Patrícia  Abreu
Patrícia Abreu 03 de setembro de 2018 às 21:43

Produtores satisfeitos com preços do petróleo

A queda dos preços do petróleo para mínimos acelerou uma acção conjunta por parte dos maiores produtores de petróleo do mundo.
A queda dos preços do petróleo para mínimos acelerou uma acção conjunta por parte dos maiores produtores de petróleo do mundo. Ao contrário do que era especulado pelo mercado, os países-membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) acordaram e cumpriram um corte de produtos. O resultado foi a recuperação dos preços do petróleo e das receitas destes países que dependem da exportação do ouro negro. Mas, com a matéria-prima a cotar acima de 70 dólares por barril, a estratégia parece já ter dado os resultados desejados. Em entrevista à cadeia norte-americana CNBC, o ministro do gás e do petróleo do Omã adiantou que prevê que o petróleo negoceie acima dos 70 dólares, um valor que considera "justo". "Penso que no resto do ano deveremos ver o petróleo estabilizar", adiantou Mohammed bin Hamad Al Rumhy. O mesmo responsável adiantou à CNBC que com a matéria-prima a negociar entre 70 e 80 dólares permite-lhes "manter o nosso investimento e continuar o nosso negócio", o que não acontecia quando as cotações do crude estavam entre 30 e 40 dólares, como acontecia há uns anos. Neste caso, pode dizer-se que a união faz a força.
pub