Transformação Digital Uma Europa mais digital

Uma Europa mais digital

A CE apresentou um conjunto de propostas para tirar partido do potencial da transformação digital da Europa e tornar os Estados-membros cada vez mais digitais.
Uma Europa mais digital
C-Studio 25 de maio de 2017 às 15:20

Com o intuito de aproveitar as oportunidades digitais no mercado de trabalho, a Comissão Europeia (CE) apresentou um projecto-piloto transfronteiriço de estágios.

 

Este projecto vai abranger entre cinco a seis mil licenciados entre 2018 e 2020, em áreas como a cibersegurança, "big data", tecnologia quântica, inteligência artificial, marketing digital, entre várias outras.

 

No final, o objectivo passará por dar resposta às necessidades digitais no mercado de trabalho. Contas feitas pela Comissão Europeia apontam para que 40% das empresas necessitem hoje de especialistas em tecnologias de informação e comunicação e sintam dificuldades em recrutar esse tipo de profissionais.

 

Este projecto-piloto, recentemente anunciado pela CE, surge suportado em programas e redes existentes na Europa comunitária – como é o caso da Coligação para a Criação de Competências e Emprego na Área Digital – e deverá permitir avançar com uma avaliação do interesse dos estudantes e também das empresas neste tipo de estágios.


Conforme refere o vice-presidente responsável pelo Mercado Único Digital (MUD), Andrus Ansip, "se queremos compreender o fosso de competências digitais na Europa, a educação e a formação têm de tornar-se uma responsabilidade conjunta entre empregadores, empregados, educadores e ‘policy makers’".

 

As medidas recentemente apresentadas surgem inseridas no contexto da estratégia para o MUD, lançada em Maio de 2015. O projecto vai ser desenvolvido na UE a várias velocidades sendo que, numa fase inicial, arranca em apenas sete Estados-membros, nos quais se inclui Portugal, mas também França, Alemanha, Itália, Luxemburgo, Holanda e Espanha.

Ainda com o intuito de criar uma Europa mais digital, a CE avança com a criação de um quadro jurídico que permita uma melhor cooperação transfronteiriça para a mobilidade conectada e automatizada.

 

As iniciativas estendem-se ainda à indústria e aos serviços públicos sendo que, neste caso, o objectivo é tirar o melhor partido da inovação digital em produtos e processos. Para o garantir, foi apresentada uma plataforma europeia com iniciativas de digitalização da indústria, doze que já existem e outras nove a desenvolver futuramente.

 

O objectivo último destas medidas passa por estimular investimentos conjuntos, cooperação além-fronteiras e entre sectores.

 

Finalmente, as medidas apresentadas integram ainda um novo Quadro Europeu de Interoperabilidade, que visa ajudar as administrações públicas dos países a coordenar os esforços em matéria de fornecimento dos serviços públicos digitais.

 

Neste caso, trata-se de assegurar que os serviços se tornam cada vez mais acessíveis, dentro e fora dos países, facilitando a comunicação entre as pessoas e as organizações e também entre a própria administração pública.