Weekend A Revolta da Batata foi há 100 anos

A Revolta da Batata foi há 100 anos

Há um século Lisboa e Porto estavam em estado de sítio. Em protesto contra a fome e o aumento do custo de vida a população pilhou as mercearias e armazéns. Entre 19 e 21 de Maio de 1917 os confrontos com as forças da autoridade fizeram 40 mortos. Esta explosão social ficou conhecida como “A Revolta da Batata”.
A Revolta da Batata foi há 100 anos
Hemeroteca Municipal de Lisboa
Filipa Lino 19 de maio de 2017 às 16:28

As condições de vida agravavam-se a cada dia que passava. Em 1917, Portugal era um país em erupção. O racionamento de alimentos por causa da I Guerra Mundial provocou a revolta popular. O país afundava numa profunda crise económica.

Era cada vez mais difícil sobreviver, sobretudo nas zonas urbanas. De acordo com o Anuário Estatístico de Portugal, o custo de vida subiu 192,7% entre 1914 e 1918. Um litro de leite custava o equivalente a 18% do salário de um operário e uma dúzia de ovos correspondia a 60%. Paralelamente, o desemprego alastrava.

Nesta altura Portugal era um país rural. A grande maioria da população era analfabeta e os que vinham do campo à procura de emprego nas cidades, quando lá chegavam, viviam em condições sub-humanas. Precisavam de apoio social para sobreviver, como a Sopa para os Pobres, criada pelo jornal O Século, com a ajuda das paróquias, em Abril de 1917. Os fundos eram angariados através da organização de espectáculos de beneficência.

Imagem: Hemeroteca Municipal de Lisboa
A Sopa para os Pobres foi criada pelo jornal O Século semanas antes da Revolta da Batata. A Ilustração Portugueza destaca esta instituição de solidariedade na edição de 28 de Maio de 1917.

 

A agitação social intensificou-se um pouco por todo o país mas foi nas regiões de Lisboa e Porto que ganhou força, com sucessivas greves, comícios e motins.

A participação portuguesa na Guerra tornava-se cada vez mais impopular. Nas ruas da capital, depois das 23 horas, não havia luz nem polícia.

Imagem: Hemeroteca Municipal de Lisboa
Excerto de uma crónica de Augusto de Castro na Ilustração Portugueza, de 28 de Maio de 1917.

Os ânimos aqueceram ainda mais quando houve um aumento súbito do preço da batata, um produto muito consumido pelas classes mais desfavorecidas, devido à falta de pão. A isso juntava-se a escassez de carne, peixe, leite e açúcar.

A população estava faminta e a 19 de Maio de 1917 começaram os assaltos em massa a mercearias, padarias, restaurantes. No mesmo dia houve uma paralisação dos trabalhadores da construção civil, que se juntaram numa manifestação no Parque Eduardo VII, em Lisboa, onde reivindicavam aumentos salariais.

A situação, nos dias seguintes, ficou descontrolada. Os violentos confrontos dos populares com as forças da autoridade entre 19 e 21 de Maio provocaram cerca de 40 mortos. E houve centenas de pessoas que foram presas. No Rossio, a enfrentar a guarda, estiveram mais de 4 mil pessoas.

O governo, liderado por Afonso Costa, declarou o estado de sítio e suspendeu as garantias constitucionais. A capital passou a ser patrulhada pela infantaria e pela cavalaria. No Porto também houve confrontos com a GNR e a polícia de que resultaram cerca de 20 mortos e vários feridos.

Imagem: Hemeroteca Municipal de Lisboa
A edição da Ilustração Portugueza, de 4 de Junho de 1917, faz um relato dos acontecimentos ocorridos na capital, durante a Revolta da Batata.


Na Câmara dos Deputados, na sessão de 22 de Maio, o Chefe do Governo descreve os acontecimentos no mercado da Praça da Figueira, três dias antes, dizendo que se assaltaram "géneros e mercadorias de primeira necessidade, especialmente batata que foi destruída ou arrebatada querendo a esses factos atribuir os comerciantes a razão do aumento do preço que, quase em geral, se deu nesse mesmo dia".

Mas o deputado Brito Camacho apresenta uma moção onde justifica os acontecimentos com a "imprevidência dos poderes públicos". No documento afirma: "Não era segredo para ninguém que muitas famílias em Lisboa estiveram dois e três dias sem comerem pão, e posso garantir a V. Exas. que em minha casa houve pão porque o mandei vir da província. Mas quem manda vir pão da província não faz do pão a base da sua alimentação, nem vem para a rua protestar contra a carestia da vida. E apesar destes factos, que providências tomou o Governo? Absolutamente nenhumas."

Brito Camacho apontava também o dedo à "ganância dalguns merceeiros e armazenistas", que "tendo dentro dos seus estabelecimentos a batata, a aumentaram para um preço exorbitante dum momento para o outro."

O descontentamento da população foi usado como arma de arremesso entre políticos. A Revolução da Batata seria mais um dos muitos momentos críticos da I República.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Passados 100 anos temos novamente um Costa ao leme da governação!
Temos também uma crise social, económica e política!

comentários mais recentes
Sorte de Portugal é termos uma GERINGONÇA . Há 1 semana

O arco do roubo destruiu o País,mas a sorte foi termos uma geringonça de homens sérios e honestos,que os ladrões do arco do roubo não gostam criam continuar a roubar,como ex.votante PSD quero o meu País limpo de ladrões,por isso vou votar para a Geringonça ser reforçada para bem de todos.e de PORTUG

Anónimo Há 1 semana

Caro sr semcrer apenas fiz um comentário sem qualquer índole perjurativa ou ofensiva! Constatei apenas um facto!
Não percebi o modo como fui interpelado e daí ter ficado perplexo com o comentário que me foi dirigido!
Cumprimentos

semcrer Há 1 semana

Caro Anónimo, é mesmo verdade!

Passados 100 anos, temos novamente um Costa à frente do Governo do país.

Só que este Costa tem, no mínimo, o grande mérito de ter acabado com o clima de crispação social e conflitualidade existente, permitindo ao país voltar a 'respirar' e crescer!

É certo que a crise está ainda longe de terminar, mas felizmente deixámos de ter à frente dos destinos do MEU Portugal um governo servil e experimentalista de deriva ultra neo-liberal que dizimou a classe média e o tecido empresarial com ênfase nas PME contribuindo para o aprofundar da crise encabeçado por gente de muito má memória como Pedro Passos Coelho e Maria Luís.

semcrer Há 1 semana

Mais um artigo de excelência do Jornal de Negócios!

Os meus sinceros Parabéns à jornalista e equipa editorial.

ver mais comentários
pub