Tiago Freire
Tiago Freire 03 de outubro de 2017 às 23:00

O epílogo de um homem digno

É oficial: Pedro Passos Coelho vai deixar de ser líder do PSD. É uma consequência óbvia e praticamente inevitável do resultado das autárquicas, a não ser que insistisse num caminho cada vez mais solitário e humilhante.
Sai, e haverá tempo para o futuro. Mas hoje ainda não é o tempo de falar de quem apanhará os cacos do partido e disputará o potencial poder futuro. É ainda tempo de falar de um homem que, goste-se ou não, foi um líder marcante, no partido e no país.

Já se tornou um lugar-comum à direita dizer que a História fará justiça a Pedro Passos Coelho. Por agora não faz, é demasiado cedo. A pancada que o país apanhou sob a sua liderança está ainda demasiado marcada.

Foi Passos Coelho quem precipitou a queda de José Sócrates e restituiu alguma dignidade ao exercício de funções políticas de topo. Foi Passos Coelho quem governou um país falido, desrespeitado, humilhado, confuso, mais pobre a cada dia que passava.

Foi além da troika, admite-se. Teve excessos de voluntarismo e submissão com efeitos directos na vida de pessoas desprotegidas, talvez. Foi duro. Mas, por mais que António Costa e a esquerda tentem caricaturá-lo, Passos não é um sádico nem um ser humano insensível. Fez o que tinha a fazer. Fez, acredita-se, o melhor que pôde.

E depois, perdeu o pé. Na própria campanha para as legislativas, falhou de imediato o tom. Paulo Portas, seu parceiro no PàF, bem tentava vender ao eleitorado o novo ciclo, no qual PSD e CDS poderiam finalmente aplicar um seu programa, e não apenas um memorando mal construído negociado por outros e em permanente actualização. Passos, o sempre sisudo Passos, não o permitiu. Perante a alvorada insinuada por Portas, respondia com as dificuldades que ainda não tinham passado. Ainda assim, ganhou eleições, mas esse foi o primeiro momento em que mostrou não ter percebido que o país tinha mudado. Nunca conseguiu despir o casaco messiânico, mesmo que o país já estivesse dorido de tanto ser salvo.

Perdido o poder pela invenção da geringonça, só lhe restava esperar que tudo corresse mal para poder voltar. Ainda assim, nunca o desejou. Não é do seu carácter patriota.

Sai agora, pelo seu pé, e com dignidade. Com a mesma dignidade que a História lhe deveria garantir, no futuro, e que ele não soube ter na degradação recente do partido.

De todos merece, se não admiração, pelo menos respeito. E isso já não é pouco.
A sua opinião19
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
azevedos 05.10.2017

Politicamente não tenho qualquer respeito por este senhor. É um mentiroso primário!
Como ser humano, claro que o respeito. Tem os mesmos diretos que os restantes cidadãos

UM HOMEM DIGNO, NÃO. UM CRIMINOSO DE LESA-PORTUGAL 05.10.2017

PASSOS COELHO ficará para a história, como o canalha q destruiu os melhores activos do Estado, q davam enormes lucros para os cofres públicos, i.e., para todos nós.

Um exemplo : a EDP dava, por ano, de lucro líquido cerca de MIL MILHÕES DE EUROS, boa parte dos quais voa agora para a CHINA.

SOMOS, DE FACTO, UM POVO MASOQUISTA E INFERIOR 05.10.2017

De acordo com alguns comentários aqui vomitados sobre o aldrabão PASSOS, confirma-se o q Guerra Junqueiro escreveu :

"UM POVO IMBECILIZADO E RESIGNADO,
HUMILDE E MACAMBÚZIO,
FATALISTA E SONÂMBULO,
BURRO DE CARGA,
BESTA DE NORA,
AGUENTANDO PAULADAS,
SACOS DE VERGONHAS ..."

UM HOMEM DIGNO NÃO. UM CRIMINOSO DE LESA-PORTUGAL 05.10.2017

PASSOS COELHO ficará para a história, como o canalha q destruiu os melhores activos do Estado, q davam enormes lucros para os cofres públicos, i.e., para todos nós.

Um exemplo : a EDP dava, por ano, de lucro líquido cerca de MIL MILHÕES DE EUROS, boa parte dos quais voa agora para a CHINA.

ver mais comentários