Celso  Filipe
Celso Filipe 24 de maio de 2017 às 00:01

O comando é dele

Começou o "requiem" pela PT e Meo. Duas marcas emblemáticas do universo empresarial português vão ser enterradas pela Altice em nome da criação de uma marca única que permitirá à Altice ter uma estratégia global. Todos os lamentos por este fim são possíveis e alguns deles até justificáveis, mas nenhum deles alterará o destino agora traçado para a PT e a Meo.
O epílogo da PT e da Meo começou a ser escrito quando a empresa portuguesa anunciou a intenção de fusão com a brasileira Oi, em Outubro de 2013. A partir daí a história da PT fez-se de descalabros, manhosices e práticas questionáveis, culminando em 2015 quando a Altice finaliza a compra da PT Portugal, dona da Meo, à Oi, por 7,4 mil milhões de euros. Uma derradeira tentativa de os brasileiros manterem à tona um barco crivado de buracos.

Mas antes do casamento brasileiro por conveniência, já a PT era uma empresa na qual conviviam a ganância dos accionistas e a ingenuidade de alguns gestores, uma história contada por Alexandra Machado (jornalista do Negócios) e Alda Martins no livro "A Implosão da PT – Como políticos e empresários se serviram da PT ao longo de 20 anos", publicado em Outubro de 2015. Esta é a narrativa que interessa, aquela que verdadeiramente destruiu a PT. A notícia do fim das duas marcas é uma decorrência da primeira.

Para a história da publicidade e do marketing ficam as campanhas protagonizadas pelo colectivo Gato Fedorento ou por Ricardo Araújo Pereira, as quais fazem parte da "memorabilia", tal como o "Tô xim" da defunta Telecel.

Patrick Drahi, o dono da Altice, tem todo o direito em acabar com estas marcas em nome de uma estratégia cujo racional é inquestionável e que foi explicada ontem, terça-feira, em Nova Iorque pelo CEO da empresa, Michel Combes: "O que nos faltava até agora era uma marca global única que reflectisse a natureza internacional e digital do nosso grupo e que reforça a força das nossas marcas e que vai reinventar o futuro." O comando da PT e da marca Meo é dele, pagou por ele, e tem toda a legitimidade do mundo para escolher um caminho. Foi isso que fez.

Não foi Patrick Drahi que, com esta decisão, matou a PT e a Meo. Os coveiros de ambas foram aqueles que delapidaram uma empresa nacional relevante e inovadora. Vamos ter saudades da PT e da Meo? Claro que sim, mas a nossa memória está carregada de marcas que se pensava serem para sempre. A Meo vai reencarnar com um novo nome e continuará a operar no mercado. É um novo ciclo, decidido por quem tem poder para tal. O dono da empresa. 

A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 25.05.2017

Em 2006 e no tocante ao sector das telecomunicações, já se fazia isto nas economias e sociedades mais avançadas, as que não perdem soberania, não vão à falência, não pedem resgates, não têm emigração à saída da faculdade, não têm pobres full-time a ordenado mínimo, etc.: "France Telecom’s hair shirt may not be as uncomfortable as it appears. The French telecoms operator seems to have set itself a superhuman task in ditching 17,000 jobs. It is also to cut E2bn from its other running costs. But in spreading the cuts over three years, it looks to have given itself a handy margin for error. Take the job cuts. At below 6,000 a year, they are less ambitious than Deutsche Telekom is attempting. What’s more, they represent half the number that FT managed in 2004, the last year for which full figures are available. In 2002, FT cut three times as many. And it still has stacks of dead wood to chop out" https://www.breakingviews.com/considered-view/france-telecoms-17000-job-cuts-look-modest/

Anónimo 24.05.2017

Esta espécie, "diz-se que é um jornaleiro", que nem formação superior possui na matéria, desta vez por lapso de memória, ideológico, ou seriedade não menciona os nomes dos que implodiram a PT!! Um jornaleiro que por norma justifica um raio de Sol no verão como sendo obra da geringonça. Pouco falta para entrarmos na esfera do isotérico. .Alguém explique a este camarada a diferença entre um mercenário, e um jornalista!!

Anónimo 24.05.2017

Os Obrigacionistas Lesados devem ter muita atenção a esta medida porque não é de descartar que possa vir a ter impactos em futuras decisões legais... muita atenção do regulador para evitar que este rebranding dificulte ainda mais o reembolso dos obrigacionistas...

Mr.Tuga 24.05.2017

Os "coveiros" da PT foram aqueles que voces aqui ELOGIAM TODOS DIAS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Os cranios da elite ilumida tuga! A nata das natas! Principescamente paga enquanto o tuga recebe tostoes! : XEO`s e Gistoris e Administradoiris....

ver mais comentários