Sector Público Espaço Empresa simplifica resposta a quem procura investir

Espaço Empresa simplifica resposta a quem procura investir

Inserido no Simplex+, o espaço resulta de um esforço de transformação e simplificação da administração pública no atendimento aos empresários.
Espaço Empresa simplifica resposta a quem procura investir
Manuel Caldeira Cabral, ministro da Economia
C-Studio 21 de junho de 2017 às 17:14

Já nasceram os primeiros Espaços Empresa criados no âmbito do Simplex+, o programa nacional de modernização da administração pública portuguesa.

 

Os espaços, localizados nos distritos de Leiria e Santarém, foram anunciados pelo ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, e assumem-se como um importante "ponto único de acesso" para todo o tipo de informação que as empresas necessitem, desde as suas obrigações até às oportunidades de negócio.

 

De acordo com Manuel Caldeira Cabral, é neste espaço que se pretende que "os empresários portugueses possam obter dados sobre fundos comunitários, procedimentos que têm de fazer para avançar com novos investimentos, sobre licenciamentos ou outro tipo de situações".

Os Espaços Empresa nascem de um acordo entre a AMA – Agência para a Modernização Administrativa, o IAPMEI e a AICEP – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal. A ideia é que as três entidades se consigam coordenar no sentido de melhorarem o serviço que já prestam às empresas, dando uma "resposta única sem estar sempre a dizer ao empresário que para resolver mais esse problema tem de se dirigir a outra entidade ou local". Na realidade, trata-se de assegurar uma efectiva integração dos sistemas de todas as entidades e das respectivas bases de dados ao nível deste tipo de serviços. Desta forma, a informação passa a estar disponível em apenas um único ponto de contacto e de entrada na rede.

 

Esta iniciativa arrancou já com um projecto-piloto em Leiria, Abrantes e Ansião, sendo que, segundo Manuel Caldeira Cabral, "o objectivo é que este vá desenvolvendo os serviços a prestar às empresas para que no futuro possam ter um ponto único de relação com o Estado onde podem não só ser informadas como resolver todos os problemas relativos" ao dia-a-dia das organizações.

Nascido no seio do Simplex+, a verdade é que este projecto é em tudo semelhante às já famosas Lojas do Cidadão representando para as empresas o mesmo que as últimas representam para os cidadãos.

 

Até ao final do ano, todo o projecto deverá ser reavaliado, pretendendo-se posteriormente "abrir mais alguns Espaços Empresa, quer em conjunto com as câmaras municipais, quer em espaços que são hoje do IAPMEI ou da AMA", revelou ainda o ministro.

 

Contas feitas, o objectivo é "estender este projecto a todo o país, e fazê-lo em muitos casos em colaboração também com as associações empresariais para que os serviços que já hoje" as autarquias e as associações prestam às empresas "possam ser conjugados com o maior apoio deste projecto", concluiu o ministro da Economia.