Mike Pence
Vice-presidente
Há quem especule que será o verdadeiro Presidente dos Estados Unidos. Vice-presidente e líder da equipa de transição, Mike Pence tem, ao contrário de Donald Trump, uma longa carreira política: esteve durante 12 anos na Câmara dos Representantes e é desde 2013 governador do estado de Indiana. Ao longo da campanha presidencial, tentou defender por várias vezes as acções do seu companheiro de corrida, mas também manifestou a sua discordância com Trump, por exemplo em relação à possibilidade de proibir muçulmanos de entrar no país.

É um conservador quanto à gestão das contas públicas, assim como nos costumes. Cristão evangélico, Pence tem uma relação complicada com a comunidade gay. Em Março de 2015, assinou uma lei que abria a porta para que as empresas pudessem rejeitar clientes com base na sua orientação sexual. Mais tarde, depois de grande pressão nacional, aprovou uma emenda que garantia que os gays não podiam ser discriminados. Em 2000, Pence defendeu que deveriam ser alocados recursos públicos a instituições "que providenciem assistência a quem pretenda mudar o seu comportamento sexual". Leia-se, curar homossexuais. O estado que governa tem também uma das mais restritivas leis de interrupção voluntária da gravidez.

Mike Pence tem uma fortuna avaliada em 635 mil dólares.
Rex Tillerson
Secretário de Estado
Aos 64 anos de idade e a um ano de atingir o limite de idade definido para os CEO da Exxon Mobil, Rex Tillerson vai deixar a liderança da petrolífera, que ocupou durante uma década, para chefiar a diplomacia norte-americana. Este homem natural do Texas é também conhecido pelos laços que o ligam ao presidente russo, Vladimir Putin.

Em 2013 Tillerson foi agraciado com a Ordem da Amizade pelo Kremlin, naquela que é a maior distinção que o regime russo pode atribuir a um cidadão estrangeiro. Antes, em 2011, o CEO da Exxon firmou uma parceria com a estatal petrolífera russa, Rosneft, para a exploração de campos petrolíferos no Ártico num negócio avaliado em 500 mil milhões de dólares.

Apesar de o presidente eleito a ele se ter referido como “um dos maiores líderes de negócios do mundo”, o senador republicano John McCain já veio mostrar “preocupação” face a esta escolha, em especial devido às ligações a Putin. Isto depois de uma campanha eleitoral que diversas agências de informações dos Estados Unidos, públicas e privadas, incluindo a CIA, suspeitam ter sido alvo de interferência do Governo russo em favor de Trump.

Tillerson foi uma das vozes que se levantou contra as sanções económicas aplicadas pelos Estados Unidos e a União Europeia à Rússia como retaliação pela anexação russa da Crimeia e posteriores acções desestabilizadoras no leste da Ucrânia. Engenheiro de formação Tillerson esteve mais de 40 anos na Exxon e efectuou nos últimos anos importantes donativos para o Partido Republicano. O Washington Post chegou a noticiar que Tillerson apoiava Jeb Bush nas primárias republicanas.

Rex Tillerson tem uma fortuna avaliada em 365 milhões de dólares.
Jeff Sessions
Procurador-geral
Jeff Sessions foi o primeiro senador a apoiar a candidatura de Donald Trump. Chegou a ser considerado para vice-presidente, tendo-se tornado num dos mais fiéis conselheiros do candidato republicano. Trump escolheu-o para ser o Procurador Geral da sua Administração. O Politico escreve que Sessions foi Trump antes de Trump. Isto é, alguém que já criticava as posições "macias" do Partido Republicano em relação a imigração e aos tratados comerciais. O seu peso político no Senado sempre foi muito limitado e é uma figura relativamente menor dentro do partido. Mas isso pouco importa no mundo Trump. A sua exposição vem essencialmente de sites como o Breitbart – gerido por Steve Bannon -, que o adoram.

Agora que se prepara para ocupar um cargo de relevância, Sessions está a ser confrontado com declarações que fez há três décadas. Quando tinha 39 anos, Sessions era procurador federal e candidatou-se a juiz federal. A sua candidatura foi rejeitada pelo comité judiciário do Senado - apenas a segunda vez que isso aconteceu nos 50 anos anteriores - depois de os senadores terem ouvido vários testemunhos que indiciavam para comportamentos racistas.

Jeff Sessions tem uma fortuna avaliada em 7,4 milhões de dólares.
Steven Mnuchin
Secretário do Tesouro
Steven Mnuchin será o futuro secretário do Tesouro dos Estados Unidos. Sem experiência governativa, o milionário (mais um) traz no currículo 17 anos de Goldman Sachs e experiência de gestão de fundos de investimento e… de produções cinematográficas. Mnuchin foi, por exemplo, um dos produtores do filme “Mad Max: Fury Road”.

É conhecido como “o rei das falências” por se ter especializado na compra de créditos hipotecários de fraca qualidade, tendo depois expulso milhares de proprietários das suas casas. Mnuchin, de 53 anos, já assumiu como prioridade uma reforma fiscal, “a maior desde Reagan”. A ideia é reduzir o equivalente ao IRC dos EUA de 35% para 15%. Analistas independentes têm sublinhado que as propostas de mudanças nos impostos avançadas por Trump vão beneficiar os contribuintes mais ricos e pouco fazer pelos mais pobres. Durante a campanha eleitoral, foi o responsável a partir de Maio pela angariação de fundos para financiar os esforços eleitorais de Donald Trump.

Steven Mnuchin tem uma fortuna avaliada em 655 milhões de dólares.
Mike Pompeo
Director da CIA
Este congressista republicano eleito pelo Kansas é membro do movimento ultraconservador Tea Party e considerado um dos “falcões” do Partido Republicano. É defensor da prática de tortura pela CIA, designadamente o afogamento simulado, defendendo que a agência de segurança retome práticas “duras” para obter informações. Foi Barack Obama, em 2009, a proibir o recurso ao afogamento simulado durante os interrogatórios a suspeitos de terrorismo.

Este antigo oficial do exército norte-americano destacou-se no Congresso como um dos mais crítico da então secretária de Estado, Hillary Clinton, que acusou de tentar esconder o sucedido nos ataques à embaixada americana de Benghazi. É também defensor da reversão do acordo alcançado sobre o programa nuclear iraniano.
Wilbur Ross
Secretário do Comércio
É um amigo de Donald Trump e mais um milionário. Wilbur Ross Jr. tem 79 anos e tem uma ligação antiga com o Presidente eleito, tendo-o ajudado a recuperar a sua empresa de casinos depois de ter ido à falência nos anos 90. Em comum com Trump o futuro secretário do Comércio tem a sua crítica forte aos acordos comerciais assinados pelos Estados Unidos e a perda de força da indústria americana. Será a ligação do Presidente com o mundo empresarial.

A sua fortuna, avaliada pela Forbes em 2,9 mil milhões de dólares, foi conseguida em grande parte através da compra de empresas em processo de falência para depois lucrar com a sua venda posterior. “Wilbur é um defensor da indústria americana e sabe como ajudar as empresas a serem bem-sucedidas”, afirmou Trump quando anunciou a sua escolha.

Wilbur Ross tem uma fortuna avaliada em 2,9 mil milhões de dólares.
James Mattis
Secretário da Defesa
“Não digam a ninguém”, pediu Donald Trump durante um recente comício em que anunciou que “vamos nomear ‘Mad Dog’ Mattis secretário da Defesa”. O mesmo é dizer: “vamos nomear o ‘cão raivoso’ Mattis”. Este general de quatro estrelas já retirado é também conhecido por outras duas alcunhas sugestivas: “o monge guerreiro” e “caos”.

“Cão raivoso” é um nome que surgiu, em 2004, na sequência da batalha de Fallujah (uma das que provocou mais mortos e feridos), na sequência da invasão do Iraque em 2003. Mattis liderou as tropas americanas e britânicas na luta contra o exército iraquiano.

No entanto, foi já em 2005 que Mattis apelou inequivocamente ao epíteto ao afirmar que “é divertido disparar contra algumas pessoas”. Trump já afirmou que Mattis é o que há de mais parecido com o general Patton, herói americano durante a Segunda Guerra.

O último rendimento anual de James Mattis foi de 264 mil dólares.
Betsy DeVos
Secretária da Educação
A advogada e multimilionária de 58 anos vai liderar a escola pública, ela que é defensora da privatização do sector educativo. É membro do Partido Republicano e uma importante doadora de fundos. Não detém experiência na área e os filhos estudaram em escolas privadas. Depois de confirmada a sua escolha escreveu no Twitter que pretende, juntamente a Trump, “tornar a educação americana grande outra vez”, acrescentando que o “status quo na educação não é aceitável”.

Destacou-se pela defesa da atribuição de “vouchers” às famílias para que estas possam colocar os seus filhos em escolas privadas e para apoiar a expansão de escolas autónomas. Mas mais do que uma conservadora defensora do ensino privado, DeVos é, acima de tudo como conta o New York Times, alguém que quer recolocar a religião cristã no centro da actividade escolar.

Em 2011, durante um encontro de filantropos cristãos, DeVos defendeu uma reforma para a educação enquanto forma de “evoluir para o reino de Deus”.

Betsy DeVos tem uma fortuna avaliada em 130 milhões de dólares.
Rick Perry
Secretário da Energia
Depois de um secretário do Trabalho que violava a lei laboral nas suas empresas, Donald Trump escolheu um secretário da Energia que queria extinguir o departamento que vai agora liderar. Rick Perry, antigo governador do Estado do Texas, viu a sua campanha presidencial de 2012 ser prejudicada depois de uma gaffe na televisão. Disse que havia três departamentos com os quais queria acabar: Comércio, Educação e… não se conseguiu lembrar do terceiro. “Ups”, disse na altura.

Mais tarde, lembrou-se que era o Departamento de Energia. O mesmo que o Presidente eleito o convidou agora para liderar. Como critério para a escolha foi apontada a sua experiência a lidar com a indústria petrolífera. No entanto, a maior parte do trabalho do Departamento consiste em gerir o arsenal nuclear dos EUA (60% do orçamento) e fazer investigação científica (20%). É também uma pasta com influência na segurança externa, como provou o acordo nuclear assinado com o Irão em 2015. A extracção de combustíveis fósseis também está aqui integrada, mas tem um peso menor. Normalmente, os detentores deste posto têm um passado ligado à ciência. O último (e ainda) secretário da Energia é o luso-descendente Ernest Moniz do MIT, filho de emigrantes portugueses.

Rick Perry tem uma fortuna avaliada em 1,3 milhões de dólares.
Reince Priebus
Chefe de gabinete
Em Portugal, o cargo não tem tanta importância, mas ser chefe de gabinete do Presidente dos Estados Unidos é um dos cargos mais importantes de uma Administração norte-americana. Reince Priebus é o presidente do Comité Nacional Republicano e será o responsável por gerir as operações diárias na Casa Branca e fazer uma decisiva ponte com o Congresso.

Embora Donald Trump tenha conduzido uma campanha eleitoral em constante conflito com o Partido Republicano, nunca cortou relações com o Presidente do partido. Priebus será o (único?) representante do aparelho do partido na Administração. Uma personalidade que os republicanos no Congresso ouvirão com mais facilidade e um forte aliado de Paul Ryan, o presidente da Câmara dos Representantes, com quem Trump teve uma relação muito atribulada durante toda a campanha. Ironicamente, Priebus coordenou a análise feita internamente no Partido Republicano, depois da derrota nas eleições de 2012.

Aquilo que ficou conhecido como a "autópsia" aconselhava uma atitude mais aberta em relação a minorias raciais e avançar com reformas na imigração. Sugestões que foram totalmente ignoradas pela candidatura de Trump, cuja plataforma vai exactamente no sentido oposto.

O último rendimento anual de Reince Priebus foi de 220 mil dólares.
Steve Bannon
Estratega-chefe
Embora Reince Priebus seja oficialmente o chefe de gabinete, todas as notícias apontam para que ele e Steve Bannon estejam em pé de igualdade no que diz respeito à gestão da Casa Branca e, provavelmente, o segundo até terá mais influência junto de Trump. Se Priebus assinala uma vontade de chegar a compromissos com o aparelho republicano, a escolha de Bannon aponta o caminho oposto.

O ex-CEO do Breitbart - site que fazia títulos como "Preferia que a sua filha tivesse feminismo ou cancro?" - é um completo "outsider", que pretendia limpar o Partido Republicano e assumir uma agenda política mais radical. A sua nomeação provocou indignação entre democratas, republicanos e organismos independentes anti-discriminação. O KKK achou a escolha "excelente". Bannon é uma das caras da "alt-right", um movimento marcado pelo "nacionalismo branco", o racismo, a misoginia e o anti-semitismo. Além do que autorizava escrever no seu site, Bannon já foi indiciado por violência doméstica e acusado em tribunal pela sua ex-mulher de não querer que as suas filhas andassem numa escola com judeus. John Weaver, responsável pela candidatura presidencial do republicano John Kasich, escreveu: "A direita racista e fascista está representada a poucos passos da Sala Oval."
Nikki Haley
Embaixadora dos EUA nas Nações Unidas
A governadora republicana da Carolina do Sul foi a primeira mulher a ser escolhida pelo presidente eleito para um alto cargo, equiparado ao da administração. Esta filha de indianos é governadora da Carolina do Sul desde 2011 e considerada uma das figuras ascendentes no seio do Partido Republicano.

Haley foi uma das personalidades republicanas que se opôs mais afincadamente a Donald Trump, tendo apoiado, inicialmente, o senador Marco Rubio e, posteriormente, o também senador Ted Cruz, nas primárias do partido. É defensora de políticas pró-imigração.

Enquanto embaixadora junto das Nações Unidas terá a cargo a responsabilidade de substituir a conceituada Samantha Power. Tendo em conta o novo secretário-geral da ONU (o português António Guterres) e a sua intenção de reformar os procedimentos internos da organização, Haley terá de conseguir conciliar os interesses das Nações Unidas com a visão pouco multilateralista de Trump.

O último rendimento anual de Nikki Haley foi de 106 mil dólares.
Scott Pruitt
Chefe da Agência de Protecção Ambiental
A opção do presidente eleito pelo procurador-geral de Oklahoma para liderar esta agência ambiental foi encarada como um sinal de que o presidente eleito pretende mesmo desmantelar a política ambiental seguida durante os mandados de Barack Obama. Pruitt é um homem próximo da indústria dos combustíveis fósseis e um céptico declarado quanto à relevância da intervenção humana para as alterações climáticas.

Durante os últimos anos Pruitt assumiu o papel de opositor das políticas de Obama para combater as alterações climáticas, evento que chegou a classificar de “mistificação”. Aos 48 anos de idade é um dos mais proeminentes conservadores dos republicanos, tendo-se juntado aos produtores energéticos para combater o ainda presidente Obama.

Esteve, por exemplo, do lado da Exxon Mobil durante a investigação promovida pelos procuradores-gerais de New York e Massachusetts acerca do alegado encobrimento de dados relativos às alterações climáticas. Também esteve contra a Agência de Protecção Ambiental em diversas acções judiciais.

É clara a proximidade face às posições de Trump relativamente ao clima, o que, em última instância, poderá colocar em causa o Acordo Climático alcançado em Paris.

O último rendimento anual de Scott Pruitt foi de 133 mil dólares.
Tom Price
Secretário da Saúde e Serviços Sociais
Este congressista republicano eleito pelo estado da Georgia foi uma das vozes mais audíveis contra a reforma de saúde (Obamacare) promovida por Barack Obama. Price, 62 anos de idade, foi médico-cirurgião ortopédico em Atlanta durante duas décadas tendo defendido posições contra o aborto e o financiamento público de métodos contraceptivos.

Nos últimos anos Tom Price foi uma das caras principais das propostas apresentadas pelo Partido Republicano em questões de saúde. Enquanto o Obamacare assenta numa regulação do sector ao nível federal, os republicanos, nomeadamente Price, defendem a atribuição de mais competências aos Estados e às seguradoras. “Consideramos ser importante que não seja Washington o responsável pelos cuidados de saúde“, afirmou em entrevista concedida ao Wall Street Journal.

Trump já afirmou que Price é “excepcionalmente qualificado” para ocupar este cargo que em grande medida confere ao titular a possibilidade de prosseguir planos de saúde ao nível federal. Assumindo as posições de Trump e Price será expectável a reversão do Obamacare, promessa feita pelo presidente eleito.

Contudo, depois do encontro mantido com Obama, Trump admitiu que há “coisas boas” na reforma de saúde do ainda presidente e que as mesmas serão mantidas, tendo exemplificado a norma do Obamacare que impede as seguradoras de recusar vender seguros de saúde a pessoas com doenças graves no seu historial.

Tom Price tem uma fortuna avaliada em 18,7 milhões de dólares.
John Kelly
Secretário do Departamento de Segurança Interna
Foi o terceiro general a ser apontado por Trump para a sua administração. Este general de quatro estrelas já retirado foi responsável pelo centro de detenção de Guantanamo e opôs-se ao seu encerramento, como chegou a ser pretendido pelo presidente Barack Obama.

Também liderou tropas americanas durante um período de dois anos no Iraque. Contudo a principal especialidade deste militar com mais de 40 anos de serviço prende-se com a América Latina, tendo liderado o Comando americano para a região. Kelly considera que a fronteira americana com o México é uma das maiores ameaças para a Segurança interna dos Estados Unidos, o que o parece aproximar de Trump e faz temer uma escalada militar naquela zona.

O último rendimento anual de John Kelly foi de 254 mil dólares.
Ben Carson
Secretário para a Habitação e Desenvolvimento Urbano
O neurocirurgião e candidato à nomeação presidencial republicana aceitou o convite de Donald Trump tornando-se no primeiro afro-americano a integrar a administração do presidente eleito. "Ben Carson tem uma mente brilhante e é um apaixonado pelo fortalecimento das comunidades e das famílias dentro dessas comunidades", escreve Trump aquando do anúncio da esta escolha.

Apesar da inexperiência na área do planeamento urbano, o antigo chefe do serviço de neurocirurgia do hospital Johns Hopkins, em Baltimore, garantiu, ainda antes de confirmada a sua ida para este cargo, que iria contribuir para resolver os problemas que afectam grande parte das cidades americanas.

Já depois da vitória do agora presidente eleito, quando se falava na possibilidade deste neurocirurgião assumir pastas na administração Trump, um porta-voz de Carson garantiu que o médico não possuía experiência necessária para assumir a liderança de uma agência federal porque não queria ter um papel que “pudesse penalizar a presidência”. Foi então, após uma conversa com Trump, que Carson sinalizou a possibilidade de ajudar a resolver os problemas urbanos da América.

A experiência de vida de Ben Carson tem sido utilizada para justificar a sua escolha, ele que viveu e cresceu em bairros pobres de cidades como Detroit e Boston.

Ben Carson tem uma fortuna avaliada em 23 milhões de dólares.
Ryan Zinke
Secretário do Interior
Aparentemente, e ao contrário do que foi inicialmente avançado, não é Cathy McMorris a escolha do presidente eleito para assumir a secretaria do Interior, que afinal não recebeu nenhuma proposta de Trump. Ao que tudo indica, segundo avançam publicações como o Washington Post, a NBC News ou o jornal online Politico, será Ryan Zinke a assumir a pasta do Interior. Trata-se de um congressista republicano de 55 anos de idade, eleito pelo Montana, e que pertenceu à marinha americana.

Zinke estudou geologia e foi “SEAL” da marinha entre 1986 e 2008, ano que marca a sua entrada no mundo da política. Nos tempos livres Zinke é pescador e caçador e, no último Verão, abandonou o comité do partido Republicano responsável por uma proposta para que as terras federais passem a ser detidas e geridas pelos Estados.

No Congresso votou sistematicamente contra questões de defesa ambiental em matérias relativas à extracção de carvão ou perfuração de petróleo e gás. Recentemente votou contra uma proposta do Departamento do Interior que visava limitar a libertação involuntária de metano nas operações de extracção de gás e petróleo.

Não se sabe se Zinke poderá prosseguir as políticas defendidas por Trump para as terras detidas pelo Estado central. O presidente eleito prometeu utilizar essas terras para iniciar novas explorações para a perfuração e minérios.
Andrew Puzder
Secretário do Trabalho
Mais um milionário. Andrew Puzder vai liderar o Departamento do Trabalho. A escolha do CEO da CKE Restaurants está a ser interpretada como um favorecimento da gestão face aos trabalhadores. Uma análise feita pelo Governo americano às cadeias de restaurantes Carl’s Jr. e Hardee’s - ambas da CKE - concluiu que em seis em cada dez investigações havia casos de violação de leis laborais, normalmente porque não estava a ser pago o salário mínimo ou o trabalho extraordinário não estava a ser remunerado correctamente. Um dos responsáveis pelo "Fight for $15", movimento de defesa dos direitos dos trabalhadores em cadeias fast-food, disse que escolher "Puzder como secretário do Trabalho é como colocar Bernie Madoff à frente do Tesouro".

Puzder tem manifestado uma forte oposição ao aumento do salário mínimo nacional - actualmente nos 7,25 dólares a hora - para valores próximos dos 15 dólares e tem-se também manifestado contra a mudança das regras de pagamento de horas extraordinárias, que não são actualizadas desde a década de 70. Outras duas críticas habituais do CEO são dirigidas ao Obamacare, a reforma de saúde implementada por Barack Obama, e ao subsídio de doença obrigatório, que considera ser um fardo muito grande para as empresas. Ou seja, um secretário do Trabalho que está contra leis que terá de defender no governo. Os restaurantes da CKE são também acusados de utilizarem publicidade sexista, colocando normalmente mulheres semi-nuas a comer hambúrgueres. "Eu gosto dos nossos anúncios. Gosto de mulheres bonitas a comer hambúrgueres em bikini. Acho que é muito americano", defendeu.

Andrew Puzder tem uma fortuna avaliada em 110 milhões de dólares.
Elaine Chao
Secretária dos Transportes
É uma das poucas escolhas que traz consigo alguma experiência governativa. Elaine Chao foi secretária do Trabalho entre 2001 e 2009 na Administração Bush e terá agora a pasta dos Transportes. Nascida em Taiwan, Chao veio para os Estados Unidos com oito anos e recebeu a cidadania americana 11 anos depois. “O extenso historial de liderança forte da secretária Chao e a sua experiência são activos inestimáveis na nossa missão para reconstruir a infra-estrutura [dos EUA] de forma orçamentalmente responsável”, afirmou Trump. Com 63 anos, Chao é também a mulher de Mitch McConnell, líder republicano do Senado.

Elaine Chao tem uma fortuna avaliada em 25,6 milhões de dólares.
Gary Cohn
Presidente do Conselho Económico Nacional
Não é um departamento, mas é um cargo importante. Gary Cohn ficará à frente do Conselho Económico Nacional, o mais alto órgão de discussão de política económica da Casa Branca, responsável por aconselhar directamente o Presidente. Até agora era director operacional na Goldman Sachs, banco de investimento que foi bastante criticado durante a campanha eleitoral por Donald Trump. Cohn tem 56 anos e era visto como um potencial sucessor do actual CEO da Goldman, Lloyd Blankfein. Caso Steven Mnuchin acabe por tomar posse, tanto o secretário do Tesouro como o director do Conselho Económico terão trabalhado mais de uma década e meia na Goldman Sachs. A nomeação para este cargo não exige confirmação pelo Senado.
Michael Flynn
Conselheiro para a Segurança Nacional
Mais conhecido como Mike Flynn é um general republicano e foi chefe dos serviços secretos norte-americanos (DIA, na sigla inglesa). Ficaram famosas as suas tiradas contra Hillary Clinton, tendo-se juntado aos muitos populares que, junto com Donald Trump, pediam a sua prisão.

Mike Flynn é também conhecido enquanto pró-russo, defendendo relações bilaterais mais estreitas com a Rússia e surgindo com regularidade em programas da estação televisiva estatal russa RT, e islamofóbico, tendo escrito um livro em que tenta explicar como pode derrotar-se o terrorismo islâmico. Flynn atribui ao islamismo a responsabilidade por todo o tipo de terror praticado em nome de Alá, tendo pedido aos líderes árabes (sunitas) e persas (xiitas) para reconhecerem de uma vez por toda que as suas ideologias islâmicas precisam de ser “curadas”.

A revista New Yorker refere que o maior feito alcançado ao longo da sua carreira militar prende-se com a revolução levada a cabo, juntamente com Stanley McChrystal, no seio do comando conjunto de operações especiais do exército americano, transformando a forma como esta força especial procede à captura e morte de suspeitos de terrorismo em zonas de guerra.

Como conselheiro de segurança nacional Mike Flynn irá trabalhar no desenvolvimento, junto do futuro presidente, de políticas, em especial militares, para salvaguarda da segurança dos EUA.
Linda McMahon
Administração das Pequenas Empresas
Do wrestling para o Governo dos Estados Unidos. Milionária ligada à indústria do entretenimento, Linda McMahon tem muito em comum com Donald Trump. A antiga presidente executiva da WWE (World Wrestling Entertainment) ficará responsável pelas pequenas empresas. A fortuna do seu marido, Vince McMahon, com o qual fundou a WWE há 30 anos, está avaliada pela Forbes em 1,2 mil milhões de dólares. Ainda hoje, Linda McMahon tem 84 milhões de dólares em acções da WWE.

Em 2010 e 2012 tentou ser eleita para o Senado, mas perdeu ambas as eleições para os democratas. A sua relação com Trump é antiga. Em 1988 e 1989, a Wrestlemania – o maior evento de wrestling do ano – foi realizada na Trump Plaza em Atlantic City. Trump chegou mesmo a aparecer em ringues da WWE para “lutar” conta Vince McMahon e integra até o Hall of Fame da mesma.

Linda McMahon tem uma fortuna avaliada em 1,4 mil milhões de dólares.
Vincent Viola
Secretário do Exército
Vincent Viola é filho de imigrantes italianos e, em 2016, detinha uma fortuna avaliada, segundo a revista Forbes, em 1,78 mil milhões de dólares. Também conhecido como “Vinnie”, o futuro secretário do Exército fundou, em 2008, a Virtu Financial, tendo sido chairman executivo desta empresa desde o final de 2013.

Além de passagens por outras empresas, Vinnie Viola foi também militar, tendo-se graduado na academia militar de West Point. Na sequência dos atentados terroristas de 11 de Setembro de 2011, Vinnie Viola fundou o Centro de Luta contra o Terrorismo, em West Point. Para Trump, Vinnie Viola “é a prova do sonho americano”.