André  Veríssimo
André Veríssimo 28 de Outubro de 2016 às 00:01

Os recados de Regling e Schäuble

Orçamento apresentado, recados da Europa. E logo dois alemães, de rajada. Um destrutivo, outro que vale a pena usar como reflexão.
Comecemos pelo ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble, que numa conferência em Bucareste afirmou que "Portugal vinha tendo muito sucesso até [à chegada de] um novo Governo". Não sabemos pela notícia qual exactamente o critério a que recorreu para votar o país ao insucesso. Será a consolidação orçamental? Mal ou bem António Costa parece que vai cumprir em 2016 a última meta acordada com Bruxelas. É o estado do sistema financeiro? Passos Coelho saiu com ele de pantanas. Na verdade isso pouco importa. Na essência, é só mais um ataque político do ministro do partido conservador alemão a uma família política adversária. E um apoio aos parceiros do PSD e CDS. Será por a Roménia estar a mês e meio de eleições legislativas?

A Portugal importa que alguém com a influência de Wolfgang Schäuble ande regularmente a mandar abaixo a imagem externa do país. Desta vez respondeu bem Carlos César. Se Portugal anda assim tão mal, porque investem cá as grandes empresas alemãs, como a Wolkswagen ou a Bosch? O que nunca saberemos é que investimentos terão as palavras ácidas de Schäuble porventura desencorajado.

Se o ministro foi destrutivo, Klaus Regling foi crítico, mas construtivo. "Temos de ser muito cuidadosos para que a competitividade que foi ganha com muito esforço (...) não seja posta em risco", afirmou na quinta-feira o presidente do fundo de resgate da Zona Euro. E deu como exemplo de descuido a reversão dos cortes no salário dos funcionários públicos.

O problema não é a reposição de rendimentos em si mesma. É não haver preocupação com a competitividade da economia. E o Orçamento do Estado para 2017 é disso mais uma flagrante demonstração. Tem havido esforços meritórios, mas ainda insuficientes, na desburocratização. Já na frente fiscal o sinal vai em sentido contrário, aumentando-se e complexificando-se a tributação às empresas. Na laboral, vem aí maior combate aos abusos, mas também rigidez. O resultado é Portugal estar a perder lugares nos "rankings" de competitividade, porque pontua pior ou é ultrapassado por outros. E menos competitividade significa menos crescimento.

Este Governo tem uma estratégia muito clara de reposição e aumento de rendimentos, privilegiando os que menos têm. Isso pode garantir-lhe, no curto e médio prazo, a manutenção do poder. Mas não tem qualquer estratégia coerente para tornar o país mais atractivo para o investimento estrangeiro ou dar condições privilegiadas para as empresas que querem exportar. E é ao falhar aí que Portugal corre riscos. Cumprir metas orçamentais não chega. Falhar esta oportunidade para robustecer a economia é falhar a chance de preparar melhor o país para aguentar uma qualquer próxima borrasca. 

A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 4 dias

"e aumento de rendimentos, privilegiando os que menos têm"...conversa fiada... então os funcionários públicos que ganham acima dos 1500€ são dos que menos têm? conversa fiada, demagogia.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 dias

Portugal têm 10 M, 3 M são pensionistas, 800 m Desempregados, 400 m recebem rendimento inserção, 1,8 M são crianças, restam 4 M, dos quais 600 m são FP. Dos 3,4 M que restam 1,7 não pagam IRS (ganham pouco). Ficam 1,7 Milhões dos quais apenas 80. Mil recebem mais de 3.700,00 euros Brutos.

Anónimo Há 3 dias

Excedentes ilegais na Alemanha mas Portugal é que apanha. Que raio de gente que nos havia de calhar pela porta.

nin Há 3 dias

As empresas portuguesas, exportadoras ou não, não precisam de grandes incentivos. Precisam que o Estado lhes saia de cima das costas, isso sim. O maior incentivo que este giverno lhes podia conceder era não lhes criar regras e obstáculos sem sentido.

Anónimo Há 4 dias

"e aumento de rendimentos, privilegiando os que menos têm"...conversa fiada... então os funcionários públicos que ganham acima dos 1500€ são dos que menos têm? conversa fiada, demagogia.

ver mais comentários