Raul Vaz
Raul Vaz 08 de fevereiro de 2017 às 00:01

Se o Diabo vier, vão perceber

O sintoma ainda é ténue, mas o estado de graça do Presidente da República já não é o que era. Comentadores começam a criticar, apoiantes começam a estrebuchar, barões da direita não gostam de o ver "com o Costa ao colo". Acusam-no de se armar em primeiro-ministro, acham-no excessivamente exposto e facilitista.
Marcelo é Marcelo. Professor de Direito Constitucional, não o apanharão em contramão por usar poderes que não tem; político endémico, não lhe darão lições de estratégia; e genuíno como poucos nos contactos interpessoais, não o conseguirão travar na magistratura de afectos que, com sucesso, pôs a correr para não parar. Exagera? Exagera! Cansa? Talvez. Corre riscos? Corre. Mas o que Marcelo Rebelo de Sousa está a fazer em primeiríssimo lugar é a segurar o país com pinças. Porque sabe que a pátria está fraquinha, que a maioria que a governa é instável, que o mundo está muito perigoso e que os mercados são selvagens.

Iludir a realidade é um erro e é disso que muitos começam a acusar o Presidente. Mas não é isso que Marcelo tem feito. Ao lado de António Costa, tem metido o pé na porta para ajudar a evitar o pior. Exigindo reformas, concordando com as instâncias internacionais que nos pedem reformas estruturais e pedindo que se faça "mais e melhor". Mas puxando sempre pelos resultados, poucochinhos, mas positivos, que o país tem para apresentar no exterior.

Marcelo sabe que não é com o Bloco e o Partido Comunista que se fazem as reformas económicas de que o país precisa. E por isso não se cansa de pedir uma alternativa forte e clara ao Governo das esquerdas. Mas também sabe que é preciso travar a fundo uma crise política. Antes de ver o Governo consolidar o sistema financeiro e tirar Portugal dos procedimentos por défice excessivo, o Presidente segura as pontas e faz frente a relatórios desta vida, lembrando que dizem o que costumam dizer – "sem alterações significativas" –, e instituições internacionais que não tiram os olhos da banca portuguesa – "se há coisa que lamentamos é que a troika não tenha descoberto isso há mais tempo".

Mais vale tarde do que nunca, de facto. E Marcelo enumera os passos: aumento de capital do BCP, clarificação no BPI, fim do impasse na Caixa, venda do Novo Banco "a dois passos", o malparado com solução (qual?) pré-anunciada pelo ministro das Finanças. Chegados à Primavera, se a banca tiver saído da zona de risco e Portugal tiver saído da lista negra dos défices, Marcelo respira fundo. E vira a página para onde lhe interessa: pedir reformas, pedir estratégia, pedir uma agenda, pedir mais e melhor.

Para já, o que o Presidente da República está a fazer é muito mais do que parece. Se o Diabo vier, vão perceber.  

A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso Há 2 semanas

Agências e mercados sabem que isto não vai a parte nenhuma,Só jornalistas desonestos (como os há,neste jornal) pensam o contrário

comentários mais recentes
surpreso Há 2 semanas

Agências e mercados sabem que isto não vai a parte nenhuma,Só jornalistas desonestos (como os há,neste jornal) pensam o contrário

fred Há 2 semanas

Quais são as reformas políticas que o país precisa? O CDS e o PSD podem fazê-las? Há 40 anos que mandam no Parlamento. Temos um belo país. Não esquecer que o gigantismo do Estado aumentou para níveis insustentáveis no governo do Cavaco Silva. De que partido era ele, mesmo?

Ciifrão Há 2 semanas

O jornalismo sempre a pregar uma coisa e fazer outra, em vez de se limitarem aos factos inventam assuntos a que chamam factos.

Alexandre Policarpo Há 2 semanas

Raul Vaz, o seu editorial, aliás muito bem escrito, é uma história da carochinha. O que o Marcelo quer é arrumar a actual liderança do PSD para lá meter uma liderança mais ao jeito do Bloco Central. Aí já sabemos quem passa a cortar o toicinho. O tabú sobre o 2º mandato tem tudo a ver com isso.