Celso  Filipe
Celso Filipe 24 de janeiro de 2018 às 23:00

O outro muro de Trump

Retire-se da equação as estultícias mediáticas de Donald Trump, como o muro na fronteira do México ou os laivos de infantilidade na disputa com a Coreia do Norte. Omita-se suspeitas substantivas (mas ainda por confirmar) sobre as ligações entre elementos da campanha de Donald Trump e a Rússia.

E faça-se também um esforço para desvalorizar afirmações racistas do Presidente dos EUA como a de considerar o Haiti e os estados africanos como "países de merda".

Obviamente, é difícil expurgar todos estes elementos quando se traça o retrato da presidência de Trump, mas a realidade é que eles apenas ajudam a ajuizar a pessoa e não a avaliar os seus actos. O acto mais substantivo da presidência de Donald Trump foi a significativa descida dos impostos para as empresas entretanto aprovada. A promessa, numa primeira fase, permitiu aos mercados de capitais navegarem com ventos favoráveis. Agora, a sua concretização, está a levar dinheiro para os Estados Unidos, como o atesta a decisão da Apple de repatriar os lucros da Europa para o país de origem. Em paralelo, Washington foi promovendo a desvalorização do dólar (e promete ir mais longe), potenciando assim a capacidade exportadora das suas empresas, ao mesmo tempo que encarece as importações com a fixação de novas taxas aduaneiras.

O "América Primeiro" de Donald Trump é isto mesmo. O proteccionismo da economia, mais fácil de concretizar quando se tem multinacionais gigantescas que se tornaram incontornáveis à escala mundial. Nesta medida, a presidência de Trump coloca desafios inevitáveis à União Europeia e à narrativa de globalização que tem sido defendida na última década e à qual a China prometeu aderir, embora tardando em materializar este compromisso.

Ontem, em Davos, Angela Merkel defendeu que os países da União Europeia devem "responder com reformas" fiscais às mudanças norte-americanas, o que passa pela criação de um regime comum em relação aos impostos que são pagos pelas empresas. A chanceler alemã considera, por outro lado, que o proteccionismo não é solução. Tendo razão, fica a incógnita: como é que a União Europeia, enquanto um todo, pode manter a sua visão globalizante, relacionando-se com uma potência que caminha na direcção contrária? A única certeza é a de que uma reforma fiscal é manifestamente insuficiente para desviar Donald Trump da sua rota isolacionista. Para derrubar este muro, a União Europeia vai precisar de usar armas mais sofisticadas e menos conceptuais.
A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

A ação dos EUA é tao forte que fez Macron parecer um tolo no meio da ponte.Discurso em Davos pouco coerente com propostas incoerentes,bipolares,esquizófrenicas e diria até psicóticas.Cabe a Merkel equilibrar a ação caso contrario europa n tem solução.

Anónimo Há 4 semanas

É evidente se olharmos para o que faz e não tanto para o que diz ,torna-se evidente que a América está mais forte e independente e a tomar medidas para atração de empresas americanas dispersas pelo mundo que fugiram á carga fiscal de Obama etc .A solução é imitar EUA.Nao há outra.Pois EUA Ntem depe

Anónimo Há 4 semanas

A direita capitalista com os seus porta vozes da dita social democracia ADORAM DT porque o estilo dominador e de confronto é a marca da elite capitalista. DT consegue fazer o que eles gostam sem eles terem de dar a cara. O ditador dá a cara... para o negócio passar sem barulhos...

free Há 4 semanas

Ligações entre americanos e russos são perfeitamente normais entre nacionais desses ou quaisquer países. 'Shithole countries' é para descrever realidades e não é racismo pois não implica que países a isso estejam condenados. 'Estultícias mediáticas' é para capar estultícia dos media e dos Celsos.

ver mais comentários