Celso  Filipe
Celso Filipe 16 de maio de 2017 às 00:01

O bom é nosso, o mau é deles

A política é fértil em tartufices. Esta segunda-feira, depois de ter sido conhecido o crescimento do PIB no primeiro trimestre, a deputada do PSD Inês Domingos foi a tartufo de serviço ao declarar: "Estamos contentes com a recuperação do PIB neste trimestre que se deve às reformas realizadas pelo anterior Governo, à conjuntura internacional e na União Europeia mais favoráveis."
Segundo a deputada social-democrata, o PIB cresceu também por causa do "esforço das empresas e das famílias que levaram a economia para a frente, apesar de o Governo ser inerte e ter revertido reformas".

Ou seja, para Inês Domingos o PIB subiu por causa do anterior Governo [PSD/CDS], das empresas e das famílias, assim como da conjuntura internacional, sendo que o actual Executivo em nada contribuiu para isso. Antes pelo contrário. A deputada social-democrata, com esta avaliação azeda, cristaliza assim um dos conceitos comuns da política de pacotilha: o bom é mérito nosso, o mau é responsabilidade dos outros.

Esta política de memória selectiva não é, claro está, um atributo exclusivo do PSD. Todos os partidos com assento parlamentar o praticam de forma despudorada. E se é verdade que o PS e António Costa podem reclamar louros destas estatísticas animadoras, não é o menos que o Governo de Passos Coelho criou condições para que este caminho fosse percorrido.

O que o PSD não pode, até por uma questão de credibilidade, é contar só a parte da história que lhe convém, da mesma forma que o PS não se pode comportar como se antes de si tivesse havido um vazio.

Aliás, quem chega ao poder quer sempre o melhor para o país (ou, pelo menos, para a esmagadora maioria dos eleitores), porque esta é uma condição essencial para continuar a exercer esse mesmo poder.

A retórica de Inês Domingos, uma deputada de segunda linha que foi lançada para a fogueira, constitui-se como mais um contributo inestimável para que os portugueses desdenhem dos partidos, na medida em que reforça duas ideias preconcebidas: as de que os partidos "são todos iguais" e só querem "poleiro".

A política pode ser, em simultâneo, dicotómica e construtiva. Aliás, bastaria ao PSD olhar para as últimas sondagens para concluir que a sua narrativa enquanto partido da oposição está longe, muito longe, de ser bem-sucedida. A reacção da social-democrata Inês Domingos foi mais um rotundo tiro no pé.

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar