Pedro Ferreira Esteves
Pedro Ferreira Esteves 24 de setembro de 2013 às 00:01

Cada português, um “pica”

O sector vive dias decisivos para o seu futuro. Com uma dívida astronómica, calculada em perto de 18 mil milhões de euros, as empresas lidam com uma despesa de juros incompatível com a concessão das suas operações a privados, tal como está definido com a troika, que também se tem mostrado relutante em absorver esse bolo de dívida nos cofres do Estado.

O Governo já fez o diagnóstico sobre a fraude nos transportes de Lisboa. E já o entregou à troika. Para quem anda de transportes os números apurados são simples de perceber: em cada dez pessoas que os utentes vêem à sua volta, três não pagaram bilhete. O que significa, segundo as contas do Governo, que o nível de fraude custa cerca de oito milhões de euros por ano às empresas da capital portuguesa.

 

Este relatório não foi tornado público oficialmente para ser entregue directamente aos responsáveis da troika. Porquê? Não se sabe. Mas talvez pela mesma razão que o relatório semestral das contas dos transportes também só foi apresentado aos responsáveis europeus, depois de no primeiro trimestre o sector ter registado um desequilíbrio operacional que viola as metas definidas pela própria troika.

 

Terá o desequilíbrio operacional do sector agravado-se no primeiro semestre? A expectativa do Governo é que o cenário se deteriore até ao final do ano? E é só a fraude que explica este desequilíbrio? Ou o elevadíssimo nível de desemprego, a crise económica e, sobretudo, o forte aumento de preços dos bilhetes levou a uma quebra irreparável das receitas dos transportes públicos?

 

O sector vive dias decisivos para o seu futuro. Com uma dívida astronómica, calculada em perto de 18 mil milhões de euros, as empresas lidam com uma despesa de juros incompatível com a concessão das suas operações a privados, tal como  está definido com a troika, que também se tem mostrado relutante em absorver esse bolo de dívida nos cofres do Estado.

 

Para além disso, a imagem do sector está envolta mediaticamente numa "caça às bruxas" quase diária dos responsáveis pelos contratos de "swaps", subscritos em pleno período de expansão de infra-estruturas, um ruinoso processo que nenhum agente político parece interessado em discutir, nem do Governo, nem da oposição.

 

O Governo terá, seguramente, dado todas as explicações e justificações para a previsível derrapagem este ano de um objectivo alcançado no ano passado. E espera-se que não tenha sido só a fraude. Porque se foi, é absurdo, tal como caricata seria a solução: a responsabilidade cairia em cada português: vigiar os autocarros, os metros ou os comboios, assumindo-se como "picas" do interesse nacional. Uma dica: segundo o relatório, citado pelo "Público", na carreira 794 que circula entre o Terreiro do Paço e a Estação do Oriente, há momentos em que por cada dois utentes, um não está a pagar. Podemos começar por aí...

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado ze pequeno 24.09.2013

Acabem com os transportes publicos que dão prejuizo! Andemos antes de carro com motorista que pelos vistos não custa nada...

comentários mais recentes
Rui FonsecA 25.09.2013

O engraçado é ninguém calcular os custos das decisões absurdas que os gestores públicos de transporte têm feito sobre bilhética, tarifários, reduções de velocidade, reduções de frequência... são certamente contas difíceis de fazer não é? Mas a isso chama-se incompetência!

Economista2000 24.09.2013

""Com uma dívida astronómica, calculada em perto de 18 mil milhões de euros"" ---------- A pressão financeira irá orientar as medidas no sentido correcto, embora seja pela via do "cernelhamento" intensamente suave à medida que a pressão financeira aumenta. ---------- Falta ao Governo vontade/política para encerrar as empresas de transporte altamente deficitárias ou em alternativa privatizar com grande probabilidade de ter de assumir a astronómica cratera ou ainda concessionar ou subconcessionar áreas de actuação ou simplesmente linhas rodoviárias, ferroviárias e as de transporte aquático para outras empresas de transporte existentes ou que possam vir a constituir-se. Os aumentos dos passes sociais e dos bilhetes são intensamente suaves o que dificulta para não dizer impossibilita a entrada de novos operadores no mercado. ---------- Mas felizmente temos a ajuda da pressão financeira que irá obrigar o Governo actual e os futuros a "cernelhar" cada vez mais rapidamente.

ze pequeno 24.09.2013

Acabem com os transportes publicos que dão prejuizo! Andemos antes de carro com motorista que pelos vistos não custa nada...

pub
pub
pub