Alexandra  Machado
Alexandra Machado 05 de janeiro de 2015 às 20:10

E aí vão mais 150 milhões...

O país acaba de sair de um apertado programa de ajustamento. Com esforços grandes. Mesmo assim vemos serem desperdiçados 150 milhões de euros num projecto que nem saiu do papel.

 

O TGV (comboio de alta velocidade) custou aos cofres públicos esse dinheiro todo sem se fazer nada. Claro que custaria muito mais se se tivesse avançado com o projecto, mas crítico é gastar-se dinheiro em nada.

 

O Tribunal de Contas, na auditoria feita ao projecto, diz tudo. O Estado gastou dinheiro para nada e ainda por cima não avaliou o custo-benefício para Portugal desse investimento.

O problema é que essa é a história deste país. Faz-se primeiro, pensa-se depois. E a obra não nasce, ao contrário do que dizia Fernando Pessoa.

 

É uma história que vai ter repetições. E em breve outro caso poderá engrossar a lista de dinheiro deitado fora. O despedimento da administração da RTP tem tudo para ser mais um caso com custos para o Estado. E é bom que esses custos sejam divulgados e as razões bem explicadas. Não vejo (também) justificação para o gasto da RTP em direitos televisivos para os jogos da Champions, mas essa opção é da gestão da estação e não pode ser do Conselho Geral e Independente que, aliás, ainda não se percebeu bem a função. Para já teve a missão de pedir a destituição da actual administração. Nas empresas privadas, o convívio de órgãos bicéfalos já é difícil, em empresas públicas tem-se demonstrado impossível. A história repete-se, mas pelo vistos não ensina.

 

Jornalista

pub