Transformação Digital Um aliado chamado inteligência artificial

Um aliado chamado inteligência artificial

A previsão e antecipação de oportunidades com base na inteligência artificial já é uma realidade no mundo dos negócios, permitindo aproximar cada vez mais a informação da acção.
Um aliado chamado inteligência artificial
C-Studio 29 de maio de 2017 às 12:58

Mostrava-se a medo em alguns livros "antigos" e nos primeiros filmes de ficção científica; era coisa do futuro, algo que possível "só, talvez, quem sabe, no próximo século". Pura imaginação, portanto!

 

Nada mais errado, na verdade. A ficção sobrepôs-se à realidade e os conceitos de Inteligência Artificial (IA) e realidade virtual tornam-se cada vez mais reais e uma importante ferramenta dentro das organizações.

 

Na verdade, há muito que a inteligência artificial deixou de ser mera ficção científica para tomar parte no nosso quotidiano. Segundo dados de um estudo recente da Gartner, até 2022 as máquinas inteligentes e os robôs devem vir a substituir vários postos de trabalho em áreas tão essenciais como a medicina, o direito ou, até mesmo, as tecnologias de informação.

 

Já no "Worldwide Semiannual Cognitive/Artificial Intelligence Systems Spending Guide", a IDC defende que a adopção generalizada de sistemas cognitivos e de IA num largo conjunto de sectores deverá ajudar a estimular as receitas mundiais nestes mercados. Assim sendo, prevê-se que os valores venham a passar dos quase 8 mil milhões de dólares em 2016 para mais de 47 mil milhões em 2020.


O mesmo estudo dá ainda conta de que tudo o que tem que ver com o mercado de soluções cognitivas e de IA vai registar uma taxa de crescimento anual composta (CAGR) de 55,1% ao longo do período compreendido entre 2016-2020. 

A capacidade de reconhecer e responder a fluxos de dados utilizando algoritmos e lógica baseada em regras permite que os sistemas cognitivos e de IA assegurem a automatização de uma ampla gama de funções em muitas indústrias.

 

Assim sendo, a IDC prevê que o maior crescimento da receita ao longo dos próximos cinco anos se venha a verificar ao nível dos sistemas para segurança pública e resposta de emergência, pesquisa e descoberta farmacêutica, sistemas de diagnóstico e tratamento, fornecimento e logística, sistemas de investigação e recomendação de gestão de qualidade assim como de gestão de frotas.

 

Já quando olha para as indústrias, o mesmo estudo da IDC revela que os investimentos mais significativos partirão dos sectores bancário e da distribuição, seguidas pela saúde e pela manufactura.

Contas feitas, caberá agora aos CIO terem a capacidade de prepararem eficazmente as suas equipas e as suas organizações como um todo para o impacto que terá a inteligência artificial nos negócios.

No que diz respeito ao negócio em si, a verdade é que a IA poderá vir a viabillizar novas técnicas e capacidades de forma simples e totalmente automática.

 

Nos sistemas de CRM, a utilização de inteligência artificial não é uma novidade, especialmente quando aludimos aos processos de vendas; ao mesmo tempo, e na sequência da melhoria significativa das tecnologias associadas ao "machine learning" e à análise preditiva, surge agora uma renovada comunidade de líderes de marketing e de vendas, mais inovadores e, acima de tudo, muito mais preditivos.

 

É o poder da informação associado aqui directamente à ação, na sequência da tomada de medidas, que permite mais e melhores resultados em muito menos tempo útil. Acções que, ao contrário de se suportarem apenas na intuição humana, surgem agora abraçadas pela inteligência artificial e outras técnicas semelhantes ao nível da ciência dos dados.

 

Os departamentos de marketing e vendas têm tudo a ganhar pelo recurso às potencialidades da inteligência artificial. Em última análise, permite-lhes uma efectiva previsão e antecipação de oportunidades com base em dados muito próximos da realidade. No final, é o negócio que sai a ganhar e, claro, acima de tudo, a organização.



Duas ideias a ter em conta

1.Utilizar analítica associada à IA para melhorar as vendas
Vendedores confiantes e focados significam mais e melhores oportunidades para uma organização; para o conseguirem, devem ter em mãos "leads" fortes e a mais apurada informação sobre intenções de compra.

2. Recorra à IA para expandir mercados de actuação
Esta é também uma ideia que pode ajudar as equipas de vendas a identificar boas oportunidades para expansão do negócio. A análise preditiva das contas vai permitir criar um "roadmap" de contratações já que ajuda a desenvolver o negócio em regiões onde é mais fácil justificar o investimento com base no potencial de receita.