Tiago Freire
Tiago Freire 14 de setembro de 2017 às 23:00

O fora-de-jogo do Governo

Devemos, afinal, celebrar. Vivemos numa democracia tão perfeita que a única coisa que a pode ameaçar é a realização de uns jogos de futebol no dia das eleições.
A ideia do Governo é proibi-los. Já há uma recomendação da CNE mas, como não tem sido sempre respeitada, toca de mexer na lei.

Uma boa maneira de ver como uma ideia de um Governo é parva é se esta é defendida de forma difusa, dispersa, em que cada um dá uma achega que vai ficando cada vez menos convincente com o passar das horas e das intervenções. Também aqui foi assim.

Começou com uma fonte oficial do Governo ao Diário de Notícias. Seguiu-se a confirmação do Secretário de Estado do Desporto, que ficámos a saber que existe, o que é um alívio, naturalmente. E terminou com a ministra da Presidência, no final do Conselho de Ministros, a defender a ideia mas já em recuo, admitindo que o Governo está a ponderar se mexe na lei.

Comecemos por aqui. A produção legislativa quer-se conservadora, para que haja estabilidade. Nem todos os assuntos são para resolver com novas leis ou a mexer nas que existem, ao sabor de um instinto qualquer ou do prato do dia das indignações nas redes sociais.

Depois, e mais importante, há a questão do paternalismo dos eleitos face aos cidadãos. Como estes são uns pândegos que só pensam em bola, toca lá a proibir os jogos nesses dias, a ver se cumprem o seu dever como bons meninos, votando. Este paternalismo bacoco não é de agora. Foi a mesma coisa com a intervenção governamental nos livros de exercícios da Porto Editora, com os quais não tinha nada a ver, numa cruzada precipitada pelo politicamente correcto. Também aqui o Estado acha que sabe o que é bom para nós, o que devemos ler, o que devemos consumir, o que devemos fazer. Devemos agradecer a preocupação, mas lembrar ao Governo que foi eleito para governar e não para ser o nosso paizinho.

Se o problema é este, não paremos pelo futebol em dias de eleições. Fechem-se os cinemas, os teatros, os centros comerciais. Vedem-se as praias e os bosques. Proíbam-se as almoçaradas de domingo, a missa, o namoro ou a leitura de um livro. Nesse dia, não. Ponto final.

Enquanto isso, o voto electrónico é uma miragem, os cadernos eleitorais têm mais mortos que um filme de terror, os cidadãos distanciam-se dos que lhes são propostos para governar, aumentando a abstenção, por preguiça ou por convicção. Mas o futebol meus senhores, isso é que é preciso resolver.

Está certo.
A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Upside Há 4 dias

Boa análise. Para a CNE, os cidadãos têm que ser orientados como se faz na Coreia do Norte ou noutro país democrático similar. A desgraça da abstenção é claramente devida ao futebol! Então exacerbando o disparate, vem uma ministra sénior abordar tão candente problema sugerindo uma eventual proibição de jogos em dia de eleições. Seguidamente vem um obscuro secretário, querendo fazer prova de vida à mesa do orçamento dizendo pressuroso que vai tratar de tão magno assunto. E se trabalhassem com seriedade, aplicando o dinheiro tão gananciosamente sacado aos contribuintes, com a reforma do Estado, com a eliminação de metade de gastadores instalados na A R, com a eliminação de Fundações , Comissões e Institutos que alimentam os clientes dos partidos em prejuízo do país? se fizessem algo para a reforma da Justiça, da Educação, pelo combate à corrupção larvar no aparelho de Estado? pela diminuição da Dívida Pública? . Coisa pouca comparada com a abstenção provocada pelo futebol.

comentários mais recentes
5640533 Há 2 dias

O voto tem de ser obrigatório. Não há razões para não sê-lo.

Jerry Há 4 dias

Nao tarda aprovam uma lei para o VOTO OBRIGATORIO, como num regime COMUNISTA!! Estes politicos mediocres falhados que nao conseguem atrair as pessoas, porque as tem roubado descaradamente nos ultimos 40 anos !!

Anónimo Há 4 dias

http://semtraste.blogspot.pt/2017/09/julgar-em-causa-propria.html

Anónimo Há 4 dias

muito bem escrito.
estas atitudes do governo, fazem-me lembrar velhos tempos em que éramos tratados como crianças e por isso os ditadores é que sabiam o que era bom para nós.

ver mais comentários