Gestão & Administração Portugal beneficia do Allianz Global Artificial Intelligence

Portugal beneficia do Allianz Global Artificial Intelligence

Num mercado com forte tendência de crescimento, o fundo surge focado em três áreas específicas, mas sempre ligado à IA: “big data” e infra-estruturas, automatização na saúde e transporte com condução autónoma.
Portugal beneficia do Allianz Global Artificial Intelligence
C-Studio 18 de julho de 2017 às 15:43

É um mercado em forte crescimento, provando que a ficção científica há muito deixou de o ser e se tornou uma realidade bem presente. Segundo dados de um estudo realizado pela Accenture e pela Frontier Economics, o sector da Inteligência Artificial (IA) deverá passar dos 643,7 milhões de dólares que valia em 2016 para os 36,8 mil milhões de dólares em 2025.

 

Os valores mais do que justificam a aposta das empresas nesta área, no âmbito dos seus processos de transformação digital e igualmente dos fornecedores que começam a disponibilizar no mercado um vasto conjunto de soluções com este tipo de tecnologia integrada.

 

Também atentos a esta realidade, o Banco Best e a Allianz trazem para o mercado nacional um fundo associado à IA. Trata-se do Allianz Global Artificial Intelligence apresentado no Japão em 2016 e que chegou à Europa já este ano.

 

O fundo surge focado em três áreas essenciais no âmbito da inteligência artificial. A primeira desta área é a de "big data" e infra-estruturas que prevê o trabalho em torno do armazenamento e do processamento de grandes volumes de informação; a segunda área diz respeito a tudo o que seja automatização na saúde, contando-se aqui soluções com impacto significativo no tratamento dos pacientes como é o caso da investigação e criação de terapias e de novos medicamentos; finalmente, a terceira área de foco deste fundo é a dos transportes e condução autónoma que, nos últimos tempos, tem merecido especial atenção por parte de vários fabricantes do sector.

 

Por ocasião do lançamento, Sebastian Thomas, Portfolio Manager and Director e US Head of Technology Research na Allianz Global Investors, recordou que "o potencial da inteligência artificial para revolucionar indústrias inteiras significa que este fundo representa uma oportunidade incrível de os investidores terem acesso a futuras fontes de inovação e crescimento em todo o mercado."

 

O investimento justifica-se também no curto prazo. Segundo dados do "Worldwide Semiannual Cognitive/Artificial Intelligence Systems Spending Guide" da IDC, já este ano, o mercado conjunto de sistemas de inteligência cognitiva e artificial na Europa Ocidental deverá valer qualquer coisa como 1,5 mil milhões de dólares.

 

Entre os três principais sectores a investir no mercado de sistemas cognitivos e de IA, contam-se a banca, a distribuição e a manufactura. Igualmente importante serão as aplicações inter-indústria. Contas feitas, em 2020, estas quatro áreas devem vir a representar quase metade de todos os gastos com TI em sistemas de inteligência cognitiva e artificial.

 

Neste seu estudo, a IDC prevê ainda que a Europa Ocidental represente 12,1% dos gastos totais associados a sistemas de inteligência cognitiva e artificial em 2017 embora o seu peso ao nível do investimento nesta área deva cair para 9,5%, a nível mundial, até 2020.