Gestão & Administração PME portuguesas inovadoras apoiadas pela União Europeia

PME portuguesas inovadoras apoiadas pela União Europeia

Um total de 1,5 milhões de euros está disponível para empresas que consigam apresentar projectos disruptivos nas áreas aeroespacial, agro-alimentar, da saúde e das tecnologias de informação e comunicação.
PME portuguesas inovadoras apoiadas pela União Europeia
C-Studio 13 de julho de 2017 às 12:26

Tornar as pequenas e médias empresas cada vez mais inovadoras e preparadas para os grandes desafios da economia digital é um desafio constante. A pensar nessa realidade, a União Europeia assegurou a disponibilização de um fundo na ordem dos 1,5 milhões de euros destinado às PME portuguesas com actividade nos sectores aeroespacial, agro-alimentar, da saúde e das tecnologias de informação e comunicação. O dinheiro destina-se a financiar ideias inovadoras que ajudem a promover a transferência de tecnologia entre os quatro sectores abrangidos. No máximo, cada empresa terá acesso a 46 mil euros de financiamento directo.

A escolha das candidaturas elegíveis por este tipo de financiamento tem em conta a integração de parcerias com outros países europeus que participam igualmente neste projecto, casos de Espanha, Holanda, Polónia e Irlanda.

 

O projecto ACTTiVAte – PAn-European Clusters for Technology Transfer and new VAlue Chains é coordenado em Portugal pelo Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial (INEGI) e financiado pelo programa europeu Horizonte 2020. O objectivo é apoiar a inovação nas PME e, ao mesmo tempo, assegurar uma efectiva reindustrialização inteligente do tecido económico europeu. Nesse sentido, avança-se com o incentivo à criação de novas cadeias de valor de cariz transectorial e transfronteiriço que resultam da transferência de tecnologias avançadas entre sectores com grande potencial para sinergias.

 

De acordo com Luís Pina, responsável pelo projecto ACTTiVAte em Portugal, "este propõe uma estratégia diferente para o apoio à inovação, focando-se em tecnologias já testadas com sucesso nos seus sectores de origem e que precisam apenas de pequenas adaptações para serem implementadas noutros sectores."

 

Diz ainda o mesmo responsável que, com um baixo nível de investimento, "é possível explorar todo o potencial de inovações em novos sectores e aplicações".

 

As candidaturas ao financiamento decorrem até 5 de Setembro sendo que, durante todo o processo de candidatura e desenvolvimento da ideia de negócio, as empresas serão acompanhadas por uma equipa de especialistas e podem participar em formações, workshops, sessões com mentores, eventos de mediação tecnológica e procura de parceiros, programas de mobilidade e fóruns de investimento.

 

Serão aceites, no máximo, 50 candidaturas; as empresas seleccionadas deverão então apresentar um plano de negócios, que lhes dará acesso à primeira tranche de 6 mil euros. Para a fase seguinte serão seleccionadas apenas 30 empresas, que deverão avançar para a elaboração do pré-projecto do seu demonstrador; quando o completarem recebem mais 15 mil euros. Os restantes 25 mil euros serão entregues no final da fase dedicada ao desenvolvimento do protótipo.