Celso  Filipe
Celso Filipe 07 de janeiro de 2017 às 22:34

Mário Soares, um político superior

Mário Soares fica para a história porque fez história. Fez história ao fundar o PS, fez história nos anos quentes que se seguiram ao 25 de Abril de 1974, fez história ao constituir o Bloco Central, fez história ao ter promovido a entrada de Portugal na então Comunidade Económica Europeia, fez história com uma descolonização que lhe valeu muitos ódios, e fez história ao vencer a mais épica eleição presidencial, a de 1986, onde parecia condenado a uma humilhação.
Mário Soares foi um político extraordinário e vai ficar na história por causa disso. Fez da política a sua vida e não se deixou apascentar por compromissos em que não acreditava. 

Errou? Claro que sim. Fez inimigos? Obviamente. Foi controverso? Naturalmente. Tudo isto abona a seu favor. Não deixou ninguém indiferente, precisamente porque agiu sempre de acordo com os seus princípios. E acreditou sempre na relevância dos postulados ideológicos e no papel decisivo da política para construir uma sociedade mais justa e solidária. 

Mário Soares contribuiu para consolidar o regime democrático em que hoje vivemos e mesmo depois de afastado das lides partidárias manteve uma actividade de intervenção cívica intensa.

Mário Soares foi um homem invulgar, um político dotado de um intuição rara. Obstinado, teimoso mesmo, em diversas circunstâncias. 

Mário Soares deixa um legado que o faz emergir como uma das personalidades mais marcantes do século e deixa uma lição de vida, a de que vale a pena lutar sempre por aquilo em que se acredita. Sobretudo na adversidade.

Este sábado, 7 de Janeiro de 2017, 
Portugal perdeu um dos seus melhores. Um homem de causas e um político superior.
 
A sua opinião23
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Pedro Castanheiro 10.01.2017

É escandaloso o desfasamento entre o elogio coletivo da cobertura mediática e a realidade vivida nos comentários e nas redes sociais. Nem na morte de Mobutu se viu tanta ausência de contraditório. Fica claro que a democracia em Portugal é ainda sobretudo uma ilusão.

soros-bq 09.01.2017

De facto, o mundo vai dando voltas e o passado acaba por se repetir. Os tempos, pós 25 de Abril, fazem lembrar a 1ª republica… onde todos se governavam e ninguém governava… deixando Portugal com as finanças na miséria e em completo caos. Pediram por favor a Salazar para tomar conta disto, e com os anos foi endireitando o país, colocando os gatunos, xulos e oportunistas na cadeira… e endireitando as contas do estado.
Não é com estranheza que em 2017, o Salazar vence concurso "Os Grandes Portugueses"… e que a extrema-direita aumenta de popularidade na europa… infelizmente, há muita gente que prefere ignorar o que está mal…
O pior é que podemos não ter a “sorte” de nos calhar novamente um Salazar… desta vez pode-nos calhar uma das favas que antes calhou a outros países da europa…

JARANES 09.01.2017

MUITA PARRA E POUCA UVA /Obrigado, JARANES
Percebi que o teu cérebro não processa mais que duas palavras à vez.
Faço-te a vontade. V. F.

JARANES 09.01.2017

MUITA PARRA E POUCA UVA
Percebi que o teu cérebro não processa mais que duas palavras à vez.
Faço-te a vontade. V. F.

ver mais comentários
pub