factor foi a chegada de um novo modelo, o T-Roc, e com ele um aumento muito substancial de produção. Para satisfazer o ritmo das encomendas, a administração diz que é necessário que os trabalhadores passem a trabalhar também ao sábado, mas mantendo os cinco dias por semana. O SITE Sul conseguiu aqui o cavalo de batalha que espera venha a ser o cavalo de Tróia para impor a sua influência.


Fernando Sequeira, o presidente da CT demissionária, diz que o SITE Sul tem "inflamado a Autoeuropa" e que está em curso um "assalto ao castelo". Sequeira é, naturalmente, parte interessada. Mas é um facto que a situação na Autoeuropa nunca esteve tão extremada.


Um dos acordos mais relevantes do quarto de século da fábrica de Palmela foi celebrado em 2003. Por causa da crise, a produção caiu drasticamente, mas em vez de despedimentos e cortes de rendimento ficou acordado um número de dias sem produção, os "down days", que quando ultrapassados são compensados com trabalho futuro. Um acordo só possível porque o grupo Volkswagen é imbuído de uma cultura de diálogo imposta pela presença de representantes dos trabalhadores no conselho de supervisão, uma obrigação da lei alemã de co-determinação, que remonta à década de 70.

Desta vez é preciso reforçar a produção. É mais emprego. São mais rendimentos. As condições da remuneração ao sábado devem ser negociadas e a administração deve ser sensível a isso. Mas tem de existir bom senso. Se o papel dos sindicatos for apenas acicatar ânimos em prol de guerras internas e partir para a greve, desbaratando o capital de paz social vivido até nos anos mais difíceis da fábrica, são os empregos e rendimentos futuros que podem estar em causa.

A concorrência pelos modelos é feroz. E este ou o próximo SUV da marca pode sair de uma outra qualquer linha de produção.

A sua opinião17
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso Há 2 semanas

O PCP quer impôr o poder dos sindicatos,desalojando as CT.A administração não aceita isto ,porque na Alemanha, são os representantes dos trabalhadores que discutem e conhecem os problemas das empresas ,onde podem ter representação, na direção.O "leninismo" e o capitalismo não são compatíveis

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Em organizações públicas e privadas do mundo mais desenvolvido, no âmbito da gestão das organizações faz-se gestão de recursos humanos (GRH). Sem GRH, nem criação de valor ocorre nem elevação dos rendimentos de colaboradores não excedentários se dá, uma vez que os excedentários, por definição, limitam-se a extrair valor. Economias com GRH enriquecem e desenvolvem-se de forma sustentável. Ser excedentário não significa por si só que se seja criminoso ou mesmo incompetente. Ser excedentário é como estar na condição de desempregado mas a ser suportado por uma organização que emprega o desempregado. O desempregado e o excedentário são apenas uma oferta sem procura, e isso não é crime, crime é não fazer GRH. O desempregado, sem procura no mercado laboral onde oferece trabalho. O excedentário, sem procura numa dada organização empregadora que tem que o suportar prejudicando a persecução da sua missão, visão e propósito. Ambos são um problema do Estado de Bem-Estar Social e não do empregador.

O que os alemães devem fazer é : Há 2 semanas

Robotizar ainda mais a linha de estampagem e outras secções e reduzir pessoal

PCP e BE a cambada do costume Há 2 semanas

Mais uma tentativa do PCP e BE de ganhar influência numa "comissão de trabalhadores" que lhes escapava. CLARO "que quem tudo quer tudo perde"

Nunes Há 2 semanas

A comunicação social quer inflamar a Auto-Europa com relatos errados inflamando por isso a opinião pública,mas os trabalhadores não se deixarão manipular disso podem estar certos.

ver mais comentários