Pedro Santos Guerreiro
Pedro Santos Guerreiro 27 de setembro de 2012 às 23:30

O Anel de Nibelungo

Por uma vez, os líderes europeus deviam fechar-se numa sala sem ser para falar de uma moeda. Mas para falar de sociedades. De Nações. De europeus. Pode o euro não implodir se um país explodir? Só outra política europeia salvará a própria Europa. De outra forma, a bandeira azul estrelada que já não representa ninguém passará a não representar nada.
Por uma vez, os líderes europeus deviam fechar-se numa sala sem ser para falar de uma moeda. Mas para falar de sociedades. De Nações. De europeus. Pode o euro não implodir se um país explodir? Só outra política europeia salvará a própria Europa. De outra forma, a bandeira azul estrelada que já não representa ninguém passará a não representar nada.

O euro vive da Europa, não o contrário. Mas estamos tão consumidos nos problemas orçamentais que não vemos o retrato largo de um continente a desfazer-se. Os radicais temeram a guerra entre povos, mas não previram a ruptura dentro dos povos. Mas o que se está a passar em Espanha é muito mais que um aproveitamento político de líderes regionais em manobras de diversão.

Até os tecnocratas estão aterrorizados com o protesto violento em Espanha, com o descontrolo na Grécia, com as manifestações tomba-políticas em Portugal. Num editorial há dois dias, o "Financial Times" dizia que Portugal atravessa um caminho estreito entre democracia e reformas. É uma perigosa dualidade: ou democracia ou reformas. É disto que estamos a falar.

Em Madrid, a polícia de choque sova os desordeiros. Cinco regiões estão sem financiamento. Rajoy anuncia alvoroçado mais um plano de austeridade e em silêncio sucumbe ao fracasso de um resgate. A Catalunha ameaça com secessão. O País Basco entra em greve geral. Atenas parece cenário de guerra civil. Lisboa desfila desempregados ao lado de tributados. É isto a Europa? Uma terra sem esperança, sem justiça, uma União entre sobreviventes que se alimentam dos que vão caindo como Saturno, pintado por Goya, comia os seus filhos?

Há demasiado tempo que não queremos ser uns como os outros. Portugal não é a Grécia, Espanha não é Portugal, o norte não é o sul, o centro não é a periferia. Somos um grupo de Estados que se definem por quem não são. Estamos na Europa, mas não somos Europa.

A crise sempre foi da moeda única, mas rompeu na periferia, por fragilidade específica dos países da periferia. O facto de o Norte nos tratar como ovelhas ronhosas não é apenas indigno. É provocatório. E é errado até para quem se julga próspero. Porque a política europeia para os aflitos está a falhar.

É claro que Espanha, Grécia e Portugal devem enfrentar austeridade. Mas mesmo fazendo tudo o que se lhes pede, como mostra o caso português, sem sementes de crescimento as economias entram em espiral recessiva e em insustentabilidade da dívida. Hoje, não é só Portugal que subitamente enfrenta um problema de credibilidade externa e o seu Governo um problema de credibilidade interna. É também a política da troika que testa a sua credibilidade técnica.

São precisas políticas alternativas que estão além das possibilidades do Governo. Políticas económicas integradas que não sejam simultaneamente contraccionistas em todos os Estados, como há muito defendem economistas como Krugman. Financiamentos a Portugal a prazos mais longos e com juros mais baixos, como a Alemanha teve depois da II Guerra Mundial. Capitalização de bancos a taxas mais baixas, com o compromisso de que estes financiem empresas, como defende Vítor Bento. E sim, tempo, mais tempo.

O que está em causa é a sobrevivência das economias portuguesa, grega e espanhola. Mas é também a vida de quem lá anda. E a Europa, que tão justamente critica os onzeneiros americanos pela fabricação da crise, responde afinal com submissão à finança.

Democracia não pode ser o oposto de reformas e, se o for, que prevaleça a democracia. Essa é apenas uma das perfídias deste tempo. Não há erros de comunicação, há falta de política. As Nações são mais que devedores. A sociedade é mais que a economia. A paz nunca é troca de uma moeda. Mas quem não perceber que a Europa está a viver um tempo histórico de desagregação, impiedosa e incontrolável, só acordará quando ouvir a sua vidraça estalar.

Estreou ontem, em Lisboa, uma exposição, O Sonho de Wagner, cujo nome se decorre da tetralogia "O Anel de Nibelungo", que "refere como a sociedade se torna refém do poder e do dinheiro e, como isso é destrutivo". Não é a falta de dinheiro, mas de esperança, que está a aniquilar esta construção a que chamámos União Europeia. Gregos, irlandeses, portugueses, cipriotas e espanhóis são carne sem canhão. Sem coesão europeia e uma política integrada até o degredo falhará, o fim da moeda única será apenas um capítulo menor da História. E a bandeira azul estrelada será a mortalha de um continente fracassado.

Querida Europa, somos nós. Está aí alguém?

A sua opinião51
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
David Torres 02.10.2012

Brilhante artigo.

Anónimo 30.09.2012

... e quem a quiser seguir. A Alemanha só deixara de "comprimir" os países da Europa do Sul, quando arranjar mercados (China suficiente importadora dos produtos germânicos)para substituir o mercado importador do Sul, que cada vez tem menos euros para lhes comprar os produtos. Ou então dá mais anos para evitar tanta austeridade sem crescimento. A dívida assim manteria-se em euros e seria paga em euros que se reconverteriam na moeda alemâ, do mal o menos.

antomarce 30.09.2012

Deviam por os olhos do que se passa em alguns países civilizados da Europa,ou até mesmo do outro lado do Atlântico nos EUA, onde só jornalistas conceituados tem acesso a conferências de imprensa ao nível de chefe de estado. Desde quando se manda para os "vivos" estagiários vociferando e encostando os gravadores à cara das pessoas, e repórteres de imagem a atropelar os entrevistados ?
Resulta num amontoado de nada onde só resta o ruído, que é o que os media em Portugal debitam, que tristeza um diário de cobertura nacional tirar 20 a 30.000 exemplares.
Que tal Srs. Diretores pararem para pensar , ou ao menos fazer uma introspecção às v/ capacidades, de liderança e conhecimentos.

beachboy 30.09.2012

o Governo, a Assembleia da República, as Empresas Públicas e as Grandes Empresas Privadas que fazem negócios com o estado em conjunto e sobre orientação dos partidos políticos, pilaram o estado até à exaustão e endividaram-no para várias gerações!...tudo isto foi feito com uma justiça inútil e propositadamente paralisada que torna a pilhagem, o roubo e a corrupção como o objectivo único dos partidos!...e depois culpam o euro!...dá jeito!...mas não passa de mais uma enorme mentira, para permitir a continuação do roubo!...

ver mais comentários
pub
pub
pub