Weekend A beleza dos tubarões da alta relojoaria

A beleza dos tubarões da alta relojoaria

São os tubarões que influenciam decisivamente a nova aposta da IWC, dentro da célebre linha Aquatimer. Sharks é uma edição limitada.
A beleza dos tubarões da alta relojoaria
Fernando Sobral 07 de janeiro de 2017 às 14:00
Os tubarões são temíveis. Mas são também sinónimos de beleza como verdadeiros reis dos mares. Não admira que os apaixonados pelos oceanos o respeitem e venerem, numa época em que estes animais portentosos enfrentam a ameaça da extinção, no meio da sua captura e também da devastação dos recursos naturais onde vivem devido ao excesso de pesca. A IWC, ciente disso, lançou agora o Aquatimer Cronógrafo Edição "Sharks", limitado a 500 unidades. É uma bela homenagem. A gravura na parte traseira da caixa mostra um grupo de tubarões-martelo a nadar.

O distinto mostrador cinza foi inspirado na cor natural de diversos tubarões. Encapsulado numa caixa de aço inoxidável, o relógio é accionado por um calibre 89365 fabricado pela IWC. O cronógrafo é resistente à água até 30 bar e possui uma função "flyback", um sistema de corda automática e uma reserva de marcha de 68 horas. As durações dos mergulhos podem ser definidas utilizando-se o anel rotativo externo/interno. Este conceito inovador da IWC reúne a excelente legibilidade de um anel rotativo interno com a facilidade de uso de um anel externo. O sistema SafeDive garante que o anel interno só possa ser ajustado no sentido anti-horário.

Os revestimentos luminescentes do mostrador, ponteiros e do anel rotativo interno oferecem boa legibilidade em baixo da água. Já agora refira-se que este Aquatimer exclusivo é fornecido juntamente com o livro "Sharks" de Michael Muller, um fotógrafo americano famoso pelos seus retratos de actores, músicos e desportistas. No entanto, nesta última década, Muller concentrou-se no seu trabalho com os tubarões. O volume é autografado por Muller.

A ligação da IWC ao mar é longa. Em décadas em que o mergulho era ainda vista como uma aventura perigosa, apesar dos trabalhos de nomes como Emile Gagnan e Jacques-Yves Costeau, a marca desenvolveu relógios que tornavam essa actividade mais segura e mais fácil. O primeiro Aquatimer nasceu em 1967 e era resistente até 200 metros de profundidade. Com o tempo, foi-se tornando um ícone. Uma nova família do Aquatimer foi, por exemplo, testada pelos mergulhadores da "família Costeau" em 2004. Em 2009, nasceu, por outro lado, uma nova geração de Aquatimers. Agora, este "Sharks" com os seus 44 mm de diâmetro e que é resistente a 300 metros de profundidade abre um novo capítulo nesta história. De amizade entre o homem e o mar. Respeitando o valor do tempo, algo que os tubarões, que sobreviveram milhares de anos desde os tempos mais remotos, são exemplos perfeitos.






A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub