Raul Vaz
Raul Vaz 23 de dezembro de 2016 às 00:01

Não batam com as portas

Estes tempos de inquietude crescente no PSD encontram uma analogia com graça. No baú de Raul Solnado está a rábula do avô surdo como uma porta. Quando um terramoto provoca estragos e acorda o velho ancião, ele clama estremunhado: não batam com as portas.
Neste tempo, o primeiro-ministro garante que o défice ficará "confortavelmente" abaixo do patamar exigido por Bruxelas. Não é mau. E dá argumentos para marcha de negociações. Também não será de desvalorizar a segurança de António Costa (certamente conhecedor de algumas variáveis) nos números de fecho de ano, tanto de exportações como de crescimento.

É este um tempo em que uma coerente cumplicidade entre o Governo e o Presidente da República justifica a assinatura do próximo texto orçamental. É verdade que Marcelo não pode estar de acordo com tudo, mas ninguém tenha ilusões: só um terramoto económico, social e político poderia levar o Presidente a quebrar uma relação traduzida num "compromisso nacional".

Claro que não estamos a salvo e ninguém, no seu perfeito juízo, deverá entrar em euforia. As reticências do Presidente estão na incerteza do que pode vir – há eleições na Itália, França, Holanda, Alemanha e uma aterragem, que se pretende suave, no Brexit. Há um projecto europeu a deslassar e um espaço económico, comercial e político a perder força contra uma articulação entre Estados Unidos, Rússia, Turquia. Uma parte do mundo que se pode revelar sufocante.

E é neste contexto de imprevisibilidade que países com os problemas e a dimensão de Portugal poderão retirar algum proveito. De uma forma perversa, mas com ganho de causa. O eventual enfraquecimento da Alemanha pela tenaz Putin/Trump não é a melhor nova para o mundo, mas poderá constituir um contrapeso à ortodoxia orçamental dominante. Eis um trunfo, mesquinho mas com ganho de causa para um devedor.

Pedro Passos Coelho não acreditou. Nunca pensou ser possível fechar o ano com estes números. Muito menos um défice "confortavelmente" abaixo de 2,5%. Não acreditava na fórmula de governação, não enquadrava a reversão de um desenho económico, não avaliou a cumplicidade construtiva de Marcelo e Costa. E foi nesse arrastar de contra ciclo que se cavou o fosso das sondagens, que não houve manha política para gerir apetites e consequências das eleições autárquicas.

Passos Coelho fecha o ano cercado pela hipocrisia dos fracos. Aqueles que são frontais quando o "trade-off" alimenta ambições e necessidades. Passos tem algumas hipóteses: provocar uma clarificação, afirmar uma alternativa à governação, esperar que o tempo lhe dê razão a tempo. Ou, ainda, desencantar uma qualquer equação disruptiva.

Pode sempre fazer de mouco. Como o avô do Solnado. 

A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Rado 23.12.2016

Surpreso já é o único que vê alguma categoria em PC.

comentários mais recentes
RAÚL VAZ A PRETENDER RESSUSCITAR UM ZOMBI 26.12.2016

" PASSOS PODE AFIRMAR UMA ALTERNATIVA À GOVERNAÇÃO " escreve, mt. esperançoso, o dilecto seguidor de Passos Coelho
Não sei, ninguém sabe no que se baseia para tal afirmação
Porém, aceita-se como um ( vão ) aconchego que dá à sua própria e fundamentada descrença
Acorde do seu torpor, Raúl Vaz.

RAÚL VAZ A PRETENDER RESSUSCITAR UM ZOMBI 26.12.2016

" PASSOS PODE AFIRMAR UMA ALTERNATIVA À GOVERNAÇÃO " escreve, muito esperançoso, o dilecto seguidor de Passos Coelho
Não sei, ninguém sabe no que se baseia para tal afirmação
Porém, aceita-se como um ( vã ) aconchego que dá à sua própria e fundamentada descrença.
Acorde do seu torpor, Raúl Vaz.

Receituário 23.12.2016

Ao alzeimeirado das pensões da CGA: vai tratar de vida! Olha que não vejo os pafas capazes e dispostos a pagar-te a avença. O Portas anda lá pela Venezuela e o Passos breve segue-lhe o caminho. - Desaparece!

Anónimo 23.12.2016

PARABÉNS RAUL VAZ POR MAIS UM EXCELENTE ARTIGO SAÍDO DA SUA PENA. O QUE FICA DE PASSOS É A IMAGEM DE QUEM ROUBOU REFORMADOS E PENSIONISTAS A QUE ACRESCE A PRESENÇA DESGASTADA DUM HOMEM ATARANTADO Q AINDA NÃO SABE O QUE LHE ACONTECEU.QUANDO APARECE INCOMODA E NINGUÉM O QUER VER PQ ELE É A DESGRAÇA

ver mais comentários