Celso  Filipe
Celso Filipe 10 de março de 2017 às 00:01

O grande muro das aflições

O ministro francês dos Negócios Estrangeiros, Jean-Marc Ayrault, avisou a empresa LafargeHolcim dos riscos que corre se fornecer cimento para o muro que Donald Trump está a construir na fronteira entre os EUA e o México.
"Há outros clientes no mundo que verão isto com alguma estupefacção", alertou o governante, reagindo às declarações do presidente da cimenteira, Eric Olsen, o qual disse que a sua empresa estava preparada para fornecer materiais para o dito muro.

Parece evidente que a LafargeHolcim pode sofrer danos reputacionais e até perder clientes caso tome esta opção. Mas também é evidente que este é um problema da empresa e dos seus accionistas. De igual forma, é claro que Trump irá construir o muro, porque não lhe hão-de faltar fornecedores de cimento ou de outros materiais.

A posição do MNE francês, por sua vez, é politicamente correcta, mas de uma inconsequência aflitiva. Se o Governo francês condena a atitude do Presidente dos EUA, então devia agir em conformidade usando os instrumentos políticos de que dispõe. Por exemplo, retirar o seu embaixador dos EUA, expulsar o embaixador norte-americano em França, ou até, de forma radical, cortar relações diplomáticas com os EUA.

Em vez disso, Jean-Marc Ayrault pressiona uma empresa privada, esquecendo-se dos governos franceses que foram mantendo relações fortes com líderes de outros países altamente controversos, como, por exemplo, Khadafi na Líbia, e incentivando as suas empresas a manterem relações comerciais com eles. Ou fazendo tábua rasa dos muitos muros que se foram construindo por esta Europa fora para deter a marcha dos refugiados, um dos quais em Calais, na fronteira entre o Reino Unido e França.

Isto é tão confrangedor quanto ouvir o Presidente da Turquia, Recep Erdogan, afirmar sem pingo de vergonha que "a Alemanha saiu da democracia" e que "as suas práticas actuais são comparáveis com as do regime nazi".

A declaração de Jean-Marc Ayrault é como a frase publicitária que Fernando Pessoa criou para a Coca-Cola, mas com uma inversão da ordem dos verbos: "Primeiro entranha-se, depois estranha-se."

Entranha-se porque tem um perfume de populismo. Estranha-se porque nos leva a concluir que o Governo francês (como muitos outros), quer que terceiros tomem por ele as atitudes que o próprio devia tomar. 

A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 10.03.2017

Vão-se a eles senão dou cabo deles.

comentários mais recentes
Anónimo 11.03.2017

Mas, o palerma tem alguma coisa a riscar dentro dos EUA? julga ele que aquilo vai ser um muro em betao a' moda de Berlim? alem disso os EU ja' nao teem o direito de controlar as suas fronteiras? eu sei que ha muitos milhoes de pessoas que pensam que a america e' uma zona iternacional sem fronteiras; verao que a america esta a restaurar a sua independencia com o control das suas fronteiras com o grande Trump na frente.

Anónimo 10.03.2017

Vão-se a eles senão dou cabo deles.