André  Veríssimo
André Veríssimo 09 de novembro de 2017 às 23:00

O risco moral da culpa solteira

A venda da Artlant a um grupo tailandês escreve o capítulo final da relação entre a Caixa e o negócio que nela abriu o maior buraco, uma soma astronómica a queimar os 600 milhões. Já as contas com a justiça continuam por fazer.

Era projecto PIN (Potencial Interesse Nacional) quando a obra arrancou em 2008, passou a empresa em PER (Plano Especial de Revitalização) em 2015, e foi declarada insolvente em 2017. É o caso mais significativo de como a intervenção política (José Sócrates era primeiro-ministro, Carlos Santos Ferreira, o presidente executivo do banco, e Armando Vara, administrador) terá custado milhões ao banco e engordado as imparidades que os contribuintes foram chamados a cobrir com a injecção de 4.000 milhões de euros na CGD.

 

Financiamentos da dimensão do que foi concedido ao projecto petroquímico de Sines fazem-se em consórcio, envolvendo vários bancos. Porque assumiu a Caixa, sozinha, um risco de crédito que mais ninguém quis?

 

A comissão de inquérito à gestão da Caixa entre 2000 e 2015 teve o vergonhoso desfecho que se conhece, sem um relatório final aprovado e conclusões que, tirando a referência a pressões políticas, se resumem à verdade conveniente de que tudo não passou de uma inevitabilidade da crise financeira.

 

O ruído em torno do banco público pode ter baixado. Mas não a suspeita sobre o que ocorreu. Ficou uma mancha, uma sombra, que só uma clarificação credível pode afastar.

 

Neste, como noutros casos, não podemos correr o risco moral da culpa solteira. Porque esse é um perigoso e poderoso incentivo para que possa voltar a acontecer, na mesma ou noutra instituição.

 

Espera-se que a auditoria à gestão entre 2000 e 2015, a cargo da EY, que era para estar pronta até Agosto e deverá ser conhecida até final do ano, venha a ser mais esclarecedora. Assim como a investigação em curso no Ministério Público.

Os 28 milhões que a Indorama Ventures paga pela Artlant não são consolo para um empréstimo de perto de 600 milhões, que já tinha sido todo provisionado: valia zero no balanço. Mas é-o Paulo Macedo ter conseguido encontrar um comprador disposto a investir mais de 100 milhões de euros na viabilização da fábrica, assegurando cerca de 100 postos de trabalho.


O esqueleto saiu enfim do armário das imparidades, espera-se que desta feita com um futuro de carne e osso pela frente. As responsabilidades, essas, continuam debaixo do tapete.
A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
xavi Há 1 semana

O Vara chegou-se à frente, mas alguém recebeu.Quem? Temos o direito de saber, porque somos nós a pagar,OK?

Saber mais e Alertas
pub