Mobilidade “Apps” marcam pontos no campo das vendas

“Apps” marcam pontos no campo das vendas

Existem aplicações de suporte à actividade das equipas comerciais com as mais diversas características, mas todas concorrem para os mesmos objectivos: poupar tempo, dinheiro e aumentar a produtividade.
“Apps” marcam pontos no campo das vendas
C-Studio 15 de fevereiro de 2017 às 18:08

A transformação digital chegou para ficar e a forma como as empresas incorporam esta mudança pode seguir as mais diversas estratégias. Para quem tem muitas equipas na rua, a mobilidade é um tema central.

 

Os smartphones tomaram o lugar dos telemóveis, e pela panóplia de funcionalidades que agregam transformaram-se em verdadeiras ferramentas de trabalho. As limitações de tamanho do ecrã e as características técnicas continuam a garantir aos computadores, sobretudo aos portáteis, um lugar de destaque na secretária do escritório, mas faz cada vez mais sentido complementar a sua utilização com a de dispositivos mais fáceis de transportar.

 

Essa complementaridade ganha ainda mais interesse para quem está permanentemente em mobilidade, sobretudo tendo em conta que à conveniência do hardware se tem juntado um leque cada vez mais diversificado e robusto de aplicações móveis de apoio ao negócio.

 

Estas aplicações estão a assumir um papel preponderante no suporte à atividade de áreas de negócio que exigem mobilidade, como as áreas de vendas, mais ainda porque muitas funcionam como uma verdadeira extensão da empresa para fora de portas.

 

As equipas passam a maior parte do tempo fora do escritório e poder levar consigo, de forma fácil e descomplicada, as ferramentas que têm à disposição dentro da organização, quando estão sentadas à secretária, é uma vantagem competitiva.

 

Existem hoje aplicações de suporte à atividade das equipas comerciais com as mais diversas características, mas todas concorrem para os mesmos objectivos: poupar tempo, dinheiro e aumentar a produtividade. E não é difícil perceber porquê.

 

Gerir a agenda de visitas e optimizar rotas, registar encomendas ou consultar informação dos clientes são algumas das funcionalidades comuns em aplicações deste tipo.

 

Quando a ligação aos sistemas da empresa está garantida, porque o software instalado no smartphone é uma extensão do software de gestão (ERP), ou de outras ferramentas de produtividade usadas centralmente pela organização, as vantagens podem multiplicar-se.

 

Fica garantido o acesso a catálogos de produtos, preços, históricos de vendas, consulta de "stocks" e outros dados que ajudem a dar contexto às operações no terreno e a aumentar as oportunidades de venda. Criar ou adaptar campanhas em função de informações relacionadas com segmentos de mercado, áreas geográficas ou públicos-alvo também passa a estar na palma da mão, tal como a possibilidade de emitir facturas ou notas de encomenda.

 

No escritório, as vantagens também se sentem, com a integração em tempo real das encomendas registadas na aplicação nos sistemas da organização, o que vem agilizar o processo, eliminar tarefas administrativas desnecessárias e dar fiabilidade à informação, que passa a ter de percorrer menos passos para chegar ao software de gestão da empresa.

 

Integrar estas ferramentas numa organização não é mais do que dar passos no sentido de uma transformação digital, que se caracteriza por digitalizar processos, introduzir ferramentas que permitam eliminar tarefas rotineiras e maximizar oportunidades, porque dessa mudança emerge uma visão mais rigorosa do negócio e das suas variáveis.

 

É uma questão de tecnologia, mas é essencialmente uma questão de processos e de pessoas. De processos, que têm de estar desenhados para tirar partido das oportunidades que uma digitalização total dos negócios pode trazer.

 

De pessoas, que têm de estar motivadas e interessadas em adoptar e explorar novas ferramentas de trabalho que, podendo melhorar a sua produtividade no contexto da organização, também aumentam o seu valor nesse ecossistema.




pub