Automóveis Dacia Duster: Mais “poeirento” que nunca

Dacia Duster: Mais “poeirento” que nunca

Novo design exterior, subtil mas mais aventureiro, e interior totalmente renovado são as grandes novidades do Dacia Duster. Os motores são os mesmos, mas o equipamento foi reforçado.
Adriano Oliveira 24 de dezembro de 2017 às 16:00
Características

€n.d.

Dacia Duster 1.5 DCI 110 cv s&s FAP 4x4

Motor: dianteiro transversal, ferro/alumínio, gasóleo, 4 cilindros em linha, 8 válvulas, injecção directa, turbocompressor, sistema 'start/stop'.
Cilindrada: 1.461 cc.
Potência máxima: 110 cv às 4.000 rpm.
Binário máximo: 260 Nm às 1.750 rpm.
Velocidade máxima: 169 km/h.
Aceleração: 12,4s 0-100 km/h.
Tracção: 4x4.
Transmissão: manual 6 velocidades.
Consumos:
misto 4,7l/100 km;
urbano 4,8l/100 km;
extra-urbano 4,7l/100 km.
Emissões CO2: 123 g/km (Euro VI).
Lançamento: 2018


Modelo de grande importância estratégica para a Dacia, marca do grupo Renault-Nissan, o crossover Duster ("poeirento" em português) recebe uma nova actualização estética, exterior e interior, que acontece sete anos depois da sua chegada ao mercado e mais de dois milhões de unidades vendidas no Mundo.

Para além do refrescamento estético, esta segunda geração Duster foi também reforçada estruturalmente e melhorada a nível de equipamentos de segurança e de apoio à condução, como é o caso do alerta de ângulo morto e, de série, a activação automática de luzes, que oferecem um maior conforto de utilização em estrada e no todo o terreno. Neste particular, o destaque vai para as unidades equipadas com tracção às quatro rodas, onde a experiência 4x4 e as capacidades para ultrapassar obstáculos estão ao melhor nível, como pudemos confirmar num percurso especial preparado para o efeito na Dionysos Quarry, uma pedreira a alguns quilómetros da capital grega.

Esteticamente, e apesar das alterações de desenho, as diferenças entre o novo Duster e o antecessor não saltam imediatamente à vista. Todavia, com um pouco mais de atenção, percebem-se os novos grupos ópticos com luzes diurnas de LED, os novos pára-choques e a tampa de motor mais estilizada, entre outros detalhes. Globalmente, o estilo aventureiro do Duster sai reforçado.

Em contrapartida, no interior, a mudança é total e bem-vinda. Entre outras novidades, há um novo painel de bordo com o ecrã em posição mais alta para mais fácil leitura e acesso; há novos bancos, materiais e revestimentos; a insonorização melhorou e a habitabilidade evoluiu, apesar das mesmas dimensões interiores.

O Duster dispõe ainda de 27,2 litros de pequenos espaços para arrumação e a capacidade da bagageira soma 445 litros (4x2) e 411 litros (4x4).

Nos motores não há grandes novidades. A gama a gasolina inclui os blocos SCe 115 cv e TCe 125 cv, associados a uma caixa de velocidades manual. Estão ambos disponíveis com tracção às duas e às quatro rodas motrizes.

Nas versões a gasóleo, o Duster é proposto com o motor dCi 90 para a versão 4x2 e o dCi 110 para as versões 4x2 e 4x4, combinados com uma caixa de velocidades de comando manual. O motor dCi 110 (para a versão 4x2) pode estar associado à caixa de velocidades automática EDC de dupla embraiagem. Está igualmente, disponível uma oferta GPL com o motor SCe 115.


Destaques

Segundo a Dacia, novo Duster deverá manter o mesmo preço imbatível da anterior geração no mercado nacional.

Competências todo-o-terreno

O novo Duster conserva as competências 4x4 da anterior geração: 4,34 metros de comprimento; 1,80 m de largura; uma distância ao solo elevada (210 mm); um ângulo de ataque de 30° e um ângulo de saída de 33° na versão 4x4 e 34° na versão 4x2; um ângulo ventral de 21°.


Portagens travam preço e lançamento

E a história repete-se. Para evitar a classificação Classe 2 nas portagens em Portugal, o novo Duster vai receber alterações para ser enquadrado como Classe 1. Enquanto não estiverem realizadas e feita a respectiva homologação, não há preços nem data de chegada do Duster a Portugal.

Negócios em Atenas, a convite da Duster






pub