Celso  Filipe
Celso Filipe 11 de janeiro de 2017 às 00:01

Trump a fazer de Napoleão

Há uns anos, o presidente de uma câmara nomeou o filho para chefe de gabinete. O caso chocou os habitantes da vila e chegou mesmo a ganhar lastro de escândalo, tendo sido noticiado em vários jornais nacionais.
Confrontado com uma situação de claro favorecimento de um familiar, o referido autarca justificou assim a escolha: "tenho confiança pessoal e política nele".

A sonsice da resposta diz tudo sobre a forma como algumas pessoas olham para o exercício de funções públicas, apropriando-se delas como se fossem suas e distribuindo prebendas a eito.

É com esta visão ínvia e perigosa que Donald Trump vai assentar arraiais na Casa Branca. O magnata acaba de escolher o genro, Jared Kushner, como um dos seus conselheiros principais, um decisão com claros contornos de nepotismo. Em Outubro do ano passado, depois de ter sido eleito, incumbiu o seu filho Trump Jr., de ir a Paris reunir-se com empresários, políticos e diplomatas para encontrar uma forma de entendimento com a Rússia para resolver o conflito sírio. Um mês depois, em Novembro, num encontro com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, fez-se acompanhar pela filha Ivanka e o genro Kushner. E se fosse questionado sobre o porquê de meter a família em assuntos de Estado, é admissível que pudesse responder nos mesmos termos do autarca português: "tenho confiança pessoal e política neles."

A admirável desfaçatez com que Trump pratica estes actos é um sinal de que os considera normais, o que torna a coisa ainda mais tétrica. Para Donald Trump, a presidência dos Estados Unidos da América é algo que se confunde com um negócio de família e a Casa Branca uma espécie de Trump Tower onde os interesses do país, do próprio e da sua família se irão misturar sem decoro.

Aliás, a forma como Trump tem intervindo nas decisões de empresas, ameaçando-as com retaliações, caso não invistam ou deslocalizem a sua produção dos EUA, é uma decorrência da sua visão napoleónica do país. A tal ponto que os responsáveis da Trigger, uma aplicação que disponibilizar informações sobre acções e investimentos em tempo real, decidiu começar a fazer alertas para os tweets de Donald Trump. O futuro presidente dos EUA (toma posse a 20 de Janeiro) personifica o conceito prepotente do posso, quero e mando. É por isso que acha normal pôr a família em lugares de de poder ou chantagear empresas. No fundo, Trump olha para os EUA como Putin olha para a Rússia, como um bem pessoal.
A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso 11.01.2017

O teu amigo Soares nomeou o sobrinho para a Casa Civil,mas a "esquerda" tem memória de conveniência

comentários mais recentes
Francisco António 11.01.2017

Um autarca nomeou o filho como "chefe" do gabinete ! Foi uma autarquia laranja ou rosa ? E o autarca que contratou a mulher, ex-mulher, filho, nora... ?

Anónimo 11.01.2017

#makemypocketgreatagain é o lema !

"AMIZADE" TRUMP/PUTIN DESPISTAR-SE-Á NA 1ª.CURVA 11.01.2017

Encantado com a sageza, lucidez e linearidade do seu artigo, caro Celso Filipe.
Quanto à atracção TRUMP / PUTIN, eu costumo dizer que a amizade entre duas pessoas de bem tem pernas para andar e, até, para se aprofundar.
Porém, a "amizade" espúria entre aqueles 2 farsantes é apenas circunstancial.

Pricemt 11.01.2017

E os senhores comentadores são no mínimo obtusos, realmente mais casos de nomeações de "favor" haverá, mas é difícil de entender que Portugal não passa de uma cagadela de mosca no mapa e os EUA, bem ... são simplesmente a maior superpotência aliada da Europa ????

ver mais comentários
pub
pub
pub