Gestão & Administração Formação no mundo digital

Formação no mundo digital

Gamificação, “e-learning”, “social learning” e redes sociais: de que forma podemos tirar partido destas ferramentas tecnológicas para desenvolver planos de formação eficazes?
Formação no mundo digital
C-Studio 06 de julho de 2017 às 17:23

Com a evolução constante dos recursos digitais e das TIC em geral, a necessidade de formação passou a ser ainda mais premente, facilitando o contacto com a tecnologia e, igualmente, a gestão de recursos electrónicos ou digitais.

 

De resto, a importância da formação ao longo da vida, nomeadamente de âmbito profissional, é por demais evidente em vários estudos e, até mesmo, no relatório OECD Skills Strategy que a considerou "algo determinante para que o nosso foco passe por, depressa, melhorar a competitividade e a produtividade em Portugal através da qualificação dos nossos recursos humanos e dos nossos líderes".

 

E se antigamente este tipo de acções dependia quase exclusivamente de uma presença física do próprio formando, de alguns livros e de muitos cadernos – em suma, de papel e mais papel –, a verdade é que actualmente este é um conceito ultrapassado.

 

Fruto da evolução tecnológica, a formação tem vindo a transformar-se muito rapidamente assegurando a capacidade de tirar partido das faculdades que a internet lhe oferece, mas também de outras funcionalidades que, à primeira vista, poderíamos até nem associar a uma ideia de formação profissional.

 

Plataformas como as redes sociais e conceitos como o ensino a distância e a gamificação vieram dar novo fôlego a esta área. São várias as marcas que optaram já por assegurar a comunicação dos seus produtos através da gamificação e o mesmo acontece com a formação dos seus profissionais. Esta ideia, bem assim como as plataformas sociais e o "social learning", está a ser utilizada como forma de motivar colaboradores assegurando, em muitos casos, custos inferiores aos atingidos por outro tipo de soluções. Ao mesmo tempo, os níveis de adesão e os resultados finais são maiores e melhores.

 

Como se aplicam na formação?

No caso da gamificação, sabemos que um jogo não é mais do que um cenário virtual que suporta uma história cuja meta é alcançar determinados objectivos à medida que se superam desafios. Ora esta é também a ideia que acabará por ser transposta para as acções de formação profissional via gamificação, criando-se situações baseadas em objectivos motivacionais.

 

Falamos aqui não de um ambiente de jogo em si, mas antes de um espaço no qual os formandos controlam facilmente o seu progresso formativo bem assim como a qualidade da aprendizagem e do "feedback" que recebem.

 

O mesmo acontece com as plataformas sociais ou com o conceito de ensino a distância. Sem sair do seu local de trabalho (ou da sua casa), torna-se possível aceder a conteúdos relevantes para o seu dia-a-dia profissional, tirar dúvidas com os formadores, realizar testes de diagnóstico e adquirir vários níveis de certificação. Tudo à distância de um clique e no horário que mais convier a cada formando.

 

Seja qual for o caminho escolhido, as mais-valias associadas à formação são por demais evidentes. Se por um lado os profissionais adquirem as qualificações pedidas pelo mercado de trabalho e melhoram o seu percurso profissional, por outro as empresas em si saem igualmente a ganhar contando nos seus quadros com colaboradores altamente qualificados e mais aptos a responder ao cliente.